China anuncia que não irá retaliar as importações americanas com tarifas

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa marcou mais um dia de alta (0,94%) no fechamento chegando aos 98.194 pontos em dia de giro reduzido de R$ 13,8 bilhões. A queda da grande maioria dos papéis em pregões anteriores abriu oportunidade de posicionamento em ações de boas empresas. A agenda econômica de hoje vem recheada de dados da zona do euro, com destaque para os indicadores de confiança (economia, indústria, consumidor, etc). No Brasil, o IGP-M de agosto veio com queda de 0,67% no M/M e de alta de 4,95% no A/A e o PIB do 2T mostra alta de 0,4% no M/M e de 0,1% no A/A. Para completar a agenda, uma extensa relação de dados da economia americana, divulgados ainda nesta manhã. Hoje as bolsas internacionais sobem de forma generalizada após a China anunciar que não irá retaliar as importações americanas com tarifas, imediatamente, sinalizando que prefere discutir o assunto para evitar uma escalada da guerra comercial. A decisão puxa também os futuros de NY e pode ajudar para a recuperação do Ibovespa.

Câmbio

A moeda americana voltou a subir, de R$ 4,1311 para R$ 4,1681 (0,90%), em dia de atuação do Banco Central com leilões de venda à vista, swap cambial (reverso e tradicional) e o leilão de linha, visando corrigir distorções dos últimos dias. O Banco Central informou ontem que o fluxo cambial em agosto, até o dia 23, está negativo em US$ 3,396 bilhões, com saídas líquidas de US$ 6,431 bilhões pelo canal financeiro e saldo positivo de US$ 3,035 bilhões no comércio exterior. No ano, o fluxo total é negativo em US$ 5,605 bilhões. Em igual período do ano passado, o resultado era positivo em US$ 25,012 bilhões.

Juros

Os juros seguem em alta, com a taxa do contrato de DI para jan/20 marcando 5,405%, de 5,392% no fechamento da terça-feira. Para jan/25 a taxa passou de 7,141% para 7,26%.%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Copel Energia (CPLE6)
Reunião destaca a solidez dos resultados, melhores praticas de governança e redução da alavancagem

A Copel realizou ontem (28/agosto) em SP sua reunião anual com analistas e investidores. Os números da companhia já eram conhecidos. No 1S19, um lucro líquido de R$ 853 milhões com crescimento de 20% em relação a igual semestre do ano anterior. Nesta base de comparação o EBITDA ajustado cresceu 27% para R$ 2,1 bilhões.
Este ano as CPLE6 registram alta de 62,9% para uma cotação de R$ 49,31/ação, correspondente a um valor de mercado de R$ 13,5 bilhões. Os múltiplos para 2019 são: P/L de 8,2x e VE/EBITDA de 6,3x.
A geração de caixa operacional somou R$ 2,5 bilhões no semestre. Ao final de junho de 2019 a dívida líquida era de R$ 9,0 bilhões (2,6x o EBITDA), sendo que ao final de dezembro de 2018 somava R$ 9,2 bilhões (3,1x o EBITDA). A alavancagem deve ser reduzida rapidamente, à luz de menor volume de investimentos e maior geração de caixa.
Destaque para o resultado da Copel Distribuição (Copel Dis) que praticamente atingiu o EBITDA regulatório, com “gap” de apenas 1% e que deve ser superado ao longo do segundo semestre de 2019.
Atenção na outorga da Usina de Foz do Areia, cuja concessão vence em setembro de 2023 e representa 30% do portfólio de geração da companhia. O empreendimento de Mata de Santa Genebra, com 96% das obras realizadas, deve ser concluído em fevereiro de 2020.


JBS (JBSS3)
Pilgrim’s Pride Corporation anuncia aquisição da Tulip Company

A controlada da JBS, Pilgrim´s Pride Corporation (“PPC”), anunciou ontem (28/agosto) que assinou um contrato para adquirir a Tulip Company, líder na produção de carne suína e alimentos preparados com operações no Reino Unido.

O valor da transação avaliou a Tulip em £290 milhões (US$ 354 milhões) e representa um múltiplo de 5,4x do EBITDA esperado. A transação será totalmente financiada pelo caixa da PPC e mesmo após a aquisição, a alavancagem permanece abaixo de 2x o EBITDA.

Em nossa visão a aquisição agrega valor. Os múltiplos pagos estão abaixo dos indicadores da JBS S.A. e com a compra nasce uma companhia líder em proteína e alimentos preparados na Europa por meio da expansão do portfólio de alimentos preparados, em linha com a estratégia atual do grupo JBS, de focar em um mix de produtos com maior valor agregado.

Ao preço de R$ 28,69/ação (valor de mercado de R$ 78,3 bilhões) suas ações (JBSS3) registram alta de 147,6% este ano.  Nesse preço os múltiplos para 2019 são: P/l de 12,5x e VE/EBITDA de 6,8x.


Taesa (TAEE11)
Protocolou Oferta Pública de R$ 450 milhões em debêntures

A Taesa protocolou ontem (28/agosto) perante a CVM, o pedido de registro da oferta pública de distribuição sob o regime de garantia firme de colocação de, inicialmente, 450.000 debêntures, todas nominativas, escriturais, simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em série única, da 7ª (sétima) emissão da companhia.

O valor nominal unitário será de R$ 1.000,00, na data de emissão das Debêntures, qual seja, 15 de setembro de 2019, perfazendo o montante total de, inicialmente, R$ 450 milhões, sem considerar as debêntures adicionais. As debêntures serão caracterizadas como “Debêntures Verdes”.

