Movimentação do governo para as negociações

MERCADO


Bolsa
Embora sem novidades a respeito da reforma da Previdência, a movimentação do governo para as negociações foi dada como justificativa para a recuperação da bolsa, já que do lado externo nada mudou. O Ibovespa encerrou o dia com alta de 1,28% aos 95.597 pontos e giro financeiro de R$ 15,3 bilhões. Hoje, a agenda econômica traz do lado doméstico, as vendas no varejo em março, com alta de 0,3% no M/M e de queda de 4,5% em 12 meses. Nos EUA, em destaque, a balança comercial de março, índices de preço de alimentos e dados do mercado de trabalho em abril. As bolsas internacionais seguem pesadas na zona do euro, com queda no fechamento da Ásia ainda com o peso da disputa comercial EUA x China. Hoje temos um maior número de resultados trimestrais divulgados, o que deve influenciar os preços dos respectivos papéis.

 

Câmbio
A moeda americana encerrou a quarta-feira com queda de 1,04% de R$ 3,9702 para R$ 3,9288 ontem. Desta vez, mesmo com o nervosismo do lado externo, a reação da bolsa permitiu um alívio da pressão sobre o real.

 

Juros
Em dia de decisão da Selic, sem alteração e ambiente mais tranquilo no exterior, os juros futuros marcaram taxa de 6,430%, no contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 de 6,445% no ajuste da véspera. A taxa do DI para janeiro de 2025 fechou caiu de 8,702% para 8,61%.


 

 ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Banco do Brasil (BBAS3)
Trimestral acima do esperado e melhor rentabilidade

O Banco do Brasil registrou no 1T19 um lucro líquido ajustado de R$ 4,2 bilhões (ROAE de 16,8%) com crescimento de 40% em relação aos R$ 3,0 bilhões do 1T18 (ROAE de 12,6%). Mais um bom resultado, acima de nossa estimativa, explicado principalmente por (i) aumento da Margem Financeira Bruta; (ii) redução das despesas de PDD; (iii) crescimento das rendas de tarifas; (iii) aliado ao forte controle dos custos. O BB segue focado no crescimento de suas operações e no incremento de rentabilidade.

  • Seguimos com recomendação de COMPRA e preço justo de R$ 62,00/ação, que embute potencial de alta de 22,6% em relação à cotação de R$ 50,59/ação (valor de mercado de R$ 145,0 bilhões). Nesse preço as BBAS3 registram alta de 10,4% este ano, negociadas com P/L de 8,9x para 2019 e a 1,4x o seu valor patrimonial.
  • Neste 1T19 o BB não conseguiu entregar todas as linhas do guidance, que está sendo mantido para o presente exercício. A carteira de crédito doméstica orgânica cresceu 0,9% abaixo do intervalo previsto (entre 3,0% e 6,0%) refletindo basicamente o comportamento da carteira PJ que registrou queda de 7,1% em base de doze meses, e refletiu a liquidação de uma grande operação de um cliente específico. Já as rendas de tarifas evoluíram 3,8% abaixo do intervalo esperado para o ano de 5,0% a 8,0%, em função do desempenho aquém das tarifas de crédito PJ e de mercado de capitais.
  • Distribuição de proventos em base trimestral. O Conselho Diretor do BB aprovou a distribuição de R$ 1,16 bilhão na forma de JCP complementar, equivalente a R$ 0,41483950050/ação, a ser pago em 31/05/2019, tendo como base a posição acionária de 21/05/2019, sendo as ações negociadas ex-juros a partir de 22/05/2019. O yield líquido complementar é de 0,7%.

CSN (CSNA3)
Desempenho fraco da siderurgia, compensado pela mineração no 1T19

O resultado da CSN no 1T19, mostrou um desempenho fraco no segmento de siderurgia, que foi compensando pelo aumento das vendas e rentabilidade da mineração, na comparação com o 1T18.

  • No 1T19, o lucro líquido consolidado da CSN foi de R$ 82 milhões (R$ 0,06 por ação), 95,1% menor que no trimestre anterior e 94,2% abaixo do 1T18.  Vale lembrar que o lucro do 1T18 foi muito impactado por ganhos não recorrentes;
  • A redução dos volumes e os aumentos de custos na produção de aço levaram a uma expressiva queda na rentabilidade desta área da CSN.  Em relação ao 1T18, a receita caiu 1,9% e o EBITDA mostrou uma fortíssima redução (50,1%);
  • As boas notícias no trimestre vieram do segmento de mineração.  As vendas de minério no 1T19 aumentaram 18,5%.  O incremento nos volumes e nos preços do minério levaram a um forte incremento na receita líquida desta área (80,5%) e também do EBITDA (184,8%), que chegou a R$ 1.259 milhões.

