Terça-feira foi de volatilidade na B3

MERCADO


Bolsa

A terça-feira foi de volatilidade na B3 com a ausência de notícias do lado doméstico e incertezas do lado externo. No fechamento o Ibovespa marcou queda de 0,25% aos 99.222 pontos e giro financeiro de R$ 15,4 bilhões. Os investidores seguem em compasso de espera em relação aos dados econômicos que serão divulgados nos EUA e na China até a sexta-feira. Mesmo com agenda econômica vazia, com dados apenas de vendas de casas nos EUA em julho, e sem fatos novos nos dois mercados, as bolsas mostram alta na zona do euro nesta manhã e no fechamento na Ásia. Do lado doméstico podemos ter mais um dia de ajustes no mercado.

Câmbio

O dólar cedeu 0,47% no fechamento de ontem, de R$ 4,0746 para R$ 4,0556, mas ainda permanece numa faixa alta em relação às cotações do final de julho. Este comportamento mostra a apreensão dos investidores. A alta da moeda levou o Banco Central a voltar a atuar neste mercado com leilões de venda.

Juros

Os juros futuros ficaram perto da estabilidade no fechamento de ontem, com o a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21  passando de 5,459% para 5,44% e para jan/25 a taxa encerrou a 6,95%, de 6,931%, com aumento no número de contratos negociados, passando de uma média de 73.563 nos últimos 30 dias para 97.570 ontem.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Cemig (CMIG4)
Teleconferência dos resultados do 1S19

A Cemig realizou ontem (20/agosto) sua teleconferência de resultados referentes ao 2T19 e do 1S19. Dentre os destaques, (i) a reestruturação organizacional da companhia e as iniciativas de eficiência operacional; (ii) o forte crescimento do EBITDA; (iii) a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/PASEP e COFINS; (iv) a gestão do portfólio da dívida; (v) a execução do programa de Desinvestimentos e (vi) o Leilão para compra de energia renovável – Cemig GT.

Suas ações (CMIG4) apresentam alta de 9,9% este ano para uma cotação de R$ 14,76/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 21,5 bilhões. O preço justo de R$ 16,00/ação traz um potencial de alta de 8,4%.

Exclusão do PIS/PASEP e COFINS obre o ICMS. Em 08 de maio de 2019, transitou em julgado, no TRF da 1ª Região, a Ação Ordinária movida pela companhia, com decisão favorável, reconhecendo o direito de excluir o ICMS da base de cálculo do Pasep/Cofins com efeitos retroativos ao prazo de 5 anos do início do processo judicial, ou seja, desde julho de 2003. O efeito total no consolidado alcança R$ 7,325 bilhões (sendo R$ 5,971 bilhões da Cemig D) e com valor máximo passível de devolução a clientes de R$ 4,13 bilhões. O efeito no lucro líquido consolidado da Cemig foi de R$ 1,984 bilhão, reconhecido no 2T19.

Gestão do Portfólio da dívida. Destaque para a 7ª emissão de debêntures da Cemig D equivalente ao montante de R$ 3,7 bilhões, em duas séries, equivalente a um custo médio de 108,61% do CDI, utilizado para substituição de dívidas mais onerosas com custo de 144,13% do CDI. Ressalte-se o alongamento do prazo médio do endividamento total da Cemig D, de 2,9 anos para 5,1 anos.

Execução do Programa de Desinvestimento. A companhia fez menção para a alienação de 33,3 milhões de ações da Light ao preço de R$ 18,75/ação totalizando R$ 625 milhões. Após o follow on em 17 de julho de 2019 a Cemig passou a deter uma posição de 22,6% no capital da Light. O objetivo é de alienação de toda essa participação.

A Cemig reiterou a meta de seguir o seu programa de desinvestimentos. No curto prazo a prioridade é sua investida Renova, em meio à conclusão da venda de Alto Sertão III para a AES Tietê. A operação ainda depende de uma decisão da Aneel, que avalia em especial contratos que lastreiam a operação. Esta venda também é condição precedente para outras frentes de reestruturação da companhia, incluindo arranjo societário.

Além de Renova, a Cemig segue buscando avançar na venda de fatia da Gasmig, cuja concessão deve ser renovada junto ao governo do estado por mais 30 anos, com aditivo esperado para set/19 e o valor de R$ 852 milhões para reequilíbrio do contrato que venceria em 2023 e passa para 2053. Umas das alternativas em estudo é a abertura do capital da companhia e saída da Cemig via IPO.


