Ibovespa abre a semana pressionada

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa abriu a semana pressionada pela possibilidade de atraso na votação da reforma da Previdência e pela proximidade do encontro entre EUA x China para discussão da questão comercial entre os dois países, o que levou as bolsas de NY para baixo. O Ibovespa encerrou o dia em queda de 1,93% aos 100.573 pontos, com giro de R$ 13,5 bilhões. No mês, a queda chega a 3,98%. As principais bolsas mundiais voltam a pesar nesta terça-feira, com alta apenas na China e Japão.  Hoje a agenda econômica vem com a inflação medida pelo IGP-DI de setembro em 0,50% M/M e 3,00% A/A. Nos EUA, saem dados de preços para o consumidor em setembro. O petróleo também opera em queda nesta manhã na ICE e na Nymex. O ambiente indica mais um dia pesado para a B3.

Câmbio

Após três quedas consecutivas, o dólar deu repique ontem, fechando cotado a R$ 4,1074 de R$ 4,0568 na sexta-feira (+1,25%). O sentimento de aversão ao risco provocado pela expectativa em relação ao encontro entre EUA x China nesta semana segue como o principal motivo de busca de proteção dos investidores.

Juros

O mercado de juros futuros abriu a sessão em queda, mas reverteu o movimento durante o dia, com a pressão sobre o câmbio. No fechamento a taxa do contrato de DI jan/21 encerrou a 4,88%, de 4,858% no ajuste de sexta-feira e para jan/25 a taxa subiu de 6,581% para 6,64%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Azul (AZUL4)
Demanda de passageiros cresce 31% em setembro comparada a set/18 e a oferta de assentos aumenta 30,8%

A Azul divulgou os dados operacionais de setembro, com aumento de 31% na demanda consolidada de passageiros em relação ao mesmo mês o ano passado. A oferta, por sua cresceu 30,8%, o que resultou em uma taxa de ocupação de 83,3%, um pouco superior a set/18.

O bom desempenho de crescimento na oferta de assentos e na demanda e também nas taxas de ocupação, foi observado tanto no mercado doméstico quanto no internacional.

Ontem a AZUL4 encerrou cotada a R$ 50,59 com valorização de 40,5% no ano e valor de mercado de R$ 17,1 bilhões.


Braskem (BRKM5)
Entrega do Formulário 20 F na SEC

Após o fechamento do pregão, a empresa informou que arquivou ontem na U.S. Securities Exchange Comission (SEC) seu Formulário 20F referente ao ano de 2017.  O Formulário de 2018 ainda não foi entregue e a Braskem afirmou que “segue empreendendo todos os esforços para o seu arquivamento na SEC o mais rápido possível”.

  • Em maio/2019, a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) suspendeu a negociação dos American Depositary Shares (ADS) da Braskem, devido aos atrasos na entrega dos 20F de 2017 e 2018;

A entrega do 20F de 2017 é uma boa notícia, mas talvez ainda insuficiente para reverter a decisão da NYSE.  No dia 17 de outubro (próxima semana), a Braskem tem uma audiência na NYSE, onde a empresa vai contestar a decisão de suspensão da negociação dos ADS.


WIZ Soluções e Corretagem de Seguros S.A. (WIZS3)
Parceria em Home Equity

A WIZ celebrou ontem (7/out) com a Galápagos Capital Investimentos e Participações Ltda. (Galápagos), um Acordo Operacional visando à estruturação de uma operação de distribuição, comercialização e pós-venda de crédito com garantia imobiliária na modalidade “Home Equity”.

A Wiz será responsável pela estruturação de canal omnichannel de distribuição e comercialização do produto, através de suas unidades de negócios, por meio da captação de parceiros de negócios ou através da sua rede de parceiros já existente.

A Galápagos será responsável pela estruturação financeira e disponibilizará os recursos financeiros necessários para a concessão dos mútuos no âmbito da Parceria para os clientes finais.

Adicionalmente, a WIZ e a Galápagos constituirão uma sociedade de propósito específico (“SPE”) para, em regime de exclusividade, explorarem em conjunto oportunidades para a concessão de crédito com garantia imobiliária na modalidade “Home Equity”.

Eletrobras (ELET3, ELET6)
Alienação SPE Serra das Vacas, AFAC e Transação entre Partes Relacionadas

A Eletrobras concluiu ontem (7/out) a transferência da totalidade das ações que detinha da Sociedade de Propósito Específico (“SPE”) Eólica Serra das Vacas Holding S.A., correspondente a 49,00% do capital social total da referida SPE, para a Eólica Serra das Vacas Participações S.A. Pela venda, a Eletrobras recebeu o valor atualizado de aproximadamente R$ 74 milhões, corrigidos até 07 de outubro de 2019.

Adiantamento para Futuro Aumento de Capital (AFAC). Em atenção às notícias divulgadas pela imprensa, de que o “Governo estuda nova capitalização da Eletrobras sem recursos da União”, a empresa esclareceu que em 06/abr/16, 09/set/16 e 22/nov/16, a União Federal aportou recursos na Eletrobras, a título de (“AFACs”), que somados ao saldo residual existente de outros AFACs da União de anos anteriores, alcançavam R$ 3,99 bilhões, em 30/jun/19. A Eletrobras vem avaliando junto ao seu controlador a possibilidade de capitalização desses AFACs que, devido a sua atualização pela taxa Selic, onera a companhia. No entanto, não houve, até ontem (7/out), decisão pela Administração da companhia.

Transação entre Partes Relacionadas – CSC Eletrobras. A companhia realizou com suas controladas: Furnas, Chesf, Eletronuclear, Eletronorte, Eletrosul, Amazonas GT e Companhia De Geração Térmica De Energia Elétrica (CGTEE), um contrato de Compartilhamento de Recursos Humanos e Infraestrutura Associada ao Funcionamento do Centro de Serviços Compartilhados (CSC) do Sistema Eletrobras. O contrato tem prazo de vigência de 60 meses, e o Valor máximo anual do contrato é de R$ 533,5 milhões para todas as empresas controladas mencionadas.


Kroton (KROT3)
Convocação de AGE para 18/10 para alteração na razão social para Cogna Educação e outros assuntos relevantes

A alteração, segundo a empresa, é resultado da reestruturação dos negócios conduzida pela administração com o objetivo de conceder uma maior autonomia aos diversos segmentos e propiciar condições para um melhor aproveitamento das oportunidades que se colocam nos diferentes ramos de atuação da companhia.

Com a mudança, as ações da Kroton passarão a ser negociados na B3, a partir do dia 11 de outubro, sob novo código de negociação (COGN3) em substituição ao atual (KROT3). Nessa mesma data, as ADRs ofertadas no mercado norte-americano passarão a ser negociadas sob o código COGNY em substituição à KROTY.


Indústria automobilística
Queda nas exportações continua limitando o aumento da produção

Em setembro, a produção de veículos no Brasil atingiu 247,3 mil unidades, quantidade 10,9% maior que no mesmo mês do ano passado.  Porém, em relação a agosto, houve uma queda de 8,3% no volume produzido.

  • Nos primeiros nove meses do ano, a produção somou 2,3 milhões de unidades, 2,9% maior que no mesmo período de 2018, segundo os dados publicados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea);
  • A produção de veículos em setembro foi positivamente influenciada pelas vendas no mercado interno, compensando a forte redução nas exportações;

A Anfavea revisou neste mês suas projeções para o desempenho da indústria automobilística nacional no ano.  A entidade estimou que a produção crescerá 2,1% e as vendas de autoveículos devem aumentar 9,1% em 2019, atingindo 2,8 milhões de unidades.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.