Braskem (BRKM5)
Quedas na receita e rentabilidade operacional no 1T19

O resultado da Braskem no 1T19, comparado ao mesmo trimestre do ano passado, mostrou redução na receita, em função da queda do spread, o que determinou expressiva queda na rentabilidade da operação. O aumento do EBITDA e um lucro líquido próximo ao 1T18, ocorreram devido à contabilização de expressivos ganhos não recorrentes.
• No 1T19, a Braskem obteve um lucro de R$ 1,0 bilhão (R$ 1,29 por ação), revertendo o prejuízo do trimestre passado, mas com um valor 2,5% menor que no 1T18;
• Os números da Braskem no 1T19, sempre comparando ao 1T18, mostraram queda na rentabilidade nas três divisões da empresa (Brasil, Estados Unidos & Europa e México). Isso decorreu da diminuição nos preços médios das resinas (21,5%) e dos spreads (diferença entre o preço das matérias-primas e dos produtos finais), que superou largamente a redução na cotação da nafta, que caiu 13,3%.


Vale (VALE3)
Produção e vendas fracas no 1T19

A empresa divulgou ontem, minutos antes do início do pregão, seus números para produção e vendas no 1T19, que foram muito impactados pelo acidente em Brumadinho, como se esperava.

  • Houve uma queda nas vendas maior que as projeções anuais indicavam.  Isso deve comprometer ainda mais os números do 1T19, que se esperam sejam fracos;
  • O volume produzido de minério no 1T19 foi de 72.870 mil toneladas, com queda de 11,1% em relação ao 1T18.  Em pelotas, a queda foi menor (4,7%).  A queda na produção ocorreu pelo acidente já referido e também com as fortes chuvas no Sistema Norte;
  • As vendas de minério e pelotas tiveram no 1T19 uma queda maior que a produção.  Isso pode ser explicado em parte pelo novo sistema de reconhecimento das vendas nos portos chineses.

ENGIE Brasil Energia S.A. (EGIE3)
Resultado do 1T19

A Engie Brasil Energia reportou um lucro líquido de R$ 565,5 milhões no 1T19, valor 16% acima do alcançado no 1T18, reflexo do crescimento de 25% da receita sensibilizada por incremento no segmento de geração e comercialização de energia, principalmente por operações de trading de energia, e melhora da geração operacional de caixa. As EGIE3 registram alta de 27,9% este ano para R$ 42,15/ação (valor de mercado de R$ 34,4 bilhões). Nesse preço os múltiplos para 2019 são: P/L de 13,7x e VE/EBITDA de 8,3x. O preço justo de mercado aponta para R$ 45,00/ação e uma potencial valorização de 6,8%.

  • A receita operacional líquida somou R$ 2,3 bilhões no 1T19, alta de 25% em comparação ao montante apurado no 1T18, explicado pelo crescimento no segmento de geração e comercialização de energia, principalmente nas operações de trading de energia.
  • O preço médio dos contratos de venda de energia, líquido das exportações, dos tributos sobre a receita e das operações de trading, somou R$ 188,07/MWh no 1T19, com alta de 6,0% ao registrado no 1T18. A quantidade de energia vendida no 1T19, sem considerar as operações de trading, foi de 9.050 GWh (4.190 MW médios), volume 2,6% superior ao comercializado no 1T18.
  • O EBITDA somou R$ 1,2 bilhão no 1T19, incremento de 16% na comparação de doze meses, e reflete o aumento de volume e de preço entre os trimestres comparáveis, com redução de 4,1pp na margem EBITDA, de 56,0% no 1T18 para 51,9% no 1T19.
  • Ao final de março de 2019 a divida líquida da companhia era de R$ 8,3 bilhões (1,8x o EBITDA) acima dos R$ 6,9 bilhões de dezembro de 2018, um aumento de 21% em base trimestral. No 1T19 a companhia investiu R$ 768,9 milhões, na construção, manutenção e revitalização do parque gerador.

