A expectativa em realização à agenda provoca cautela nos investidores

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa encerrou a terça-feira com queda de 0,58% aos 107.556 pontos e giro financeiro total de R$ 15,1 bilhões. A realização de lucros nas ações do setor financeiro foi o destaque para a baixa, mas não foi o único setor a perder valor ontem. A expectativa em realização à agenda carregada desta quarta-feira provocou cautela nos investidores. Hoje serão definidas a taxas básicas de juros nos EUA e no Brasil. Além disso, já saíram na zona do euro, os indicadores de confiança na economia, na indústria e serviços para o mês de outubro, todos abaixo da expectativa média do mercado. No Brasil, saiu a inflação de outubro medida pelo IGP-M com alta de 0,68% no M/M e de 3,15% no A/A. Para completar a agenda, ainda nesta manhã sai nos EUA o PIB do 3º trimestre, além e indicadores de consumo. As principais bolsas internacionais mostram queda, diante da expectativa em relação aos juros americanos. Na B3 não deverá ser muito diferente, contando ainda com o impacto de resultados corporativos divulgados ontem.

Câmbio

O dólar permaneceu abaixo da faixa de R$ 4,00 pelo segundo dia consecutivo, mas sem mostrar ainda sustentação nesta faixa de preço. No fechamento a cotação ficou em R$ 3,9994 contra R$ 3,9923 no dia anterior. A percepção no dia ontem foi que o mercado mostra aumento das incertezas no curto prazo.

Juros

Os juros futuros fecharam perto da estabilidade ontem com o mercado mantendo o consenso dos últimos dias em relação à nova taxa Selic a ser anunciada hoje no começo da noite. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 fechou em 4,757%, de 4,761% no fechamento da segunda-feira a para jan/25 a taxa fechou na máxima de 6,44%, de 6,401%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Magazine Luiza (MGLU3)

Lucro líquido do 3T19 soma R$ 136,2 milhões, aumento de 12,7% sobre o 3T18. Em 9 meses o resultado ficou em R$ 366,8 milhões (-9,1%)

O Magazine Luiza segue mostrando resultados consistentes e cumprindo a proposta passada ao mercado de forte crescimento no e-commerce, no marketplace e ganho de participação no mercado.

O lucro líquido do 3T19, reflete a evolução do EBITDA, a diluição das despesas financeiras e o benefício dos juros sobre capital próprio, somando R$ 136,3 milhões, aumento de 12,7%, com margem de 2,8%. Nos 9M19, o lucro líquido ajustado totalizou R$ 366,8 milhões com margem líquida de 2,7%.

Ontem a ação MGLU3 encerrou cotada a R$ 41,15 acumulando valorização de 83,2% neste ano, após alta de 511,0% em 2017 e 126,4% em 2018. O valor de mercado da companhia é de R$ 62,7 bilhões.


 

Santander Brasil (SANB11)

Resultado no 3T19 em linha com o esperado

O Banco Santander (Brasil) registrou no 3T19 um lucro líquido, em base gerencial, de R$ 3,7 bilhões (ROAE de 21,1%), com crescimento de 1,9% ante os R$ 3,6 bilhões do 2T19 (ROAE de 21,3%). Um resultado em linha com o esperado impactado pela estabilidade da Margem Financeira Líquida, crescimento de 1,0% das receitas de serviços, estabilidade das despesas com PDD e crescimento de 1,1% das Despesas Gerais (pessoal e outras administrativas).
Destaque para a rentabilidade acima de 21% em linha com a expectativa sinalizada pelo banco, reflexo do crescimento da base de clientes ativos, desempenho positivo da carteira de crédito, resiliência do modelo de riscos do banco e dos custos controlados.
Em base acumulada dos nove primeiros meses de 2019 em relação a igual período de 2018, o lucro líquido gerencial cresceu 20,4% para R$ 10,8 bilhões, com incremento de 1,8pp no retorno para 21,2%. Nesta base de comparação, destaque para a evolução das despesas com PDD em linha com o crescimento da Margem Financeira Líquida; e para o forte crescimento das receitas de serviços, que mais que compensaram a alta das despesas gerais, puxadas pelo incremento das outras despesasa admninistrativas. Já as Despesas com Pessoal seguem controladas e abaixo da inflação.
O modelo de negócio do banco permanece centrado no cliente, com foco na manutenção de rentabilidade suportada pelo crescimento da carteira de crédito e ganho de participação de mercado; crescimento da base de clientes, com maior vinculação e volume de transações; e adequado modelo de risco, com aumento de produtividade e eficiência. Seguimos com recomendação de COMPRA para SANB11 e preço justo de R$ 52,00/Unit.


