Banrisul – Relatório de Análise

Resultado do 1T19 sinaliza um bom ano e melhor retorno

O Banrisul registrou no 1T19 um lucro líquido recorrente de R$ 320 milhões (ROAE de 18,7%), acima do esperado, e 31% superior ao lucro de R$ 244 milhões do 1T18 (ROAE de 14,4%), reflexo (i) da estabilidade da margem financeira (em 12m); da queda de 6% das despesas de PDD; crescimento de 2% das receitas de serviços; e o incremento de 2,2% das despesas administrativas recorrentes (abaixo da inflação). Soma-se a isso a trajetória favorável das outras receitas/despesas operacionais e a menor alíquota efetiva de IR/CS. A estratégia comercial segue conservadora, focada nas operações com maior liquidez, notadamente nas linhas de crédito consignado aos servidores públicos e aposentados, crédito com garantia real, cartão empresarial, crédito simples, e os negócios na cadeia agro do Rio Grande do Sul.

A Margem Financeira Líquida do 1T19 permaneceu praticamente estável ante o 1T18, com queda de 0,1% para R$ 1,3 bilhão, reflexo da redução nas taxas das operações de crédito, em linha com a redução da Selic, num contexto de aumento dos ativos de crédito. As despesas com PDD caíram 6,4% para R$ 285 milhões, devido à redução das operações de crédito em atraso e a rolagem da carteira por níveis de rating. As Receitas de Serviços seguem representando importante parcela do lucro do banco e registraram alta de 2,0% em doze meses somando R$ 491 milhões, influenciadas pelo incremento das receitas de conta corrente, seguros, previdência e capitalização e das taxas de administração de consórcios, minimizado pela redução nas receitas da rede de adquirência, impactada por alteração no contrato de credenciamento à rede Vero.

As despesas administrativas – de pessoal (+4,0% pelo acordo coletivo de 2018) e outras administrativas (estáveis), cresceram no conjunto, 2,2% para R$ 951 milhões, em percentual abaixo da inflação. O Índice de Eficiência (IE) recorrente registrou estabilidade em base trimestral, em 51,5% e refletiu a ampliação da margem financeira acrescida das receitas de serviços, em volume superior ao crescimento das despesas administrativas, influenciado, pelo acordo coletivo da categoria e o incremento nos negócios.

Ao final do 1T19 a carteira de crédito total do banco era de R$ 34,3 bilhões, com crescimento de 7,9% em doze meses, reflexo do forte incremento da carteira comercial para PF (+18,1%) que compensou a queda de 8,7% da carteira comercial PJ. O segmento imobiliário cresceu 6,6% e o rural, 1,3%. Destaque para o crescimento de 22,4% do consignado entre os trimestres. A inadimplência permaneceu estável em relação ao 4T18 em 2,6% e se compara a 3,4% no 1T18. O banco deliberou pelo pagamento de juros sobre o capital próprio (JCP) referente ao 2T19 no valor total de R$ 116,5 milhões, equivalente a R$ 0,28480494/ação PNB. Serão beneficiados os acionistas em 16/05/19 passando as ações a serem negociadas “ex” juros a partir de 17/05/19. O pagamento ocorrerá em 24 de junho de 2019 e o retorno líquido estimado é de 1,0%.

 

Clique para acessar:

 

 

DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.

As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.