Dúvidas no mercado global em relação à transparência de dados sobre o coronavírus

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou a quinta-feira em queda de 0,87% aos 115.662 pontos com giro financeiro de R$ 21,6 bilhões. Desta vez foi o revés no noticiário internacional a respeito da disseminação do vírus, trazendo piora nos números divulgados e pesando sobres as bolsas. A sexta-feira abre com agenda econômica mostrando a inflação (IGP-10) em ALTA de 0.1% e o índice de atividade econômica com QUEDA de 0.27% no M/M e ALTA de 1.28% no A/A. Na zona do euro, o PIB do 4T19 subiu 0,1% no T/T e 0,9% no A/A, em linha com as expectativas do mercado e a balança comercial de dez/19 da região ficou em 22,2 bilhões de euros, acima do esperado e do dado anterior (19,2 bi). Dados dos EUA completam a agenda. Dúvidas no mercado global em relação à transparência de dados sobre o coronavirus mexem com os mercados. Na zona do euro as bolsas oscilam nesta manhã. Do lado doméstico o dia pode novamente mostrar volatilidade nos preços dos papeis, com as principais commodities (minério de ferro e petróleo) negociando com alta nos preços.

Câmbio
A moeda americana atingiu novo pico ontem, fechando em R$ 4,3533 contra R$ 4,3308 no dia anterior (+0,52%), a sexta alta seguida. A piora no noticiário do lado da China e dados fracos do varejo em dez/19, levaram a uma corrida para o dólar

Juros
Os juros futuros tiveram mais um dia queda nas taxas mais longas em dia de divulgação de dados de varejo piores que o esperado. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 fechou em 4,225% ante 4,235% na terça-feira. A taxa do DI para jan/27 encerrou a 6,39% de 6,421%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Rumo Logística (RAIL3)
Lucro líquido do 4T19 cresce 47,4% somando R$ 202 milhões. No ano foram R$ 786 milhões.

O lucro líquido anual foi de R$ 786 milhões, sendo R$ 202 milhões no 4T19. A alavancagem atingiu 1,8x dívida líquida abrangente/EBITDA LTM ao final de 2019. O lucro líquido sem Malha Central foi de R$ 907 milhões, 3,3 vezes maior do que o ano anterior. Destaque para o ganho no processo de licitação da Ferrovia Norte Sul e um acordo operacional com a Ferroeste, iniciativas que ampliam ainda mais a área de atuação da Rumo.

Temos uma visão positiva para a empresa em 2020. A ação RAIL3 encerrou ontem cotada a R$ 23,80 com queda de 8,8% no ano e ganho de 53,5% no ano passado.


Banco BMG S.A. (BMGB4)
Lucro recorrente de R$ 74 milhões no 4T19 e de R$ 344 milhões em 2019

O Banco BMG reportou seus resultados referentes ao 4T19 e ao ano de 2019 com destaque para o lucro líquido recorrente de R$ 74 milhões no trimestre, com crescimento de 20% em relação a igual trimestre do ano anterior. Nesta base de comparação o ROAE recorrente veio de 10,5% no 4T18 para 9,6% no 4T19.

O Lucro Líquido recorrente de 2019 somou R$ 344 milhões, crescimento de 33% em comparação a 2018,  reflexo da forte evolução no desempenho financeiro. O ROAE recorrente foi de 12,5% em 2019, com incremento de 1,7pp em comparação a 2018.

A Margem Financeira Líquida alcançou 22,5% em 2019 refletindo principalmente o crescimento da carteira de varejo, cuja dinâmica de crescimento segue positiva. No 4T19 era de 26,6% ante 25,1% no 3T19

Ao final de dezembro de 2019 a Carteira de Crédito Total do BMG era de R$ 11,455 bilhões, e crescimento de 20% em doze meses. Em linha com a estratégia voltada para o financiamento ao consumo, a carteira de varejo atingiu R$ 9,667 bilhões, representando um crescimento de 23% nos últimos doze meses. A Carteira Atacado cresceu 34% para R$ 1,625 bilhão. Já a Carteira Run Off, que inclui “o empréstimo consignado legado, Lendico, veículos e empréstimo imobiliário”, caiu 62% para R$ 163 milhões.


