Mercados globais preocupados com a disseminação do coronavírus

MERCADO


Bolsa
A bolsa operou em campo negativo durante todo o dia fechando com queda de 3,29% aos 114.482 pontos e giro financeiro de R$ 23,9 bilhões. O Ibovespa refletiu o comportamento dos mercados globais preocupados com a disseminação do coronavírus e os eventuais efeitos sobre a atividade econômica mundial. A China estendeu o feriado para 2 de fevereiro e restringiu viagens. As bolsas e o petróleo caíram, e o rendimento dos Treasuries tiveram forte recuo em consequência da busca por segurança. A agenda de hoje no Brasil traz os Custos de construção de janeiro pela FGV. Nos EUA destaque para os Pedidos de bens duráveis de dez/19 (preliminares) e o índice de Confiança do consumidor de janeiro. A aversão ao risco e preocupação com o crescimento econômico permanecem, mas bolsa pode ter um dia de recuperação, de olho no noticiário externo e no início da divulgação dos resultados corporativos.

Câmbio
Aversão ao risco e temor com o coronavírus sustentaram a alta do câmbio pelo segundo dia seguido, refletindo a preocupação de que a economia global seja abalada após a China estender feriado e restringir viagens. No período da tarde, a moeda mostrou leve melhora no desempenho seguindo as bolsas americanas fechando com 0,7% de alta a R$4,21.

Juros
Os juros futuros caíram ao longo de toda curva, basicamente refletindo a expectativa de redução de 0,25% da taxa Selic pelo BC na próxima reunião do Copom em fevereiro, dependendo ainda da proporção da crise e dos efeitos na atividade econômica mundial e brasileira. Ao final do dia a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 recuava de 4,35% na véspera para 4,31%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Cielo (CIEL3)
Resultado e margens pressionados no 4T19

A Cielo registrou no 4T19 um lucro líquido de R$ 242,4 milhões, com queda de 32,3% em relação ao trimestre anterior e redução de 68,0% ante o 4T18, reflexo da queda de 1,2% da receita operacional (em 12 meses) aliado a maior evolução dos gastos totais (+20,4% em 12m) e da redução de 22,9% do resultado de aquisição de recebíveis.

O ambiente competitivo permanece desafiador. Ao longo de 2019 a empresa realizou uma reestruturação com foco em três unidades de negócios com base na segmentação de clientes: Grandes Contas, Varejo e Empreendedores, e adicionalmente colocou em prática um novo modelo comercial, contratando mil “hunters” com o objetivo de trazer novos clientes, o que resultou no crescimento de 9% no volume capturado e no incremento de 18% no número de clientes.


JBS (JBSS3)
Companhia e WH Group assinam acordo de fornecimento e distribuição

A JBS e o WH Group (00288.HK) assinaram um Memorando de Entendimentos (MOU) para fornecimento e distribuição de proteína bovina, de aves e suína in natura ao mercado chinês. Juntas, JBS e WH Group, oferecerão um portfólio de produtos das marcas Friboi e Seara, em um acordo que pode movimentar até R$ 3 bilhões em negócios por ano.

De acordo com o comunicado enviado ao mercado “além de ampliar a participação dos produtos e marcas da empresa no mercado chinês, especialmente de carne bovina, o objetivo da parceria é ter acesso direto ao consumidor por meio dos mais de 60 mil pontos de venda exclusivos do WH Group no país”.

O preço justo de R$ 35,00/ação para a ação, quando comparado a cotação de R$ 27,30/ação, embute um potencial de alta de 28,2%. No preço atual, equivalente a um valor de mercado de R$ 74,5 bilhões, os múltiplos para 2020 são: P/L de 9,1x e VE/EBITDA de 5,3x.


Cemig (CMIG4)
Concessão de empréstimo para a Renova

A Cemig informa que sua coligada, Renova Energia S.A. (RNEW11), em recuperação judicial, divulgou ontem (27/janeiro) Fato Relevante comunicando que foi firmado, uma nova contratação de empréstimo do tipo “debtor-in-possession” (“DIP”) junto à Cemig, no montante de R$ 20,0 milhões, necessários para suportar as despesas de manutenção das atividades da companhia e suas controladas.
Com essa nova contratação, a Renova atinge o valor de R$ 36,5 milhões de mútuos pós concursais junto à Cemig. Esse novo DIP obedece aos exatos parâmetros e limitações estabelecidos pelo Juízo da 2º Vara de Falências e Recuperações Judiciais da Comarca do Estado de São Paulo.
Ao preço de R$ 15,22/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 22,2 bilhões, a ação CMIG4 registra alta de 10,4% este ano. O Preço Justo de R$ 17,00/ação traz um potencial de alta de 11,7%.


Multiplan (MULT3)
Companhia e a BRMalls elevam investimento na Delivery Center para acelerar expansão

A Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. anunciou que, em conjunto com a BR MALLS Participações S.A., realizou um investimento conjunto de R$ 69,0 milhões, na Delivery Center Holding S.A. (“Delivery Center”), empresa pioneira na integração do varejo online ao físico, responsável pela gestão de centrais logísticas instaladas em shopping centers e centros comerciais.

A Multiplan e a BRMalls integram o grupo de sócios da Delivery Center desde 2019 e 2018, respectivamente, tendo neste período apoiado o trabalho realizado pela empresa, cujo serviço promove a conexão de shoppings com o e-commerce e adiciona uma nova camada de interação dos ativos com marketplaces, lojistas e clientes. O time de sócios da Delivery Center inclui ainda a Cyrela Commercial Properties (CCP), o grupo Trigo, a Bloomin’ Brands, entre outros.

Esse montante será aportado ao longo do ano de 2020 e possibilitará que a Delivery Center aprimore a tecnologia de integração de estoques e de conexões a marketplaces, acelere a expansão de suas unidades para novas cidades e consolide sua presença nos centros urbanos já atendidos. Atualmente a Delivery Center conta com 24 centrais de entregas distribuídas por São Paulo (11), Rio de Janeiro (10) e Porto Alegre (3).

A ação MULT3 fechou ontem (27/janeiro) cotada a R$ 34,08/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 20,3 bilhões, e com alta de 3,4% este ano e de 38,0% em doze meses.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

>>>Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.