IRB Brasil Re (IRBR3)
AGE em 19/set deve aprovar Split, de (1) uma para (3) três novas ações

Na Assembleia Geral Extraordinária (AGE), convocada para o dia 19 de setembro, será avaliada a proposta de Desdobramento (Split) das ações do IRB Brasil RE, de forma que cada ação será desdobrada em 3 novas ações, sem alteração em seu capital social.

O desdobramento de ações proposto pela administração da companhia tem por finalidade (a) aumentar a liquidez das ações ordinárias de sua emissão no mercado; e (b) possibilitar um ajuste na cotação das ações ordinárias de emissão da companhia, tornando o preço por ação mais atrativo e acessível a um maior número de investidores.

O IRB comunicará aos seus acionistas oportunamente a data em que as ações de sua emissão passarão a ser negociadas “ex-desdobramento” e a data na qual as ações resultantes do desdobramento serão creditadas aos acionistas.

Suas ações registram alta de 23,8% este ano para uma cotação de R$ 100,64/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 31,4 bilhões, P/L para 2019 de 19,0x e PVPA de 7,9x. O preço justo de R$ 120,00/ação traz um potencial de alta de 19,2%.


MRV Engenharia (MRVE3)
Comentário sobre a nova modalidade de financiamento da CEF

A companhia comunicou ao mercado sua visão a respeito da nova modalidade de financiamento divulgada ontem pela Caixa Econômica Federal.

As taxas, nessa nova opção, irão variar entre IPCA + 2,95% e IPCA + 4,95%, o que implicará em uma melhora na capacidade de pagamento do mutuário final, chegando a permitir uma renda até 38,8% menor que a opção de financiamento anterior (TR+) e até 19% menor que o MCMV Faixa 3.

Ontem a ação MRVE3 encerrou cotada a R$ 17,81 com valorização de 47,2% no ano.


Taesa (TAEE11)
Aquisição de 100% da Rialma/RN e LI da concessão de Ivaí no Paraná

A Taesa celebrou ontem (20/agosto) o Contrato de Compra e Venda de Ações e Outras Avenças com a RC Administração e Participações S.A., tendo por objeto a aquisição de 100% das ações representativas do capital total e votante da Rialma Transmissora de Energia 1 S.A.

A aquisição será realizada pelo valor de R$ 56,7 milhões (base: 30/junho/19), sujeito a ajustes positivos ou negativos decorrentes da variação dos saldos de capital de giro e endividamento líquido entre a data base e a data de fechamento da operação, bem como outros ajustes após o fechamento. Rialma I compreende a LT Lagoa Nova 11 – Currais Novos 11, tensão de 230 kV, circuito duplo, com extensão de 28 km, e RAP de R$ 12,6 milhões (ciclo 2019-2020).

O Instituto Ambiental do Paraná emitiu as Licenças de Instalação referentes às Subestações de Londrina – 525 kV, Foz do Iguaçu – 525 kV e Guaíra – 525 kV/230 kV, além da linha de transmissão de 525 kV – Sarandi Londrina da Interligação Elétrica Ivaí S.A., estando a companhia, autorizada a iniciar as obras dessas instalações. Ivaí localiza-se no Estado do Paraná, empreendimento no qual a Taesa participa em parceria com a ISA CTEEP – Transmissão Paulista, na proporção igualitária de 50%.

Suas units (TAEE11) fecharam cotadas ontem (20/agosto) a R$ 27,00 (valor de mercado de R$ 9,3 bilhões) com alta de 19,5% este ano. Nesse preço os múltiplos para 2019 são: P/L de 11,2x e VE/EBITDA de 12,3x.  O preço justo de R$ 28,00/Unit traz um potencial de alta de 3,7%.


Petrobras (PETR4)
Decisão favorável do CARF relacionada à cobrança de CIDE-Importação referente a contratos de afretamento.

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) proferiu ontem (20/agosto), decisão favorável em processo administrativo fiscal que trata da cobrança de CIDE-Importação sobre as remessas ao exterior para pagamento de contratos de afretamento, no ano calendário de 2013, no valor aproximado de R$ 5,1 bilhões.

A Petrobras entende que o julgamento não altera a classificação de expectativa de perda possível, em virtude de haver manifestações favoráveis ao entendimento da companhia nos Tribunais Superiores e buscará assegurar a defesa de seus direitos.

Ao preço de R$ 24,02/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 331,7 bilhões, PETR4 registra alta de 7,2% este ano. Nossa recomendação é de COMPRA com Preço Justo de R$ 34,50/ação, indicando um potencial de alta em 43,6%.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.