A melhora do mercado veio com a revisão dos dados referentes as exportações

MERCADO


Bolsa

O penúltimo pregão de novembro foi de liquidez reduzida pelo feriado nos EUA – volume financeiro de R$ 12,8 bilhões – e encerrou o dia com alta de 0,54% com o Ibovespa marcando 108.290 pontos. A melhora do mercado veio com a revisão dos dados referentes as exportações, que nas quatro primeiras semanas de novembro totalizaram US$ 13,5 bilhões. Hoje, a agenda econômica traz dados da zona do euro com a taxa de desemprego de outubro em 7,5%. No Brasil, a taxa de desemprego ficou em 11,6%, contra 11,8% na leitura anterior. Outros dados domésticos completam a agenda de hoje com o índice de preços ao produtor e resultado primário do setor público e o coeficiente de dívida/PIB, além da pesquisa Bloomberg para a economia, que sai ao meio dia. As bolsas internacionais mostram queda no fechamento da Ásia e na zona do euro, nesta manhã. Os mercados lá fora seguem atentos aos sinais de desaceleração da economia chinesa e também ao compasso de espera de investidores que enxergam as bolsas de NY bem valorizadas neste momento e aguardando algum fato novo que pode ser o acordo comercial entre as duas maiores economias. Do lado doméstico, nada de novo e o mercado já olha para o final do ano.

Câmbio

O dólar encerrou a quinta-feira cotado a R$ 4,2121 com queda de 1,12% em relação aos R$ 4,2600 do dia anterior, interrompendo uma sequência de três altas consecutivas. A queda veio após a revisão de dados pelo governo das exportações de novembro, anunciada no meio da tarde e também pela intervenção do BC neste mercado com oferta de US$ 1 bilhão, a quarta intervenção desde a terça-feira no câmbio.

Juros

Os juros futuros operaram em alta na parte da manhã, mas acomodaram na parte da tarde, acompanhando o movimento do dólar. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 passou de 4,675% para 4,665% e para jan/27 a taxa encerrou em 6,87% de 6,941% no dia anterior.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Iguatemi (IGTA3)
Confirmada a compra de participações nos shoppings Praia de Belas e Esplanada

A Iguatemi confirmou há pouco a compra de participações nos empreendimentos Praia de Belas Shopping Center, em Porto Alegre (RS), e do Shopping Center Esplanada, em Sorocaba (SP). As participações adquiridas são de 20% e 15%, respectivamente.

O Shopping Iguatemi Esplanada possui ABL total de 64.714 m2 e o Praia de Belas possui 44.779 m2. Os dois shoppings possuem participação importante no faturamento da Iguatemi, sendo, portanto, uma aquisição importante.

Ontem a ação IGTA3 encerrou cotada a R$ 46,81 com alta de 15,1% no ano.


Fleury (FLRY3)
Aquisição da Inlab – Investigação Laboratorial (Maranhão) apor R$ 90 milhões

A Fleury comunicou ao mercado que em 28 de novembro de 2019, celebrou Contrato de Compra e Venda de Quotas e Outras Avenças e adquiriu 100% das quotas de emissão do Inlab – Investigação Laboratorial Ltda. O valor de aquisição do Inlab é de R$ 90 milhões antes de deduções e ajustes. Essa aquisição marca a entrada do Grupo Fleury no Estado do Maranhão, representando mais um movimento estratégico da Companhia, no mercado nacional e reforçando a oferta na região nordeste do País.

Ontem a ação FLRY3 encerrou cotada a R$ 27,98 acumulando valorização de 48,7 % no ano.


GPA (PCAR4)
Conselho de administração aprova migração para o novo mercado com conversão de ações PN em ON

Os acionistas vão se reunir no dia 30 de dezembro para deliberar sobre o tema.
Vemos como positiva migração da ação para no Novo Mercado, já comentada ontem em nosso boletim. A ação PCAR4 encerrou o dia cotada a R$ 80,27 com alta de apenas 0,1% no ano e faz parte de nossa carteira mensal. Enxergamos oportunidade na ação, descontada neste momento, considerando os resultados acumulados nos 9M19 e as expectativas para este 4º trimestre.


Arezzo (ARZZ3)
Aprovado dividendos de R$ 0,07958932611 por ação. Ex em 04/12

Na AGE de 27/11 foi aprovado o pagamento de dividendos intercalares no montante total de R$ 7.238.575,43 equivalentes a R$ 0,07958932611 por ação ordinária de emissão da Companhia.

• Terão direito aos Dividendos as pessoas inscritas como acionistas da Companhia na data-base de 03 de dezembro de 2019, respeitadas as negociações realizadas até essa data, inclusive.
• As ações da Companhia serão negociadas ex-dividendos a partir de 04 de dezembro de 2019, inclusive.
• O pagamento dos Dividendos será realizado em moeda corrente nacional, em uma única parcela, em 08 de janeiro de 2020.
• Não haverá atualização monetária ou incidência de juros entre a data da declaração dos dividendos e a data do efetivo pagamento.


Telefônica Brasil (VIVT4)
Celebrada a venda de 1.909 torres por R$ 641 milhões para sua controlada Telxius Torres

• A Telefônica Brasil fechou contrato para vender 1.909 torres para sua controlada Telxius Torres, por um total de R$ 641 milhões. Segundo a Telefônica, a operação assegura a continuidade da prestação de serviços móveis, já que inclui a locação de espaço nas estruturas, e estabelece condições para ampliação deste espaço.