Sul América S.A. (SULA11)
Resultado do 1T19 acima do esperado e melhora de ROAE

A companhia registrou no 1T19 um lucro líquido de R$ 223,5 milhões, acima do esperado, com crescimento de 58% em relação a igual trimestre do ano anterior. O retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE) elevou-se de 14,3% no 1T18 para 16,0% no 1T19.

  • Cotadas a R$ 31,58/Unit equivalente a um valor de mercado de R$ 12,4 bilhões, suas Units registram alta de 12,8% este ano. Nesse patamar de preço o P/L para 2019 é de 11,6x. O preço justo de mercado aponta para R$ 35,00/ação, equivalente a um potencial de alta de 10,8%.
  • O Total de Receitas Operacionais cresceu 10,1% totalizando R$ 5,3 bilhões, impulsionado principalmente pelo segmento de saúde e odontológico, dos quais R$ 5,0 bilhões de receitas de Seguros (+10,2%).
  • Expansão de 8,9% da frota segurada de automóveis e crescimento de 10,9% da base de membros de planos coletivos de saúde e odonto;
  • Índice combinado de 97,6%, 1,0 p.p. melhor na comparação com o 1T18 – sendo o melhor índice para um primeiro trimestre em mais de 10 anos – reflexo da constante busca por eficiência operacional da Companhia;
  • Ao final do trimestre a sinistralidade era de 75,2% (com melhora de 1,2pp), reflexo principalmente dos bons desempenhos nos segmentos de automóveis e saúde e odontológico;

SLC Agrícola S.A. (SLCE3)
Lucro do 1T19 melhor que o esperado

A SLC Agrícola registrou no 1T19 um lucro líquido de R$ 111,4 milhões (acima do esperado), com queda de 34% em relação ao lucro de R$ 169,3 milhões do 1T18, basicamente explicado pela dinâmica de apropriação dos Ativos Biológicos (Variação do Valor Justo e Realização do Valor Justo), em parte pela antecipação da maturação das lavouras de soja e do menor preço no momento da marcação. Com o aumento de produtividade nesta cultura, a companhia espera ajustes positivos no próximo trimestre.

  • Ao final do 1T19 o valor líquido dos ativos (NAV) da companhia era de R$ 4,37 bilhões, equivalente a R$ 22,90/ação, e se compara a cotação de R$ 20,12/ação de ontem (8/maio), com alta de 0,8% este ano.
  • A Receita Líquida do 1T19 em relação ao 1T18 cresceu 46% o expressivo aumento de 72,6% do volume faturado de soja, reflexo das melhorias operacionais que vêm sendo realizadas, e que permitem maior celeridade no plantio e na colheita, oportunizando aproveitamento de melhor janela de exportação. Soma-se o aumento de preço em todas as culturas, sendo que os produtos faturados no 1T19 vieram das safras 2017/18 (algodão e milho) e safra 2018/19 (soja).
  • O EBITDA caiu 27% entre os trimestres comparáveis para R$ 206,2 milhões. Já o EBITDA ajustado pelas operações agrícolas e venda de terras, cresceu 50% somando R$ 225,5 milhões, explicado principalmente por aumento no volume faturado de soja entre os períodos.
  • O endividamento líquido da SLC Agrícola cresceu para R$ 1,25 bilhão, basicamente em função de maior necessidade de capital de giro, devido ao aumento de área plantada, especialmente no algodão, que passará a adicionar receitas a partir de setembro de 2019. Ao final do trimestre a alavancagem, era de 1,7x o EBITDA de 12 meses (acima de 1,4x de dez/18) mas em patamar ainda confortável. Os investimentos somaram R$ 96,9 milhões no trimestre.

 


Wiz S.A. (WIZS3)
1T19 acima do esperado e aquisição de 40% da Inter Seguros

A companhia registrou no 1T19 um lucro líquido de R$ 56,6 milhões (acima do esperado pelo mercado), equivalente a um crescimento de 77% em relação a igual trimestre do ano anterior, um resultado que refletiu (i) forte melhora operacional representada pelo incremento de 64% do EBITDA entre os trimestres comparáveis; (ii) por melhor resultado financeiro no período, e (iii) menor alíquota efetiva de IR/CS. Esses fatores foram parcialmente compensados por “impairment e Earn-Out” realizado para o ágio registrado com a aquisição da São Clemente Participações pela Wiz Saúde.

