Investidores aguardam novos fatos

MERCADO


Bolsa

Em dia de noticiário fraco, o Ibovespa encontrou espaço para mais uma alta, marcando 0,40% no fechamento, aos 104.120 pontos. O giro financeiro de R$ 14,7 bilhões. Hoje a agenda econômica traz o IPC-Fipe semanal com alta de 0,12%, acima da expectativa. Os dados dos EUA dominam a agenda desta quinta-feira, com destaque para os pedidos de bens duráveis, estoques no varejo e atacado e pedidos de seguro desemprego, em junho. As bolsas internacionais mostram movimento de alta generalizada, no fechamento da Ásia, na zona do euro e nos futuros de NY. Destaque negativo para a queda recorde dos bonds de 30 anos da Alemanha, reflexo da queda da confiança na economia do País. Outro destaque fica para a expectativa de desaceleração no PIB americano do 2T19 a ser divulgado amanhã. O Ibovespa vem operando numa faixa estreita nos últimos pregões, indicando que os investidores aguardam novos fatos para a tomada de decisões mais firmes. Os resultados corporativos devem continuar influenciando os papéis à medida que vão sendo divulgados. Os destaques de hoje são: Bradesco, Ambev, Pão de Açucar e Carrefour Brasil.

Câmbio

A moeda americana encerrou praticamente estável ontem, queda de 0,01%, passando de R$ 3,7745 para R$ 3,7738, reflexo de poucas notícias capazes de influenciar o mercado.

Juros

Os juros futuros seguem com pouca oscilação nas últimas sessões. Ontem a taxa do contrato de DI para jan/20 ficou em 5,585%, ante 5,593% no ajuste da terça-feira e o DI para jan de 2025 passou de 6,87% para 6,83%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Ambev (ABEV3)  
Aumento das vendas e do lucro no 2T19

A empresa divulgou hoje seu resultado do 2T19, que comparado ao 1T18 mostrou pequeno aumento nas vendas e na receita, mas queda nas margens operacionais com os aumentos nos custos de produção.  O crescimento no lucro líquido do trimestre ocorreu, principalmente, pela forte queda nos custos financeiros.

No 2T19, o lucro líquido ajustado da Ambev foi de R$ 2,7 bilhões (R$ 0,17 por ação), 16,1% maior que no 2T18, mas 1,8% inferior ao 1T19;

No 2T19, os custos subiram mais que a receita, impactando negativamente a margem bruta.  Por hectolitro vendido, o custo dos produtos vendidos (CPV) teve alta de 10,1%.  O CPV total subiu 11,6%, principalmente devido às pressões inflacionárias na Argentina e a alta das commodities, em parte compensadas pela redução nos preços do açúcar;

Um resultado financeiro melhor no trimestre foi fundamental para o crescimento do lucro.  As despesas financeiras líquidas no 2T19 foram de R$ 567 milhões, valor 48,5% inferior ao 2T18.


GPA – Pão de Açúcar (PCAR4)
Lucro líquido consolidado do 2T19 soma R$ 399 milhões e R$ 598 milhões em 6 meses

O GPA divulgou os resultados do 1S19 com queda no lucro liquido e no EBITDA consolidado. Do lado positivo, o crescimento do segmento Alimentar, a redução do endividamento e a reestruturação anunciada dos negócios na América Latina, que levarão a empresa para o Novo Mercado.

Ontem a ação PCAR4 encerrou cotada a R$ 88,00 acumulando alta de 9,7% neste ano. O valor de mercado da empresa é de R$ 24,1 bilhões.


Banco Bradesco (BBDC4)   
Resultado sólido no 2T19, em linha com o esperado

O Bradesco registrou no 2T19 um lucro líquido recorrente de R$ 6,46 bilhões (ROAE de 20,6%) com alta de 25% em relação a R$ 5,16 bilhões do 2T18 (ROAE de 18,4%). Um resultado em linha com o esperado, explicado principalmente por maior margem financeira (notadamente com o mercado), estabilidade das despesas com PDD, maior resultado das operações de seguros, previdência e capitalização, somados ao bom desempenho das receitas de serviços. Nesta base de comparação a alíquota efetiva de IR/CS caiu de 35,7% para 28,0%.

Tomando por base o acumulado dos primeiros seis meses de 2019 em relação a igual período de 2018, o lucro líquido recorrente cresceu 23,7% para R$ 12,70 bilhões, com +2,1pp no ROAE para 20,6%. Nesta base de comparação a margem financeira cresceu 5,6% para R$ 28,56 bilhões; a PDD expandida caiu 4,5% para R$ 7,09 bilhões; o resultado de seguros, previdência e capitalização cresceu 16,9% somando R$ 7,42 bilhões; com estabilidade das receitas de serviços (+1,8% para R$ 16,35 bilhões). As despesas de Pessoal e outras administrativas cresceram 6,2%, acima da inflação, para R$ 20,78 bilhões. A alíquota efetiva de IR/CS caiu de 34,1% no 1S18 para 28,7% no 1S19.

