Pressão nos mercados de fora

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou a sexta-feira em queda de 0,96% aos 118.376 pontos e giro financeiro de R$ 19,6 bilhões. Com noticiário fraco do lado doméstico, a B3 foi influenciada pela pressão nos mercados lá de fora. Pesaram no dia, Petrobras, Vale, siderúrgicas e bancos. A semana abre com agenda fraca trazendo apenas o Boletim Focus, o IPC-Fipe semanal com alta de 0,32% e mais tarde o dado de investimento estrangeiro direto em dez/19. Nos EUA, apenas dados do setor da construção e atividade manufatura Fed Dallas. As bolsas internacionais abrem a semana do lado negativo, no fechamento da Ásia, andamento na zona do euro e futuros de NY, reflexo de presença do coronavirus em outras regiões do mundo. Em Nova York, os três índices caíram, com a a confirmação nos EUA de novo caso de infecção, segundo no país. As preocupações aumentam a cada dia, colocando vários países em alerta e com barreiras de entrada a pessoas que passaram pela região chinesa, contaminada pelo vírus. Do lado doméstico, o mercado pode ser influenciado pela tensão externa.

Câmbio
A moeda americana fechou a semana cotada a R$ 4,1821 com alta de 0,49% na semana e de 0,29% no dia. Os temores de disseminação do coronavírus, influenciou o dólar na sexta-feira.

Juros
O mau humor dos mercados não atingiu os juros futuros que encerraram o dia em leve queda. A taxa do contrato do Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 caiu de 4,365% na quinta-feira para 4,350% e na ponta mais longa (jan/27) a taxa passou de 6,710% para 6,680%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Copasa (CSMG3)
Moody’s eleva nota de crédito global para Ba2 e em escala nacional para Aa3.br.

A Moody’s América Latina elevou em 24 de janeiro de 2020, os ratings corporativo e de dívida sênior sem garantia atribuídos à Copasa para Ba2 de Ba3 na escala global, e para Aa3.br de A1.br na escala nacional brasileira. A perspectiva dos ratings foi alterada de positiva para estável. Ao mesmo tempo, a Moody’s elevou a avaliação de perfil de risco de crédito individual para ba2 de ba3.
De acordo com o Relatório da Moody’s, a elevação do rating foi impulsionada (i) pelo sólido desempenho operacional que levou à manutenção de métricas de crédito fortes e um perfil de liquidez sólido; e uma (ii) estrutura de governança corporativa mais robusta, com a criação de um comitê de auditoria; aliado (iii) a política de dividendos definida com base na alavancagem da companhia. Destaque também para o baixo risco de demanda, previsibilidade de fluxo de caixa e a alavancagem moderada, com uma relação Dívida Líquida sobre EBITDA reportada de 1,8x em setembro de 2019.


Energisa (ENGI11)
Consumo de energia no mercado cativo e livre cresceu 6,6% em dez/19 em relação a dez/18, com alta de 4,1% no 4T19 e 4,2% em 2019.

O volume consumido de energia no mercado consolidado cativo e livre foi de 3.111,9 GWh em dez/19 com crescimento de 6,6% em relação a dez/18. De acordo com o comunicado da companhia, “considerando o fornecimento não faturado, o volume registrado foi de 3.113,6 GWh, e alta de 3,2% na mesma base de comparação.
O consumo no 4T19 (mercado cativo, livre e não faturado) nas áreas de concessão das distribuidoras do Grupo Energisa, atingiu 9.487,5 GWh, com aumento de 3,3% em relação ao 4T18. No acumulado de 2019 o consumo total de energia registrou alta de 4,2% com crescimento em praticamente todas as classes de consumo, em especial a residencial e comercial.


Boletim Focus
Nesta semana, para 2020, destaque para a redução da inflação e da Selic para 2020, e alta do câmbio. Para 2021, estabilidade para os principais indicadores

Dentre as alterações contidas no Boletim Focus desta segunda-feira (27/janeiro), destaque para a redução do IPCA (a 4ª consecutiva); alta do câmbio (2ª consecutiva) e redução das expectativas para a Selic, todas em 2020. Olhando 2021 ressalte-se a manutenção dos principais indicadores.
Inflação. Conforme divulgado na semana passada, o IPCA-15 de janeiro de 2020 registrou alta de 0,71% (em linha com o esperado) e se compara a 1,05% em dezembro, acumulando 4,34% nos últimos doze meses. Olhando o Boletim Focus desta semana, a mediana das expectativas aponta para um IPCA de 2020 em 3,47%, com queda em relação a 3,56% da leitura anterior. Nas atualizações dos últimos 5 dias úteis, o IPCA caiu de 3,50% para 3,45%. Para 2021 a mediana das estimativas para o IPCA foram mantidas em 3,75%.
Meta Selic. Para 2020 a mediana das expectativas foi reduzida de 4,50% para 4,25% nesta semana. Ressalte-se que a Selic para fevereiro de 2020 aponta para 4,25% pela décima segunda semana consecutiva. Ou seja, o mercado trabalha com uma redução de 0,25% na reunião de 4 e 5 de fevereiro. Para 2021 a Meta Selic foi mantida em 6,25%.
PIB. Para o PIB, a mediana das estimativas foi mantida em 2,31% em 2020 e mantida em 2,50% para 2021.
Dólar. A taxa de câmbio foi elevada R$ 4,05 para R$ 4,10 em 2020 e mantida em R$ 4,00 para 2021.


OI (OIBR3 e OIBR4)
Alienação de participação das ações de emissão da holding portuguesa PT Ventures SGPS por US$ 1 bilhão

O valor total da transação é de US$ 1 bilhão dos quais:

  • US$ 699,1 milhões pagos à Africatel pela Sonangol na data (24/01),
  • US$ 60,9 milhões já pagos à Africatel antes da transferência das ações da PT Ventures; e
  • US$ 240 milhões, integralmente garantidos por carta de fiança emitida por banco de primeira linha, a serem pagos incondicionalmente pela Sonangol à Africatel até 31 de julho de 2020, sendo assegurado à Africatel um fluxo mínimo mensal de US$ 40 milhões, a partir de fevereiro de 2020.
  • Na sexta-feira a ação OIBR3 encerrou cotada a R$ 0,96. No ano a ação valorizou 11,6% e em 2019 houve queda de 31,2%. Em 2018 a ação caiu 53,9%. Na sexta-feira a desvalorização foi de 10,3%.

Taurus Armas (TASA4)
Joint Venture com a Jindal Group (India)

A Jindal Group, maior fabricante de aço da Índia e uma das dez maiores do mundo, terá 51% do capital da joint venture e a Taurus, 49% do capital. A joint venture criada irá implantar uma fábrica de armas na Índia, onde serão produzidos fuzis, pistolas e revólveres, para os mercados civis, de segurança pública e militar.
Na sexta-feira a ação TASA4 encerrou cotada a R$ 6,03 com alta de 0,7% noano. Em 2019 a ação subiu 47,9%. O valor de merca da Taurus é de R$ 497,7 milhões.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

>>>Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.