Realização de lucros faz Ibovespa fechar com queda de 0,52%

MERCADO


Bolsa

Em dia de realização de lucros o Ibovespa fechou na ponta contrária das bolsas internacionais, com queda de 0,52% aos 106.986 pontos e giro financeiro de R$ 18,8 bilhões.  Sem outros assuntos importantes no dia, o foco ficou na na votação no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a prisão em segunda instância e a expectativa em torno dos resultados corporativos no terceiro trimestre. Com a intensificação da divulgação de resultados do 3T19, a expectativa é de volatilidade no mercado, ontem a CSN já decepcionou com seus números. Hoje o mercado tem os resultados de Petrobras e Vale, além de outras empresas do índice, que podem influenciar o apetite de investidores. A agenda econômica traz o IPC-Fipe semanal com alta de 0,15% e ainda nesta manhã a taxa de inadimplência em empréstimos pessoais, empréstimos pendentes e total de empréstimos em aberto, todos em setembro. No exterior, nenhum dado importante par a hoje. As bolsas internacionais mostram movimento misto na zona do euro e os futuros de NY indicam abertura positiva, com atenção aos resultados de grandes empresas no 3T19.

Câmbio

O dólar operou em baixa no começo da sessão, mas voltou a subir ao longo do dia para fechar aos R$ 4,0420 ante R$ 4,0364 na quarta-feira. Com a proximidade do final de semana e virada de mês, os investidores ainda não sentem firmeza para assumir posição de otimismo em relação ao câmbio.

Juros

Em dia de noticiário fraco, o mercado de juros futuros segue precificando uma redução na taxa Selic na semana que vem, com maior peso para um corte de 0,50 p.p. Ontem a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 fechou em 4,460%, de 4,497% na quarta-feira e para jan/25 a taxa passou de 6,131%  par 6,15%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Vale (VALE3)
Um bom resultado no 3T19 mesmo em tempos difíceis

  • O resultado da empresa no 3T19, ainda afetado pelas perdas de volumes resultantes do acidente de Brumadinho, mostrou aumento na receita, ganhos de margem e elevação do lucro líquido.
    • A Vale obteve um lucro líquido de US$ 1.654 milhões no 3T19, 17,5% maior que no mesmo período do ano passado e revertendo o prejuízo de US$ 133 milhões do 2T19;
    • As vendas de minério de ferro cresceram 19,5% em relação ao trimestre anterior, pelo maior volume produzido, mas ficaram 11,8% abaixo do 3T18. Em pelotas, houve um salto de 25,3% nas vendas comparadas ao 2T19, devido também à maior disponibilidade do produto, com a retomada de parte da produção em unidades paradas devido aos desdobramentos do acidente de Brumadinho;
    • Com um melhor resultado dos segmentos de ferrosos e metais básico, além de menores provisões para Brumadinho, a Vale conseguiu no 3T19 uma elevação de 49,2% no EBITDA total.

Petrobras (PETR4)
Um lucro maior no 3T19

Na noite de ontem a empresa divulgou seu resultado do 3T19, que comparado ao mesmo período do ano passado, mostrou redução de vendas e receita, mas ganhos nas margens operacionais e aumento do lucro.
• No 3T19, a Petrobras obteve um lucro líquido de R$ 9.087 milhões (R$ 0,70 por ação), 36,8% maior que 3T18. Comparado ao lucro recorrente do trimestre passado (sem ganhos da TAG), o resultado no 3T19 mostrou um ganho do 11,5%;
• As vendas no mercado interno caíram em todos os produtos, comparadas ao ano passado. Os destaques foram as reduções de 8,7% no volume vendido de diesel, nafta (29,4%) e óleo combustível (34,5%);
• Os custos de extração (lifting cost) com participações governamentais em dólares no 3T19 caíram 24,5%, em relação ao 3T18. No pré-sal, o lifting cost sem participações governamentais foi de US$ 5 por barril, valor 17,0% menor que no trimestre anterior, em função do maior volume produzido.


Usiminas (USIM5)
Resultado muito ruim no 3T19

Os resultados da empresa no 3T19, divulgados nesta manhã, apresentaram números fracos, com quedas nas vendas de aço, fortes aumentos nos custos de produção e financeiros, que levaram ao prejuízo.
• A Usiminas sofreu um prejuízo de R$ 184 milhões (R$ 0,15 por ação) no 3T19, contra resultados positivos de R$ 131 milhões no trimestre anterior e R$ 264 milhões no 3T18;
• No 3T19, as vendas totais de aço, sempre comparando ao mesmo trimestre de 2018, caíram 6,7%, com reduções de 4,7% no mercado interno e 23,5% nas exportações;
• O elevado volume de custos financeiros no 3T19, praticamente determinou o prejuízo líquido do período. As despesas financeiras líquidas no 3T19 foram de R$ 445 milhões.


Ambev (ABEV3)
Resultado fraco no 3T19

A empresa divulgou hoje seu resultado do 3T19, que comparado ao 3T18 mostrou pequeno aumento nas vendas e ganhos nos preços, mas redução nas margens operacionais com os aumentos nos custos de produção e nas despesas.
• O lucro líquido ajustado da Ambev no 3T19 foi de R$ 2,4 bilhões (R$ 0,14 por ação), 15,8% menor que no 3T18 e 10,0% abaixo do trimestre anterior;
• O volume total vendido pela Ambev, sempre comparando ao 3T18, cresceu 0,8% no 3T19, principalmente por conta dos aumentos na América Latina e Caribe e América Latina Sul, onde o destaque foi a Argentina. No Brasil, houve redução de 0,4% no volume total, com queda de 2,8% em cerveja e aumento de 6,5% nas outras bebidas.