BTG Pactual (BPAC11)
Lucro Líquido ajustado de R$ 1,01 bilhão no 4T19 e de R$ 3,83 bilhões em 2019

O Banco Pactual registrou no 4T19 um lucro líquido ajustado de R$ 1,01 bilhão, com crescimento de 42% em relação ao lucro ajustado de R$ 711 milhões do 4T18. Nesta base de comparação o ROAE ajustado elevou-se de 15,0% no 4T18 para 19,1% no 4T19.

Em 2019 o lucro líquido ajustado somou R$ 3,83 bilhões, crescimento de 40% ante o observado em 2018, explicado principalmente pelo resultado do banco de investimento, reflexo da retomada do mercado de capitais. A receita dessa unidade dobrou do ano para R$ 949 milhões, recorde desde a abertura de capital do banco, em 2012. O ROAE ajustado passou de 14,7% em 2018 para 19,1% em 2019.

A receita total do banco foi de R$ 2,49 bilhões no 4T19 (+60%) e de R$ 8,33 bilhões em 2019 (+56%). Ao final do 4T19 o índice de Basileia do BTG ficou em 14,9%, ante 16,6% no 4T18 e 15,1% no 3T19. Os ativos totais somavam R$ 164,4 bilhões, com expansão de 19% ante igual intervalo de 2018.


Usiminas (USIM5)
Ganhos não operacionais melhoram o resultado do 4T19

A empresa divulgou seus resultados do 4T19 nesta manhã, apresentando redução nas vendas de aço e na rentabilidade do segmento de siderurgia, comparado ao mesmo período do ano passado.  Por outro lado, o bom resultado da mineração, a redução das provisões e um ganho expressivo com depósitos compulsórios da Eletrobras, melhoraram o lucro líquido.

  • A Usiminas obteve no 4T19 um lucro líquido de R$ 219 milhões (R$ 0,17 por ação), 38,3% menor que o resultado do mesmo período do ano anterior, mas que reverteu o prejuízo (R$ 184 milhões) do 3T19;
  • Em 2019, as menores vendas de aço e os aumentos de custos determinaram perdas de margens operacionais.  A volta à exportação de minério compensou parte das perdas da siderurgia.  Porém, o EBITDA ajustado em 2019 (R$ 2,0 bilhões) ficou 26,7% menor que no ano anterior.  As perdas operacionais citadas, associado ao menor volume de ganhos com créditos fiscais, fez o lucro líquido em 2019 cair 70,7% para R$ 213 milhões (R$ 0,17/ação).

JHSF Participações (JHSF3)
Forte crescimento no resultado líquido do 4T19 e no acumulado do ano, totalizando R$ 326,7 milhões.

A JHSF mostrou crescimento expressivo nas principais contas de resultado. No 4T19 a empresa registou um lucro líquido de R$ 211,0 milhões, aumento de 197,4% sobre o 4T18 e no ano o crescimento foi de 508,5%.

A ação JHSF3 encerrou ontem cotada a R$ 7,87 (1,67x o seu VPA) com valorização de 10,4% no ano e 293,2% no ano passado. O valor de mercado da empresa é de R$ 5,0 bilhões.


Sabesp (SBSP3)
Câmara Municipal de Diadema aprovou Lei Municipal 007/2020 que autoriza o Município e o Estado de São Paulo a celebrarem convênio de cooperação para tratar resíduos sólidos e gerar energia.

A Câmara Municipal de Diadema aprovou Lei Municipal 007/2020 que autoriza o Município e o Estado de São Paulo a celebrarem convênio de cooperação que permitirá à Sabesp tratar os resíduos sólidos urbanos da cidade, abrangendo a destinação final do lixo e seu reaproveitamento em geração de energia, sendo que a coleta de lixo continuará a cargo do município.