O guidance de crescimento para 2019 foi mantido e o banco segue confiante na realização de suas estimativas. A Carteira de Crédito expandida cresceu 9% no semestre, no piso do intervalo previsto, entre 9% a 13%. A Margem financeira cresceu 6% no ponto médio do intervalo de 4% a 8%. O Resultado das Operações de Seguros, Previdência e Capitalização cresceu 17%, acima do intervalo esperado, entre 5% a 9%. A PDD expandida foi de R$ 7,1 bilhões no 1S19 e se compara ao intervalo entre R$ 11,5 e R$ 14,5 bilhões para 2019. As despesas operacionais (outras administrativas e de pessoal) cresceram 6,2% acima do teto esperado (entre 0% e 4%).

O cenário atual é de melhor dinâmica do crédito, inadimplência contida e queda da PDD. O foco na redução de custos permanece. Seguimos com recomendação de COMPRA para BBDC4 com preço justo de R$ 45,00/ação, equivalente a um potencial de alta de 15,5% em relação a cotação de R$ 38,97/ação (valor de mercado de R$ 314,2 bilhões). Nesse preço o banco está sendo negociado a 2,35x o valor patrimonial e com P/L de 12,1x para 2019.


EDP Energias do Brasil S.A. (ENBR3)
Resultado do 2T19 abaixo do esperado

A EDP registrou um lucro líquido consolidado de R$ 188,9 milhões no 2T19, com queda de 17% ante os R$ 227,7 milhões do 2T18, abaixo do esperado. Com isso, no semestre, o resultado líquido alcançou R$ 484,6 milhões, 9,7% superior aos R$ 441,8 milhões do 1S18.

O EBITDA registrado no 2T19 ficou em R$ 555,7 milhões, com queda de 6,8% ante os R$ 596,3 de igual trimestre do ano anterior. No acumulado dos primeiros seis meses deste ano, o EBITDA somou R$ 1,26 bilhão, 1,6% acima dos R$ 1,24 bilhão em igual semestre de 2018.

Em grandes contas, o resultado do trimestre veio abaixo do esperado, em EBITDA e no Lucro Líquido. Cotadas a R$ 19,55/ação (valor de mercado de R$ 11,9 bilhões) a ação ENBR3 registra alta de 39,9% este ano, cujos múltiplos para 2019 são: P/L de 12,8x e VE/EBITDA de 6,6x. O preço justo de R$ 20,00/ação, corresponde a um potencial de alta de 2,3%.


Petrobras (PETR4)
Dois comunicados importantes

Após o pregão de ontem, a empresa divulgou dois comunicados, um sobre a venda de ativos e o outro acerca de mais uma perda no CARF.

No primeiro comunicado, a Petrobras informou que vendeu campos de petróleo em águas rasas, com valor somado de US$ 1,516 bilhão.  Foram vendidas 100% das participações da empresa no Polo Pampo e Enchova por US$ 851 milhões (pode ser acrescido de US$ 200 milhões no futuro) e o Campo de Baúnas por US$ 665 milhões;

Sempre acreditamos que o seguimento do programa de desinvestimentos da Petrobras é uma boa notícia, por permitir a redução da dívida e dos investimentos;

Foi informado no segundo comunicado, que o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), emitiu uma decisão desfavorável em processo sobre a cobrança de CIDE nas remessas ao exterior para pagamento de afretamentos, realizados em 2010, no valor aproximado de R$ 2,7 bilhões.


Cemig S.A. (CMIG4)
Pré-pagamento de dívidas

A Cemig informou que ontem (24/julho) suas subsidiárias integrais Cemig Distribuição S.A. (“Cemig D”) e Cemig Geração e Transmissão S.A. (“Cemig GT”) realizaram o pré-pagamento de dívidas, no contexto da gestão do seu endividamento.

Cemig D. Realizou o pré-pagamento integral do saldo devedor da 9ª emissão de notas promissórias, com vencimento final em outubro/2019, da 6ª emissão de debêntures simples, com vencimento final em junho/2020, da 5ª emissão de debêntures simples, com vencimento final em junho/2022, e de Cédulas de Crédito Bancário, com vencimentos finais em junho/2022. Tais prépagamentos, totalizando R$ 3,644 bilhões em principal, juros e encargos, foram realizados com recursos provenientes da sua 7ª emissão de debêntures simples.

Cemig GT. Realizou a amortização extraordinária, no valor de R$ 125 milhões, de sua 7ª emissão de debêntures simples, com vencimento final em dezembro/2021.

Suas ações (CMIG4) apresentam alta de 6,0% este ano para uma cotação de R$ 14,23/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 20,8 bilhões. O preço justo de R$ 16,00/ação traz um potencial de alta de 12,4%.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.