Mercado começa a amadurecer os sinais recentes ​de um possível corte de juros no Brasil e nos EUA

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa encerrou a sexta-feira com alta de 0,63% aos 97.821 pontos com giro financeiro de R$ 11,8 bilhões. O mercado começa a amadurecer os sinais recentes de um possível corte de juros no Brasil e nos EUA. No Brasil, os indicadores de inflação reforçam a chance de redução na Selic. A semana abre com a agenda econômica mostrando o IPC-S com alta de xx e o Boletim Focus. Do lado externo, nenhum indicador importante para hoje com destaque apenas para o acordo entre os EUA e México para a ameaça de tributação das importações, acalmando os mercados, puxando as bolsas internacionais nesta segunda-feira. Do lado doméstico, mais uma vez o cenário político deverá ocupar espaço.

Câmbio

Numa semana positiva para a pauta política, o dólar teve um comportamento mais calmo, encerrando a sexta-feira cotado a R$ 3,8810 de R$ 3,8808 na quinta-feira.

Juros

O mercado de juros segue refletindo o cenário favorável a uma redução dos juros á frente, nos EUA e no Brasil.A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 encerrou em 6,215%, de 6,264% e para jan/25 a taxa passou de 7,851% para 7,76%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Vale (VALE3)  
Situação das barragens de rejeitos

A empresa disponibilizou, na noite da última sexta-feira, uma apresentação detalhando a situação de suas barragens de rejeitos.  São 85 barragens em todas as operações da Vale, onde foram identificados riscos e apresentadas as operações que serão realizadas nos próximos anos.

Para os trabalhos nas barragens “a montante”, que tem a mesma forma de construção daquelas que tiveram acidentes em Mariana e Brumadinho, a empresa já provisionou US$ 1.855 milhões no balando do 1T19;

É importante lembrar que o acidente de Brumadinho trouxe um impacto negativo de US$ 4.954 milhões para o resultado da Vale no 1T19.  Foram feitas provisões para remediação (US$ 2.423 milhões), para o descomissionamento de barragens (US$ 1.855 milhões) e outras menores no valor de US$ 676 milhões.


Petrobras (PETR4)
Vendas de ações da BR Distribuidora e da Petrobras

Na sexta-feira, a Petrobras comunicou que submeteu à análise prévia da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA), o registro da oferta pública de distribuição secundária de ações da Petrobras (BR) Distribuidora.

Este é um sinal positivo de que continua em marcha este processo para a venda de parte da participação da Petrobras em sua distribuidora de combustíveis.  A participação da Petrobras na BR Distribuidora é de 71,25% de participação na BR Distribuidora.  Segundo informações já divulgadas pela empresa, esta participação, após a oferta, poderá cair para menos de 50%;

Nesta manhã, a Petrobras informou que foram disponibilizados o Aviso ao Mercado e o Prospecto Preliminar da oferta pública de distribuição secundária de 241.340.371 ações ordinárias de sua emissão.  Estas ações são de titularidade da Caixa Econômica Federal;


Cielo (CIEL3) 
Resultado da aquisição de Notas Sênior 3,750% com vencimento em 2022

A Cielo comunicou na sexta-feira (7/junho) o resultado da oferta de aquisição de todas e quaisquer Notas Sênior 3,750% com Vencimento em 2022 emitidas pela companhia e pela Cielo USA, cujo prazo de vencimento se deu no dia 6 de junho de 2019.

Como resultado a Cielo aceitou recomprar US$ 687,76 milhões do valor principal das Units das Notas Sêniores, equivalentes a aproximadamente 78,60% das Units das Notas Sêniores em circulação.

Suas ações registram queda de 22,4% este ano para uma cotação de R$ 6,70/ação (valor de mercado de R$ 18,2 bilhões). Os múltiplos para 2019 são: P/L de 7,7x e VE/EBITDA de 5,2x. Temos recomendação de compra e preço justo de R$ 11,00/ação.


Taesa (TAEE11) 
MBA reduz participação nas PN para menos de 5%

A Taesa recebeu na sexta-feira (7/junho) correspondência enviada pela Maple-Brown Abbott Limited (MBA), informando que, em 6 de junho de 2019, reduziu sua participação nas ações preferenciais da companhia para menos de 5%, passando a deter 22.109.052 ações preferenciais, derivadas de sua participação de 11.054.526 Units (TAEE11), e representando 4,99% do total das ações preferenciais.

Na correspondência a MDA destaca que essa participação se limita exclusivamente em manter um portfólio diversificado e, não visa qualquer alteração do controle acionário ou da estrutura administrativa da Taesa.

Ao preço de R$ 27,45 (valor de mercado de 9,5 bilhões) suas Units registram alta de 18,4% este ano. Nesse preço os múltiplos para 2019 são: P/L de 11,7x e VE/EBITDA de 11,3x. O preço justo de R$ 28,00/Unit comtempla um potencial de alta de 2,0%.


Boletim Focus  
Mercado reajusta para baixo as estimativas para o PIB deste ano e de 2020

Dentre as alterações contidas no Boletim Focus no último Boletim Focus desta segunda-feira, destaque para a nova redução das estimativas para o IPCA de 2019, convergindo com a redução das atualizações dos últimos 5 dias. Para o PIB, a mediana das estimativas acusou sua 15ª retração, reforçando as apostas negativas sobre o desempenho da economia neste ano e também, pela primeira vez, reduzindo as estimativas de 2020. Por fim, o mercado manteve inalteradas suas estimativas para a Taxa de Câmbio, apontando uma desvalorização do real frente ao dólar e para a Taxa Selic, ambas para este ano.

A mediana do agregado para a produção industrial registrou forte queda para 2019, sugerindo crescimento de apenas 0,48% ante 1,49%. Para os demais indicadores de relevância, não houve alteração em relação às estimativas anteriores.

Com isso, para 2019, as expectativas para o IPCA ficaram em 3,89%, o PIB em 1,00%, Taxa de Câmbio R$/US$ 3,80 e a Meta da Taxa Selic em 6,50% aa.

Destaques do Boletim Focus publicado na segunda-feira, para 2019:

IPCA: 3,89%;

IPCA (atualização dos últimos 5 dias): 3,85%;

PIB: 1,00%

Taxa de Câmbio: R$/US$ 3,80;

Meta Taxa Selic: 6,50% a.a.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.