Bolsas internacionais assustadas com a doença contagiosa na China

MERCADO


Bolsa
Ontem o Ibovespa pesou, acompanhando as bolsas internacionais assustadas com a doença contagiosa causada por um novo tipo de coronavírus, identificado inicialmente na região central da China e com um caso confirmado até o momento nos EUA. As atenções seguem na China que busca conter o avanço do vírus que assustou os mercados ontem, pela sua facilidade de contaminação. Na B3, destaque negativo para as ações de Vale, Petrobras e bancos. A baixa foi de 1,53% com o índice marcando 117.026 pontos. O giro financeiro foi de R$ 22,2 bilhões. Hoje a agenda econômica traz indicadores dos EUA, sem peso para nosso mercado. As bolsas subiram na Ásia e mostram movimento misto na zona do euro.

Câmbio
As preocupações de ontem nos mercados de bolsa puxaram a moeda americana para cima, com fechamento aos R$ 4,2137 ante R$ 4,1872 no dia anterior (+0,63%). Este movimento pode ser de curto prazo, dependendo da extensão do problema do vírus chinês.

Juros
Os juros futuros tiveram dia de queda, em meio à pressão sobre as bolsas e câmbio. A divulgação de uma prévia de IGP-M abaixo das expectativas ajudou o mercado de juros, com a taxa do DI para jan/21 caindo de 4,420% no ajuste da segunda-feira para 4,390%. Para jan/27, a taxa cedeu de 6,770% para 6,730%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Petrobras (PETR4)
Duas notícias importantes

A empresa enviou dois comunicados ontem, acerca da venda de suas ações pelo BNDES e decisão desfavorável do CARF, ambos negativos.

  • No primeiro comunicado, a empresa informou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) protocolou na CVM o pedido de registro da oferta pública secundária de suas ações ordinárias.  Serão vendidas até 734.202.699 PETR3, equivalentes a 9.87% do total destas ações;
  • Uma venda tão expressiva de ações comprometerá a valorização de PETR3 no curto prazo.  Porém, após a operação, haverá o benefício do aumento da liquidez deste tipo de ação;
  • A Petrobras informou no segundo comunicado que a Câmara Superior do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), proferiu ontem decisão desfavorável à empresa.  O processo em julgamento era sobre a cobrança de PIS/COFINS-Importação nas remessas ao exterior para pagamento de contratos de afretamento, nos anos de 2011 e 2012, com valor próximo de R$ 9 bilhões;
  • Esta é uma notícia negativa, mas ainda sem impacto nos resultados.  Vale lembrar que no balanço do 3T19 a Petrobras informou que tinha processos judiciais não provisionados no valor de R$ 219,6 bilhões.

Eztec (EZTC3)
VGV lançado soma R$ 934 milhões no 4T19 e R$ 1,9 bilhão no ano, na ponta alta do guidance

O desempenho de lançamentos e vendas da Eztec mostra um momento mais positivo para o setor e uma expectativa de retomada mais firme do mercado imobiliário para 2020. A empresa deverá se beneficiar deste cenário positivo pela qualidade de seus empreendimentos e eficiência operacional e financeira.

A Ezrtec divulgou um guidance de lançamentos – revisado para cima – entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2,0 bilhões para 2019. O número do ano (R$ 1,898 bilhão) ficou perto de R$ 2,0 bilhões.

Ontem a ação EZTC3 encerrou cotada a R$ 59,70 com valorização de 15,0% neste ano e 152,8% no ano passado. O valor de mercado da empresa é de R$ 13,6 bilhões.


Tenda (TEND3)
Lançamentos do 4T19 somam R$ 835,8 milhões, (+57,5% s/ o 4T18). No ano, a empresa lançou R$ 2,58 bilhões, crescimento de 34,6% sobre 2018

O Conselho de Administração da M Dias Branco aprovou ontem (20/janeiro), Programa de Recompra de Ações de emissão da própria companhia. Poderão ser adquiridas até 8.472.614 ações ordinárias, representativas de 10% do total de Ações em Circulação no mercado em 13/01/2020;

O Prazo máximo da recompra será de 18 meses, iniciando-se em 21 de janeiro de 2020, inclusive, e encerrando-se, em 21 de julho de 2021, inclusive. A instituição financeira intermediária será o BTG Pactual CTVM S.A.