Cielo (CIEL3)

Resultado do 3T19 pressionado por aumento de custos e ambiente competitivo

A Cielo registrou no 3T19 um lucro líquido de R$ 358,1 milhões, com queda de 17% em relação ao trimestre anterior e redução de 52% ante o lucro do 3T18 (R$ 740,8 milhões), reflexo da queda de 5,5% da receita operacional (em 12m) aliado a maior evolução dos gastos totais (+15,0%) e da redução de 17,2% do resultado líquido de aquisição de recebíveis.
O ambiente competitivo permanece e tem levado a uma maior pressão nos preços e nos custos diretamente ligados ao volume transacionado. O Yield de Receita Líquida caiu de 1,01% no 3T18 para 0,82% no 2T19 e para 0,75% no 3T19. Esta queda “foi refletiu o ajuste de preço dado a atual conjuntura do mercado e redução da receita de aluguel devido à concessão de descontos para clientes cadastrados nessa modalidade”. De acordo com a empresa “o yield foi parcialmente compensado pelo maior volume de pagamento em dois dias e pela maior participação de empreendedores na base de clientes”.
O volume financeiro do 3T19 capturado pela Cielo Brasil aumentou 11,6% em relação ao 3T18 totalizando R$ 171,7 bilhões; e 4,4% frente ao 2T19, sendo o terceiro trimestre consecutivo de expansão de volume. Destaque para o maior crescimento em crédito (+16,4%) do que débito (+4,8%) em base de doze meses. A quantidade de transações cresceu 5,6% em doze meses e 2,4% em base trimestral.
A base ativa ultrapassou a marca de 1,5 milhão de clientes, um aumento de 18,9% em doze meses e de 4,7% em relação ao 2T19, refletindo a adição de clientes no segmento de empreendedores, o reposicionamento comercial no segmento do Varejo e os esforços de melhoria da experiência do cliente.
A Cielo anunciou em 19 de setembro a distribuição de JCP relativos ao 3T19 equivalentes a R$78,1 milhões (R$ 0,02879/ação) e as ações negociam “ex-JCP” a partir de 25/set/19. Ontem (29/out) a companhia divulgou JCP complementar equivalente a R$ 42,0 milhões (R$ 0,01548/ação e yield de 0,2%), totalizando R$ 120,1 milhões que serão pagos em 18 de novembro de 2019.


Copel Energia (CPLE6)

Novo PDI com economia potencial estimada de R$ 142,1 milhões 

A Copel Energia lançou ontem (29/out) um novo Programa de Demissão Incentivada (PDI), estimado em R$ 85 milhões de indenizações. O Programa estará aberto a adesões no período de 1º a 15 de novembro de 2019 e será destinado aos empregados que atendam aos requisitos de no mínimo 55 anos de idade e 25 anos de Copel.
Atualmente, 492 empregados se enquadram nos requisitos, os quais representam uma potencial redução de R$ 142,1 milhões em custos anuais a partir de 2020. De acordo com a Copel, “o programa está alinhado ao compromisso assumido pela companhia com a redução dos custos gerenciáveis e o aprimoramento da eficiência operacional”.


Ecorodovias (ECOR3)
Prejuízo elevado com perdas não recorrentes no 3T19

A Ecorodovias divulgou seus resultados do 3T19 ontem após o pregão, apresentando aumento no tráfego com novas concessões e expressivo incremento na receita e EBITDA. Porém, despesas não recorrentes com Acordos de Leniência levaram ao resultado negativo no trimestre.
• O prejuízo líquido no 3T19 foi de R$ 409 milhões (R$ 0,73 por ação), contra um resultado positivo no 3T18 (R$ 92 milhões). Desconsiderando o item não recorrente, o lucro do 3T19 seria de R$ 58 milhões, 36,5% menor que no mesmo período do ano passado;
• No 3T19, o tráfego total nas nove concessões rodoviárias administradas pela Ecorodovias cresceu 27,3%, sempre comparando ao mesmo trimestre do ano passado. Este forte aumento ocorreu com a adição de duas novas concessões (Eco135 e Eco050). Sem isso, o tráfego total teve uma diminuição de 0,5%.


Gerdau (GGBR4)

Um resultado muito ruim no 3T19

No 3T19, o resultado da empresa mostrou grandes quedas nas vendas, na receita, margens e no lucro. O resultado também foi prejudicado pelos custos da reforma do Alto Forno nº 1 de Ouro Branco (R$ 238 milhões).
• O lucro líquido da Gerdau no 3T19 foi de R$ 298 milhões (R$ 0,17 por ação), 22,4% menor que 2T19 e 63,4% abaixo do mesmo trimestre do ano passado. Sem os itens não recorrentes, o lucro do trimestre seria de R$ 408 milhões (R$ 0,24/ação);
• O volume total de vendas caiu 17,1% no 3T19, sempre comparando ao 3T18. Isso ocorreu pelas negociações de ativos na América do Norte e também pelos mercados fracos em todas as unidades de negócios.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.