Expectativa de formalização de um acordo entre EUA e China

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa voltou a subir forte ontem (1,13%), batendo a marca histórica de 109.581 pontos com giro financeiro total de R$ 20,3 bilhões. A expectativa de formalização de um acordo entre EUA e China numa disputa que se arrasta por muitos meses animou os mercados, mas ainda existe resistência do lado americano. Destaque ontem para mais um leilão de áreas da sessão onerosa, que levou as ações da Petrobras para cima. As ordinárias subiram 3,21% e as preferenciais 4,01%. Hoje a agenda econômica vem carregada de dados da China com a balança comercial de outubro em US$ 43,8 bilhões, acima das expectativas com queda de 6,4% nas importações no A/A e as exportações caíram menos que o esperado de uma previsão de 3,9%, ficaram em -0,9%. Nos EUA, sai no meio do dia a pesquisa econômica Bloomberg e outros dados de atividade econômica. As bolsas internacionais operam em queda na zona do euro, nesta manhã, mesmo com o otimismo para um acordo comercial entre EUA e China.

Câmbio

O dólar voltou a subir ontem, de R$ 4,0745 para R$ 4,1014 (+0,66%), dando como justificativa o resultado dos leilões do excedente da cessão onerosa realizados anteontem em ontem. Das quatro áreas ofertadas, apenas duas foram arrematadas, ambas pela Petrobras, que teve em um dos campos a participação de duas empresas chinesas.

Juros

Os juros seguem operando numa faixa estreita, mas com viés de alta nos últimos dias. Ontem a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 fechou na máxima de 4,55%, após 4,489% no ajuste da quarta-feira. A taxa do DI para jan/25 subiu de 6,141% para 6,22%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Paranapanema (PMAM3)
Lucro no 3T19 apenas com a contabilização de fatores não recorrentes

A empresa divulgou seus resultados do 3T19 na noite de ontem, que mostraram aumento de vendas, mas a queda dos preços do cobre levou à redução da receita e a uma margem bruta negativa, que também foi impactada por problemas operacionais. O lucro líquido do trimestre decorreu basicamente da contabilização da reversão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins.
• No 3T19, o lucro líquido da Paranapanema foi de R$ 140 milhões (R$ 0,20 por ação), maior em 36,3% que no trimestre anterior e revertendo as perdas (R$ 19 milhões) do 3T18;
• A principal razão do elevado EBITDA e lucro líquido no período foi a contabilização, como Outras Receitas Operacionais, da Exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, no valor de R$ 227 milhões.


B3 (B3SA3)
Lucro líquido recorrente de R$ 851 milhões no 3T19

  • A B3 registrou no 3T19 um lucro líquido de R$ 719,6 milhões, com alta de 54,6% em relação aos R$ 465,4 milhões do 3T18, explicado, principalmente por forte incremento de receita, nesta base de comparação, comportamento mais contido das despesas e melhora do resultado financeiro, reflexo da melhora no desempenho operacional, parcialmente compensada por um aumento de IR/CS. Em base recorrente o lucro do trimestre cresceu 38,7% em doze meses para R$ 851,0 milhões.
  • Tomando por base o resultado do 9M19 o lucro líquido cresceu 31,5% totalizando R$ 1,98 bilhão, com alta de 23,6% em base recorrente para R$ 2,37 bilhões.
  • O EBITDA recorrente somou R$ 1,11 bilhão no trimestre e R$ 3,08 bilhões no 9M19, com crescimento de 42,3% e 22,6%, respectivamente.
  • O foco permanece na “aceleração do desenvolvimento do mercado, por meio de melhorias em produtos, serviços e sistemas, aprimorando a política de preços e incentivos”.
  • Ontem (7/novembro) suas ações fecharam cotadas a R$ 49,40/ação, correspondente a um valor de mercado de R$ 101,7 bilhões e alta de 88,1% este ano, acima da valorização de 24,7% do Ibovespa. Nesse patamar os múltiplos para 20.

Cyrela (CYRE3)
Lucro líquido de R$ 104 milhões no 3T19, acumulando R$ 266,6 milhões em 9 meses

  • A companhia reverteu o prejuízo de R$ 121 milhões registrado no 3T18, encerrando o 3T19 de lucro líquido de R$ 104 milhões. Em 9 meses o resultado passou de uma perda de R$ 200,5 milhões para um lucro de R$ 266,6 milhões. O desempenho operacional (lançamentos, vendas e entregas foi também bastante positivo).
  • Ontem a ação CYRE3 encerrou cotada a R$ 27,91 acumulando valorização de 86,5% no ano.
  • 19 são: P/L de 32,2x e VE/EBITDA de 23,4x.

Sanepar (SAPR11)
Reajuste Tarifário Anual de 2019

  • Com referência ao “Reajuste Tarifário Anual de 2019”, a companhia comunica que a partir do dia 11 de novembro de 2019 estará aplicando o diferencial de reajuste nas tarifas, de 3,76%, restabelecendo assim o percentual de reajuste fixado pela AGEPAR.
  • Em relação ao período em que a Sanepar permaneceu sem aplicar o reajuste integral, o valor da diferença atualizado será faturado em 6 meses, nas contas a serem emitidas a partir de 19 de novembro de 2019.

Sul América S.A. (SULA1)
3T19 abaixo do esperado

  • A companhia registrou no 3T19 um lucro líquido de R$ 245 milhões, com crescimento de 4% em relação a igual trimestre do ano anterior e queda de 6% em base trimestral. O retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE) elevou-se de 16,0% no 3T18 para 17,2% no 3T19 (abaixo de 17,60% do 1T19).
  • Um resultado abaixo do esperado, e que refletiu o crescimento de 11% das receitas consolidadas para R$ 5,9 bilhões; queda de 7% na Margem Bruta Operacional para R$ 643 milhões; e a queda de 5% no resultado financeiro que somou R$ 147 milhões.
  • O índice de despesas administrativas do 3T19 mostrou desempenho positivo, com redução de 1,0pp em relação ao 3T18 para 7,6% demonstrando o foco da companhia em eficiência operacional e no rígido controle de custos e despesas, combinado a despesas em projetos, tecnologia e inovação;
  • A margem líquida caiu de 4,4% no 3T18 para 4,2% no 3T19. A sinistralidade consolidada foi de 76,1% no trimestre e de 76,2% no 9M19.
  • No 9M19 o lucro cresceu 42% para R$ 729 milhões, com Receitas Totais de R$ 16,6 bilhões (+9%) e margem bruta operacional de R$ 1,8 bilhão (+9%).

Tenda (TEND3)
 Lucro líquido soma R$ 64,6 milhões no 3T19 e cresce 23,0% nos 9 meses totalizando R$ 187,4 milhões

No 3T19, a Tenda lançou 18 empreendimentos, totalizando R$ 761,4 milhões em VGV, aumento de 32,0% e 28,6% em relação ao VGV lançado no 3T18 e no 2T19, respectivamente. O 3T19 marcou o primeiro lançamento da Tenda na região metropolitana (RM) de Fortaleza, 9ª praça de atuação da Companhia. O VGV lançado nos últimos doze meses atingiu R$ 2,27 bilhões.

No 3T19, a Tenda registrou lucro líquido de R$ 64,6 milhões, alta de 0,3% com relação ao mesmo período de 2018 decorrente da combinação do crescimento de 8,4% a/a no lucro bruto e da redução de 4,4% a/a nas despesas operacionais. O lucro líquido caiu 11,4% com relação ao trimestre anterior.

Ontem a ação TEND3 encerrou cotada a R$ 25,78 com alta de 64% no ano.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.