Mais uma captação no curso normal dos negócios da companhia. Suas units (TAEE11) fecharam cotadas ontem (28/agosto) a R$ 27,41 (valor de mercado de R$ 9,4 bilhões) com alta de 21,3% este ano. Nesse preço os múltiplos para 2019 são: P/L de 11,4x e VE/EBITDA de 12,4x.


Cemig (CMIG4)
Venda de Imóveis com foco na otimização de portfólio

A Cemig lançou edital de licitação para venda de imóveis em Belo Horizonte, em Dores do Indaiá, na região Oeste de Minas Gerais, e em Minas Novas, no Vale do Jequitinhonha. A venda será feita por meio de pregão eletrônico, no próximo dia 3 de setembro, e a licitação se dará pela modalidade de maior oferta, com as propostas classificadas durante o pregão, selecionadas para a etapa de lances.

Não temos ideia de valor, mas a venda visa “otimizar e adensar a ocupação de edificações utilizadas pela empresa, de modo a permitir a redução de despesas operacionais com manutenção, segurança, limpeza, conservação e pagamento de tributos”.

Segundo a Cemig “são imóveis que, por razões de ordem técnica ou operacional, não mais se encontram aptos, úteis ou necessários à adequada prestação dos serviços de energia elétrica, e cuja receita obtida, será reinvestida na concessão dos serviços de energia elétrica da companhia”.

Suas ações (CMIG4) apresentam alta de 4,4% este ano para uma cotação de R$ 14,02/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 20,5 bilhões. O preço justo de R$ 16,00/ação traz um potencial de alta de 14,1%.


Ferbasa (FESA4)
Pagamento de JCP

A Ferbasa informou ontem, após o pregão, que seu Conselho de Administração aprovou o pagamento de juros sobre o capital próprio (JCP) no valor total de R$ 23,3 milhões.

  • Os valores brutos (antes do Imposto de Renda) serão de R$ 0,25679053432 para cada ação ordinária e R$ 0,28246958775 para a preferencial;
  • Terão direito ao provento, os acionistas da empresa no dia 5 de setembro, sendo que as ações serão negocias “ex-Juros sobre Capital Próprio” a partir de 6/setembro;
  • O pagamento deste JCP será realizado no dia 20/setembro, proporcionando um retorno bruto de 1,6% para os detentores de FESA4, tendo em vista a cotação da ação no fechamento do pregão de ontem.

Petrobras (PETR4)
Comunicados importantes

Após o pregão de ontem, a empresa enviou três comunicados importantes, cujos dois primeiros consideramos boas notícias.
• O primeiro versou sobre a aprovação pelo Conselho de Administração da nova política de remuneração dos acionistas. Foi estabelecido que, se o endividamento bruto da empresa ficar acima de US$ 60 bilhões, será pago o dividendo mínimo obrigatório previsto na lei e no seu Estatuto Social. Quando o endividamento bruto estiver abaixo dos US$ 60 bilhões, a empresa poderá distribuir aos seus acionistas 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos;
• No segundo comunicado, a empresa informou que obteve decisão favorável definitiva do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), cancelando um débito de R$ 5,9 bilhões. Com isso, a Petrobras vai retirar este valor das contingências de suas demonstrações financeiras. Este débito era referente à homologação de créditos de PIS e Cofins;
• Por fim, o Conselho de Administração aprovou ontem a incorporação da Petrobras Logística de Gás S.A. (LOGIGÁS). Com isso, a empresa visa otimizar sua estrutura societária. Esta incorporação não trará outros efeitos no capital da Petrobras.


Petrobras (PETR4)
Comunicados importantes

Após o pregão de ontem, a empresa enviou três comunicados importantes, cujos dois primeiros consideramos boas notícias.
• O primeiro versou sobre a aprovação pelo Conselho de Administração da nova política de remuneração dos acionistas. Foi estabelecido que, se o endividamento bruto da empresa ficar acima de US$ 60 bilhões, será pago o dividendo mínimo obrigatório previsto na lei e no seu Estatuto Social. Quando o endividamento bruto estiver abaixo dos US$ 60 bilhões, a empresa poderá distribuir aos seus acionistas 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos;
• No segundo comunicado, a empresa informou que obteve decisão favorável definitiva do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), cancelando um débito de R$ 5,9 bilhões. Com isso, a Petrobras vai retirar este valor das contingências de suas demonstrações financeiras. Este débito era referente à homologação de créditos de PIS e Cofins;
• Por fim, o Conselho de Administração aprovou ontem a incorporação da Petrobras Logística de Gás S.A. (LOGIGÁS). Com isso, a empresa visa otimizar sua estrutura societária. Esta incorporação não trará outros efeitos no capital da Petrobras.


Hapvida (HAPV3)
Extinção de contrato de mútuo celebrado entre Canadá Administradora de Bens Móveis Ltda. (Canadá)

• Ontem, a companhia comunicou aos seus acionistas e ao mercado em geral que o Contrato de Mútuo, na oportunidade celebrado entre Canadá Administradora de Bens Móveis Ltda. (Canadá) – sociedade controlada pelos controladores da Companhia – e Ultra Som Serviços Médicos Ltda. (Ultra Som) – subsidiária integral da Companhia – foi extinto, nesta data, sem qualquer penalidade às partes (Mútuo).
• A Hapvida abriu seu capital no ano passado, e desde então vem num ritmo forte de crescimento via aquisições. No 2T19, a companhia registrou lucro líquido de R$ 227,1 milhões com margem liquida de R$ 17,8%. No 1S19, o lucro líquido foi de R$ 436,1 milhões e o fluxo de caixa livre somou R$ 262,1 milhões. A ação HAPV3 encerrou ontem cotada a R$ 49,00 acumulando alta de 58,4% neste ano.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.