As ações adquiridas serão mantidas em tesouraria e posteriormente canceladas ou alienadas de modo a (i) atender ao Programa de Incentivo de Longo Prazo com Ações Restritas aprovado em AGE e, (ii) maximizar a geração de valor para os acionistas.


IRB-Brasil Re (IRBR3)
Conclusão da venda de 20% do Praia de Belas Shopping Center e de 15% do Shopping Center Esplanada

O IRB Investimentos e Participações Imobiliárias S.A., sociedade controlada pelo IRB-Brasil Re (IRBR3), realizou em 21 de janeiro de 2020, a alienação da totalidade das suas participações de aproximadamente 20% no Praia de Belas Shopping Center, em Porto Alegre/RS, e de aproximadamente 15% no Shopping Center Esplanada, em Sorocaba/SP, para a Iguatemi Empresa de Shopping Centers S.A. (IGTA3)

O montante da venda somou R$ 260,1 milhões, dos quais 50% foram pagos até ontem (21/jan.) e os 50% restantes serão pagos em 180 dias, corrigidos a 120% do CDI. De acordo co o IRB-Brasil Re “a transação representou um ganho de capital antes dos impostos de R$ 84,2 milhões sobre o total do valor patrimonial dos referidos ativos imobiliários”.


EDP Energias do Brasil S.A. (ENBR3)
O volume de energia distribuída cresceu 1,7% no 4T19 e 2,3% em 2019 

A EDP divulgou ontem (21/janeiro) suas informações referentes ao mercado de energia elétrica do 4T19  e do acumulado de 2019 dos segmentos de atuação da companhia.

O volume de energia distribuída apresentou aumento de 1,7% no trimestre, sendo +2,7% na EDP São Paulo e estabilidade na EDP Espírito Santo. No ano, o volume expandiu 2,3%, sendo +1,6% na EDP SP e +3,5% na EDP ES.

De acordo com a EDP este crescimento trimestral refletiu “a recuperação da atividade do comércio varejista, os efeitos positivos da estabilidade econômica advinda dos baixos níveis de inflação e da redução da taxa de juros, das condições climáticas e do maior número de dias médios faturados, que mais que compensaram a contração da produção industrial”.

Destaque em 2019 para o aumento de 2,1% no número de clientes em relação a 2018. Nesta base de comparação o  número de clientes livres aumentou 23,9% (123 clientes na EDP SP e 76 clientes na EDP ES) em função das migrações dos clientes cativos.


Banco BMG S.A. (BMGB4)
CADE aprovou a venda de 30% da BMG Seguros para a Generali

O CADE aprovou ontem (21/janeiro) a venda de 30% da BMG Seguros para a Generali. O Banco BMG, através de sua controlada BMG Participações em Negócios Ltda. celebrou em dezembro de 2019, um Contrato de Compra e Venda de Ações com a Assicurazioni Generali S.p.A., por meio do qual a BMG Participações se comprometeu a alienar à Generali 30% do capital social da BMG Seguros S.A. permanecendo titular de ações que representam 70% do capital social da BMG Seguros.

O valor atribuído a 100% das ações da BMG Seguros foi de R$ 297 milhões, sendo que o preço de venda da participação na BMG Seguros será composto por (i) um montante pré-definido no valor de R$ 54 milhões, a serem liquidados financeiramente em até 3 anos; e (ii) uma parcela contingente, ao final do 6º ano após a conclusão da operação, no montante de até R$ 35 milhões, condicionada ao atingimento de metas operacionais acordadas entre as partes.


Klabin (KLBN11)
Parceria com para constituir empresa para exploração de atividade florestal no Paraná

A Klabin celebrou ontem os acordos necessários para associação com uma Timber Investment Management Organization (“TIMO”) para a constituição de uma Sociedade de Propósito Específico (“SPE”), cujo objetivo principal será a exploração da atividade florestal no centro-sul do Estado do Paraná. A Klabin terá o direito de preferência na compra da madeira para processo produzida pela SPE.

Ontem a ação KLBN11 encerrou cotada a R$ 20,61 com alta de 12,0% neste ano e 22,0% no ano passado. O valor de mercado da companhia é de R$ 22,0 bilhões. A forte valorização neste começo de ano deixou a ação bem precificada em relação às projeções do mercado.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

>Mapa de Posições Alugadas

>>Mapa de Oscilações

>>>Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.