• Ontem a ação VIVT4 encerrou cotada a R$ 56,10 com alta de 28,9% no ano.


Notre Dame Intermédica (GNDI3)
Aprovada pelo Cade a compra do Grupo Ghefond, sem restrições

A Notre Dame Intermédica informa que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição do grupo Ghelfon, pela sua subsidiária integral Notre Dame Intermédica Saúde. A aquisição foi anunciada em julho, por R$ 240 milhões. O Grupo Ghelfond tem 11 unidades próprias, todas localizadas na capital paulista e na Grande São Paulo.

A Notre Dame vem num processo de crescimento desde a sua abertura de capital. A ação GNDI3 encerrou ontem cotada a R$ 57,26 com alta de 97,8% no ano.


Petrobras (PETR4)
Plano Estratégico e venda de ativo

Ontem, a empresa fez dois comunicados importantes, o primeiro sobre a aprovação do Plano Estratégico 2020-2024 e o segundo com respeito à assinatura do contrato para a venda de 30% da concessão do campo de Frade.
• A divulgação do Plano Estratégico 2020-2024 nos pareceu muito positiva, principalmente porque o foco é a elevação da rentabilidade e o aumento da remuneração aos acionistas;
• O segundo comunicado foi feito após o pregão, informando acerca da assinatura do contrato para a venda de 30% da concessão do campo de Frade, por US$ 100 milhões para a PetroRio Jaguar Petróleo Ltda;
• O prosseguimento do Plano de Desinvestimentos da Petrobras é sempre uma boa notícia, por permite a redução do endividamento da empresa.


Usiminas (USIM5)
Adiamento da reforma do Alto Forno 3

O Conselho de Administração da empresa aprovou ontem o adiamento por doze meses da reforma do Alto Forno 3. A obra estava prevista para 2021 e será realizada agora em 2022.
• Os investimentos estimados para a reforma do forno eram de R$ 1,2 bilhão. Havia ainda a estimativa de elevar a capacidade deste equipamento, após a reforma, de 2,3 milhões de toneladas de gusa ao ano para 2,9 milhões. A última reforma realizada neste forno foi em 1999;
• Se a postergação na reforma não levar à redução na produção ou aumentos dos custos, esta é uma boa notícia.


Banco do Brasil (BBAS3)
Reunião Anual

O Banco do Brasil realizou ontem (38/novembro) sua Reunião Anual com analistas e Investidores. Destaque para sua estratégia corporativa que permanece sendo realizada em 6 (seis) pilares: (10 Foco na experiência do cliente; (2) Concentração no core business e nos negócios com sinergia; (3) Otimização de capital; (4) Rigoroso Controle das despesas; (5) Mais Digital; e (6) Ampliação e Rejuvenescimento da base de clientes.
Esta estratégia conduziu ao banco a registrar um lucro líquido ajustado no 9M19 de 13,2 bilhões com ROAE de 17,5%. O Índice de Eficiência de 35,7% é o melhor de toda a história do banco. Seguimos com recomendação de COMPRA para BBAS3 e Preço Justo de R$ 62,00/ação, equivalente a um potencial de alta de 31,0% ante a cotação de R$ 47,34/ação.
Reforma Estatutária da CASSI é aprovada. O Banco do Brasil informa que a proposta de reforma estatutária da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi), submetida aos seus associados, foi aprovada no processo de votação, realizado entre 18 e 28 de novembro. A proposta aprovada é a terceira colocada em votação pelo banco para equalizar o déficit do plano – que atende a funcionários da ativa e aposentados, além de suas famílias. O banco estima um gasto proporcional de R$ 600 milhões com impacto nas despesas administrativas do 4T19.
BB aprova distribuir R$ 502,3 milhões (0,17617400289/ação) na forma de Juros sobre o Capital Próprio (JCP) relativo ao 4T19. Os juros serão pagos em 30/dezembro e terão como base a posição acionária de 11/dezembro, sendo as transferências de ações efetuadas “ex” JCP a partir de 12/dezembro. O retorno líquido estimado é de 0,3%.
Impacto de medida sobre cheque especial. Ainda não existem cálculos exatos, mas o banco estima um impacto reduzido e embora exista a possibilidade de compensação do limite de juros com tarifas, “não quer dizer que o banco irá fazê-lo”. Num ambiente de grande competição o resultado de 2020 (estimado um crescimento de lucro de 10% ante 2019), será capitaneado por recuperação de crédito e queda de inadimplência. O banco permanecerá mais ativo no Varejo com redução do crédito no atacado, através de um mix mais rentável que favoreça o crescimento da Margem Financeira.


Itaú Unibanco (ITUB4)
Ex JCP em 13/dezembro

O Conselho de Administração do Itaú Unibanco, reunido em 28.11.2019, aprovou a declaração de juros sobre o capital próprio (JCP) no valor de R$ 0,037560 por ação, que serão pagos até 30.4.2020, com base na posição acionária final do dia 12.12.2019. As ações ficam ex juros a partir do dia 13.12.2019. Com base na cotação de R$ 34,70/ação o retorno líquido é de 0,09%. Seguimos com recomendação de compra e preço justo de R$ 43,00/ação, com potencial de alta de 23,9%.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.