Ultrapar – Relatório de Análise

Mercado ainda difícil

Uma conjunção de alguns reveses em aquisições e a queda na rentabilidade das principais empresas do grupo, fizeram com que as ações da Ultrapar caíssem forte nos últimos meses.  Acreditamos que a empresa voltará a mostrar crescimento no lucro consolidado, principalmente por melhores resultados da Ipiranga.  No entanto, para ocorrer uma retomada maior no consumo de combustíveis no Brasil, é necessário um crescimento mais vigoroso da renda e do emprego, o que não está acontecendo.  Com isso, esperamos uma expansão moderada no resultado da Ultrapar, o que limita o ritmo de recuperação das ações.  Nossa recomendação para UGPA3 é de Compra, mas reduzimos o Preço Justo de R$ 31,00 para R$ 27,00.

 

Elevando a rentabilidade do grupo: As ações da Ultrapar caíram 44,0% nos últimos 24 meses.  Para reverter esta situação, a empresa precisa elevar sua rentabilidade, a começar pela Ipiranga, sua principal controlada.  A fraqueza da economia, exemplificada nas seguidas revisões para baixo das projeções de crescimento do PIB, será um limitador importante para o crescimento dos negócios das empresas do grupo. No entanto, a diretoria da Ultrapar tem enfatizado que o EBITDA de 2019 vai superar os R$ 3,1 bilhões alcançados no ano passado.  Projetamos que o EBITDA de 2019 atinja R$ 3,6 bilhões, valor 18,9% maior que em 2018;

Redução da rentabilidade e desvalorização das ações: As ações da Ultrapar tiveram quedas de 16,8% nos últimos doze meses e 21,3% este ano.  Acreditamos que as razões para este declínio de UGPA3, começaram com as proibições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) das aquisições da Ale Combustíveis (agosto/2017) e Liquigás (fevereiro/2018), além da queda na rentabilidade da Ipiranga, advinda em parte da mudança na política de preços da Petrobras.  Acreditamos que os lucros da Ultrapar voltarão a crescer nos próximos trimestres, ensejando um novo ciclo positivo para a ação;

Expectativas positivas na distribuição de combustíveis: A Ipiranga é a mais importante das empresas controladas pela Ultrapar, sendo que seu EBITDA no 1T19 foi equivalente a 75,9% do valor consolidado.  A empresa vem conseguindo recuperar sua rentabilidade nos últimos três trimestres e as expectativas são positivas para o restante do ano, com aumento das vendas e do lucro.  Para isso a empresa está reduzindo seu ciclo de conversão de caixa, diminuindo o número de postos com baixa rentabilidade e colocando em operação uma quantidade crescente daqueles que estavam em fase pré-operacional;

Resultados do 1T19: Os números da Ultrapar no 1T19 apresentaram receita praticamente igual ao 1T18, com custos maiores, mas um resultado financeiro consideravelmente menor, o que beneficiou o lucro.  É importante lembrar, que o resultado do 1T18 foi impactado pelo pagamento da multa para a Petrobras (R$ 286 milhões) pela não efetivação da compra da Liquigás.  No 1T19, o lucro líquido consolidado da Ultrapar atingiu R$ 242 milhões (R$ 0,44 por ação), que foi 52,3% menor que no trimestre anterior, porém 227,7% superior ao 1T18.

Clique para acessar:

 

DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.

As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.