Vale – Relatório de Análise

A recuperação da produção de minério

A Vale divulgou na manhã de hoje seu Relatório de Produção e Vendas (RPV) do 3T19 mostrando uma forte recuperação no volume produzido de minério e pelotas, mas números fracos nos outros produtos importantes.  Com a retomada na produção de algumas unidades paralisadas após o acidente de Brumadinho, a empresa teve um crescimento de 35,4% na produção de minério, na comparação ao 2T19.  O aumento no volume produzido, permitiu uma elevação de 20,2% nas vendas de minério + pelotas.  Isso será muito positivo para o resultado do segmento de ferrosos no 3T19, que ainda será beneficiado pelo incremento de 7,6% no preço médio do minério em relação ao trimestre anterior.  Apesar de vermos os números de ferrosos positivos e dentro das nossas expectativas, eles vieram abaixo daqueles publicados pela imprensa como sendo a média do mercado, o que levou à queda da ação.  Em nosso último relatório da Vale, destacamos que os dados do RPV do 3T19 mostrariam se é possível a empresa cumprir sua meta para as vendas em 2019 (ponto médio em 319,5 milhões de toneladas).  Vemos que este número é plausível, apesar de muito desafiador.  É importante reafirmar que nossa projeção para as vendas de minério e pelotas é abaixo do guidance da empresa, mas mesmo assim vemos bastante valor na ação.  Nosso Preço Justo para VALE3 é de R$ 62,50 (potencial de alta em 28,5%) com recomendação de Compra.

O aumento na produção: O destaque no RPV da Vale no 3T19 foram os números de minério e pelotas, que estão se recuperando dos problemas derivados do acidente da barragem de rejeitos em Brumadinho.  Em minério de ferro, a produção da Vale no 3T19 deu um salto de 35,4%, principalmente com o retorno integral na produção da mina de Brucutu e da retomada parcial do Complexo de Vargem Grande.  A produção de pelotas no 3T19 também cresceu forte (22,7%), beneficiada pela retomada nas operações das plantas de Tubarão, mas ainda impactada pelas paradas nas operações de Fábrica e do Complexo de Vargem Grande;

Vendas fracas na comparação com o 3T18: Nos produtos mais importantes, a Vale sofreu quedas significativas nas vendas em relação ao mesmo trimestre do ano passado.  Na comparação com o 2T19, o grande destaque foi a retomada das vendas de minério de ferro e pelotas.  As vendas de minério de ferro cresceram 19,5% em relação ao trimestre anterior, pelo maior volume produzido, mas ficaram 11,8% abaixo do 3T18.  Em pelotas, houve um salto de 25,3% nas vendas comparadas ao trimestre anterior, devido também à maior disponibilidade do produto, com a retomada de parte da produção em unidades paradas devido aos desdobramentos do acidente de Brumadinho;

O cumprimento da meta: A Vale estimou que venderá em 2019 uma quantidade de minério de ferro + pelotas entre 307 milhões de t. e 332 milhões de t.  O ponto médio desta projeção fica em 319,5 milhões de toneladas.  Até setembro/2019, o volume vendido ficou em 223,6 milhões de t., faltando ainda 95,9 milhões de t. para alcançar o centro da meta, quantidade que é 1,0% menor que aquela alcançada no 4T18, antes do acidente em Brumadinho.  Portanto, este volume de vendas já foi feito antes, não sendo absurdo, porém, com outras condições de produção.  Insistimos que a projeção da Vale é muito desafiadora e que nossas projeções para o ano são menores (315,2 milhões de t.);

Recuperação nos próximos trimestres: A Vale estimou que vai produzir mais 30 milhões de t. de minério em 2020.  Esta produção adicional virá do retorno das operações de várias minas paradas após o acidente de Brumadinho, sendo 7 milhões de t. da retomada parcial do Complexo de Vargem Grande e o restante das operações de processamento a seco de Fábrica, Timbopeba e outras unidades.

Clique para acessar:

 

DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.

As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]