Fleury (FLRY3)
Lucro líquido de R$ 94,8 milhões no 3T19 e R$ 281,9 milhões em 9 meses, crescimento acumulado de 3,1%

O resultado líquido do 3T19 veio dentro de nossa expectativa, somando R$ 94,8 milhões, aumento de 4,9%. O resultado reflete o impacto no Resultado Financeiro em decorrência do menor saldo de caixa ao final do período, face o desembolso com a aquisição da marca Lafe. A companhia segue com um programa de investimentos e maturando aquisições realizadas nos últimos períodos.
Ontem a ação FLRY3 encerrou cotada a R$ 24,51 acumulando valorização de 30,2% no ano. Emitimos relatório com preço justo de R$ 25,00 no final de abril com a cotação a R$ 21,66, com potencial de 15,4% e recomendação de COMPRA. Estaremos revisando nossos números com base neste último resultado.


Porto Seguro (PSSA3)
Conselho aprova JCP de R$ 0,637/ação. “Ex” em 30/10

O conselho de administração da Porto Seguro aprovou o pagamento de Juros sobre Capital Próprio (JCP) no montante de R$ 205,7 milhões, equivalente a R$ 0,637 por ação. O valor será pago com base na posição acionária do dia 29 de outubro, e a partir do dia 30 de outubro os papéis passam a ser negociados ex-juros.
A data de pagamento será definida na Assembleia Geral Ordinária (AGO) a se realizar até 30 de abril de 2020. O retorno líquido é de 0,95%. Seguimos com recomendação de COMPRA e preço justo de R$ 70,00/ação, que traz um potencial de alta de 23,2% ante a cotação de R$ 56,80/ação.


Banco BMG (BMGB4, BMGB11)
Preço da ação em IPO fica em R$ 11,60

Ainda não temos os dados definitivos da oferta, mas, de acordo com o mercado, a ação do Banco BMG, no âmbito do IPO do banco, foi precificada a R$ 11,60/ação, no piso da faixa indicativa (entre R$ 11,60 e R$ 13,40). A demanda pela oferta, segundo consta, superou em quatro vezes o volume ofertado, criando condições para a colocação do lote adicional.

Com estas informações temos, na oferta base: Oferta Primária de 103.448.277 ações preferenciais de emissão do banco; e uma Oferta Secundária de 16.491.755 ações de titularidade do Acionista Vendedor (Flávio Pentagna Guimarães).

Ações Adicionais no montante de até 23.988.006 ações preferenciais de emissão do Banco, sendo até 17.990.997 ações preferenciais a serem emitidas pelo banco e até 5.996.999 ações preferenciais a serem alienadas pelos Acionistas Vendedores.

Consideradas em conjunto, o Oferta total soma 143.928.038 ações, equivalentes a R$ 1,67 bilhão, sendo R$ 1,4 bilhão na tranche primária e R$ 261 milhões na secundária.


Lojas Renner (LREN3)
Lucro líquido de R$ 189,3 milhões no 3T19 fica 2,9% abaixo do 3T18. Nos 9M19, o resultado cresceu 1,0%, de R$ 580,4 milhões para R$ 586,0 milhões

A companhia justificou a redução no resultado do 3T19 e na margem líquida pelo menor resultado operacional, impactado por itens não comparáveis, decorrentes do reconhecimento não recorrente de créditos fiscais no 3T18 e do aumento no provisionamento do Programa de Participação de Resultados (PPR) dos colaboradores no 3T19 em relação ao 3T18.

A Lojas Renner segue investindo na abertura de lojas e com mantendo sua capacidade de crescimento no longo prazo. Sua posição financeira é confortável. Com a expectativa de retomada da economia, enxergamos um cenário positivo para a empresa.

Ontem a ação LREN3 encerrou cotada a R$ 49,27 com valorização de 29,35 no ano.

A ação ultrapassou nosso preço projetado. Nossa recomendação foi de COMPRA para a ação e estaremos atualizando nossos números para a companhia.


Grendene (GRND3)
Crescimento de 48,4% no lucro líquido do 3T19 somando R$ 166,8 milhões.  No acumulado de 9 meses houve queda de 14,9% no resultado.

Forte recuperação no resultado líquido do 3T19 com redução nas despesas operacionais. No acumulado do ano, o resultado segue ainda penalizado pelo fraco desempenho do 1º semestre.

A Grendene mantém sólida situação financeira. O caixa líquido (em 30/09/2019 totalizou R$ 2,1 bilhões, variação positiva de 14,1% em relação aos R$ 1,8 bilhão de 31/12/2018

A ação da Grendene (GRND3) ultrapassou nosso preço justo de R$ 8,90. Ontem a ação fechou a R$ 9,67 com alta de 21,1% no ano. Temos recomendação de COMPRA, mas nosso número foi ultrapassado. Colocamos em revisão, mas seguimos com visão positiva para a empresa.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.