Com a aprovação da Lei, fica possibilitado à Sabesp dar continuidade às discussões com a prefeitura, com o objetivo de chegar à forma e termos contratuais que atendam as partes. A Companhia já trabalha em projetos inovadores voltados à economia circular. O tratamento de resíduos sólidos vai ao encontro do compromisso da Sabesp com a sustentabilidade, qualidade de vida e também com os objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) da ONU.


Cemig (CMIG4)
Justiça liberou R$ 1,4 bilhão que estavam depositados em garantia no processo judicial de exclusão do ICMS da base de cálculo do Pasep e Cofins.

Em continuidade ao Fato Relevante divulgado em 27-06-2019, em decorrência de decisão do juízo da 7ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte/MG, as subsidiárias integrais Cemig Distribuição S.A. (“Cemig D”) e Cemig Geração e Transmissão S.A. (“Cemig GT) levantaram, em 13 de fevereiro de 2019, os valores que se encontravam depositados em garantia no processo judicial (transitado em julgado em 08.05.2019) relativo à exclusão do ICMS da base de cálculo do PASEP e COFINS, respectivamente, R$ 1.186 milhões e R$ 196 milhões.

Lembrando que “os efeitos decorrentes do trânsito em julgado favorável à companhia na referida ação já foram registrados no exercício de 2019, com um impacto no lucro líquido consolidado em 30-09-2019 correspondente a R$ 1.969 milhões (líquido dos efeitos fiscais)”.

A Cemig destacou ainda que “o valor total a ser recuperado em virtude do ganho na ação judicial atinge cerca de R$ 7.190 milhões, dos quais R$ 3.036 milhões relativos à companhia, Cemig GT e Cemig D”; e que “ a diferença, no montante de cerca de R$ 4.154 milhões, deverá ser devidamente repassada aos consumidores da Cemig D, em forma a ser definida pelos órgãos oficiais competentes, no contexto, também, da recuperação de recursos, mediante a compensação de impostos futuros a pagar de PASEP e COFINS e/ou do recebimento de precatórios”.


Banco do Brasil S.A. (BBAS3)
JCP complementar e payout para 2020

Conselho Diretor do Banco do Brasil reunido em 10/02/2020, aprovou a distribuição de R$ 1,243 bilhão (R$ 0,43577376318/ação) sob a forma de Juros sobre Capital Próprio (JCP), relativos ao 4T19. O JCP será atualizado, pela taxa Selic, da data do balanço (31/12/2019) até a data do pagamento (05/03/2020) e terá como base a posição acionária de 21/02/2020, sendo as ações negociadas “ex” a partir de 24/02/2020. O retorno complementar líquido é de 0,75%.

Payout 2020. O Conselho de Administração, aprovou para o exercício de 2020, a manutenção do intervalo de 30% a 40% do lucro líquido a ser distribuído (payout), via juros sobre o capital próprio (JCP) e/ou dividendos.


Grendene (GRND3)
Queda de 16,4% no lucro líquido do 4T19 e de 15,5% no acumulado do ano, somando R$ 585,5 milhões

A Grendene registrou mais um trimestre de resultados fracos em volume e faturamento. Os quatro trimestres de 2019 mostraram queda no volume de vendas em comparação com os respectivos períodos de 2018.

A Grendene mantém sólida situação financeira. O caixa líquido em 31/12/2019 totalizou R$ 2,0 bilhões, variação positiva de 9,7% em relação aos R$ 1,8 bilhão de 31/12/2018.

A ação da Grendene encerrou ontem cotada a R$ 10,91 (1,58x o seu VPA) com queda de 11,2% no ano e alta de 55,6% no ano passado. O valor de mercado da empresa está em R$ 5,8 bilhões.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.