  • Cotadas a R$ 8,00/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 1,3 bilhão, suas ações registram alta de 30,6% este ano. Nesse patamar de preço os múltiplos para 2019 são: P/L de 7,1x e VE/EBITDA de 3,9x. O preço justo de mercado aponta para R$ 10,00/ação, equivalente a um potencial de alta de 25,0%.
  • Esse bom resultado foi construído a partir do crescimento da receita líquida de 16% na comparação de doze meses para R$ 154,4 milhões, reflexo do crescimento do produto Prestamista; aliado ao resultado da Wiz BPO – operação pós venda da companhia. O EBITDA do 1T19 quando comparado ao 1T18 cresceu 64% somando R$ 98,4 milhões, influenciado por maior receita, por controle dos custos e despesas, e o recebimento de R$ 15,0 milhões (brutos) referentes ao “Distrato da Operação Wiz Saúde”.
  • Aquisição de 40% da Inter Seguros. Ontem (8/maio) a Wiz celebrou contrato de compra e venda de quotas, com o Banco Inter S.A., comprometendo-se a adquirir quotas representativas de 40% do capital social da Inter Digital Corretora e Consultoria em Seguros Ltda pelo preço de R$ 114,0 milhões.
  • O Preço de Aquisição será pago em cinco parcelas, sendo uma à vista, no valor de R$ 45,0 milhões na data do fechamento da aquisição e as demais, no valor de R$ 17,25 milhões, ajustáveis de acordo com o EBITDA da Inter Seguros e corrigidas pela variação da Taxa Selic.

Telefônica Brasil (VIVT4)
Lucro líquido de R$ 1.34 bilhão, com crescimento de 22,2% no 1T19

A companhia apresentou mais um bom resultado trimestral com evolução de 22,2% no lucro líquido mesmo com evolução de apenas 1,7% na receita líquida. O ganho veio da redução registrada nos custos operacionais.

A Telefônica Brasil tem um histórico de bons resultados e de distribuição de dividendos, com yield superior a 11,0% nos últimos 12 meses. È líder de mercado e deverá seguir mostrando bons resultados mesmo num mercado cada vez mais competitivo.

Ontem a ação encerrou cotada a R$ 45,75 acumulando alta de 3,9% no ano.


MRV Engenharia (MRVE3)
Lucro líquido do 1T19 cresce 18,2% para R$ 189 milhões

Mais um bom resultado trimestral da MRV com aumento de 35,9%, nos lançamentos para R$ 1,09 bilhão, enquanto as vendas líquidas avançaram em um ritmo menor, de apenas 6%, para R$ 1,31 bilhão.

A ação MRVE3 encerrou ontem cotada a R$ 14,93, próxima de nosso número de R$ 15,00 para a ação.  Seguimos com visão positiva para a ação com recomendação de COMPRA acreditando na retomada, ainda que lenta, do setor imobiliário neste ano. Estaremos revisando nossos números.


Arezzo (ARZZ3)
Lucro líquido do 1T19 cresce 18,2% para R$ 189 milhõeNo 1T19, queda de 14,7% no lucro líquido, somando R$ 23,1 milhões

No 1T19, a Arezzo registrou queda de 14,7% no lucro líquido na comparação com o 1T18, para R$ 23,1 milhões, no resultado que considera a norma contábil IFRS16, em vigor desde 1º de janeiro deste ano. Nos números que não consideram essa norma, a queda foi um pouco menor, de 11,9%, para R$ 23,94 milhões.

A receita líquida dos três primeiros meses deste ano subiu 14,2%, para R$ 377,2 milhões.  A receita da Companhia no mercado externo, que inclui a operação do EUA e a exportação para o resto do mundo, foi 81,2% superior em relação ao 1T18, passando a representar 11,9% da receita total vs 7,5% no mesmo período do ano anterior.

O Ebitda com IFRS16 subiu 33,9%, para R$ 54,6 milhões e sem o IFRS16 o Ebitda do 1T19 foi de R$ 44,9 milhões, alta de 10,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Acreditamos que os números da companhia irão refletir este crescimento nos próximos períodos. Nosso preço justo para a ação de R$ 49,00 já foi superado. Ontem a ação encerrou cotada a R$ 50,90 com queda de 5,8% no ano. Temos recomendação de COMPRA para a ação e estaremos revisando nossos números.


EDP Energias do Brasil (ENBR3)
Lucro líquido ajustado do 1T19 em linha

A EDP registrou um lucro líquido de R$ 295,6 milhões no 1T19, com crescimento de 38% em relação ao lucro do 1T18 (R$ 214,1 milhões), principalmente em função do aumento da margem e da melhora do resultado. O lucro líquido ajustado (excluindo a receita de construção) cresceu 24% para R$ 258,9 milhões, em linha com o esperado.

  • Ao preço de R$ 17,44/ação as ENBR3 registram alta de 24,8% este ano. Nesse preço, equivalente a um valor de mercado de R$ 10,6 bilhões, os múltiplos para 2019 são: P/L de 11,4x e VE/EBITDA de 6,1x. O preço justo de R$ 20,00/ação, corresponde a um potencial de alta de 14,7%.
  • A Receita Líquida no 1T19 permaneceu praticamente estável, com crescimento de 0,8% somando R$ 2,9 bilhões. Os Gastos não gerenciáveis foram de R$ 1,8 bilhão, com queda de 2,4% em doze meses, devido à redução do custo de energia hídrica comprada para revenda, queda do consumo de carvão em Pecém, do menor volume de energia comprada na comercialização. Desta maneira a Margem Bruta cresceu 7,0% para R$ 1,02 bilhão.
  • Gastos Gerenciáveis (PMSO) somaram R$ 261,9 milhões no 1T19 (queda de 2,8%) e o EBITDA cresceu 9,4%, em base de doze meses para R$ 705,6 milhões, pela melhora do resultado da distribuição e transmissão.
  • Ao final do 1T19, a dívida líquida da companhia, considerando a geração operacional e os dispêndios de caixa no período, além do depósito caução referente à dívida da Transmissão, alcançou R$ 4,2 bilhões, redução de 4,1% em relação ao saldo final do ano de 2018 (R$ 4,4 bilhões).

Valid (VLID3)
Queda de 30,5% no lucro líquido do 1T19, somando R$ 13,7 milhões

No 1T19, o resultado líquido foi de R$ 13,7 milhões contra R$ 19,7 milhões no 1T18, uma queda de 30,5%. Excluindo o ajuste para adequação à Norma IFRS 16, o Lucro Líquido de foi de R$ 14,5 milhões, 26,4% abaixo do 1T18.

A ação VLID3 encerrou ontem cotada a R$ 16,68 acumulando queda de 7,3% no ano.


Cia, Hering (HGTX3)
Aprovação de JCP de R$ 20,5 milhões equivalentes ao valor de R$ 0,1268 por ação

O pagamento será realizado aos acionistas em 05 de julho, como base na posição acionária de 16 de maio.

As ações serão negociadas na condição ex-juros a partir de 17 de maio.

Ontem a ação HGTX3 encerrou cotada a R$ 32,40. Com base neste preço o retorno para os acionistas é de 0,39%.


Totvs (TOTS3)
Aumento de 26,9% no lucro líquido do 1T19, somando R$ 45,1 milhões

A companhia mostrou um bom resultado com crescimento nas receitas de software (+4,6%) atingindo R$ 538,7 milhões no 1T19. A receita líquida total foi de R$ 563,6 milhões nos primeiros três meses do ano, um crescimento de 8,6% em um ano.

Ontem a ação TOTS3 encerrou cotada a R$ 39,50 com alta de 45% no ano.


Cielo (CIEL3)
Antecipada data de posição acionária para pagamento de dividendos

A Cielo comunicou que 11 de junho de 2019 é a nova data de posição acionária para o pagamento de dividendos referente aos resultados do primeiro trimestre de 2019, e as ações serão negociadas “ex” dividendos a partir de 12 de junho de 2019, inclusive.

  • Serão distribuídos R$ 217,0 milhões, equivalente a R$ 0,07995902512/ação, com pagamento em 27 de junho de 2019.
  • O retorno estimado com base na cotação de R$ 7,82/ação é de 1,0%. Seguimos com recomendação de compra para CIEL3 e preço justo de R$ 12,00/ação.

Pão de Açúcar (PCAR4)
Lucro líquido consolidado cresce 64,8% no 1T19, atingindo R$ 178 milhões

Ontem circulou uma notícia de que o Grupo Casino poderia fazer alteração nos negócios na America Latina, pesando sobre a ação que encerrou o dia com queda de 7,4%. O Grupo Casino disse que não comenta rumores de mercado. A ação PCAR4 encerrou ontem cotada a R$ 87,78 acumulando alta de 9,3% no ano.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.