Ibovespa encerra com alta de 1,41%, após avanço ​da proposta de reforma da Previdência na CCJ

MERCADO


Bolsa
 O Ibovespa encerrou ontem com alta de 1,41% aos 95.923 pontos, com giro financeiro de R$ 13,1 bilhões. O mercado passou boa parte do dia acompanhando o avanço da proposta de reforma da Previdência na CCJ que, mais tarde, acabou passando pela 1ª votação e agora vai para a comissão especial. Do lado externo, a alta das bolsas de NY também ajudou o índice local. A melhora da percepção de risco se refletiu em boa parte das ações do Ibovespa. Hoje a agenda econômica traz dados do CAGED, com destaque para a destruição 43.196 empregos formais em março ante uma expectativa de criação de 80 mil. Saiu também o IPC-Fipe semanal com alta de 0,36%. No exterior, as bolsas operam em alta na zona do euro, mas os dados econômicos da Alemanha em abril, mostram preocupação acompanhados de protestos na França, também afetando a economia. A expectativa para o Ibovespa segue positiva considerando o resultado da votação de ontem à noite.

Câmbio
A terça-feira foi de queda para o dólar, recuando de R$ 3,9364 na véspera para R$ 3,9216 (-0,38%). A moeda americana chegou a subir mais forte na parte da manhã, mas o noticiário vindo de Brasília acalmou o mercado, com resultado positivo para o governo na votação da reforma da Previdência na CCJ.

Juros
Dia de queda para os juros futuros com o otimismo em relação ao resultado da votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A confirmação positiva ontem à noite, deverá ajudar os mercados hoje. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 fechou em 6,465%, de 6,490% na véspera e para jan/25 a taxa encerrou na mínima de 8,65%, de 8,752%.

 

 

 ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Cielo (CIEL3) 
Lucro líquido do 1T19 soma R$ 548,5 milhões, queda de 44,9% em relação ao 1T18

A Cielo encerrou o 1T19 com receita líquida de R$ 2,77 bilhões praticamente estável (-0,4%) em relação ao mesmo período de 2018 e mostrou aumento expressivo nos gastos operacionais.

O EBITDA também teve uma queda expressiva de 34% passando de R$ 1,24 bilhão no 1T18 para R$ 820,7 milhões no 1T19. Os números do 1T19 são inferiores também em relação ao 4T18.

O resultado líquido caiu de R$ 995,7 milhões no 1T18 para R$ 548,5 milhões no 1T19 (-44,9%) com redução na margem líquida de 37,5% para 21,2%.


Via Varejo (VVAR3)  
Prejuízo líquido de R$ 49 milhões no 1T19 contra lucro de R$ 64 milhões no 1T18

O 1T19 ainda foi de dificuldades para a Via Varejo, com o mês de janeiro bastante prejudicado pelos ajustes do final de 2018, nos estoques, sistemas e no modelo de incentivo de loja).

A empresa comenta no seu release que já houve melhoras no 1T19 com sinais de recuperação operacional. a) retomada de vendas; b) redução de despesas; c) estabilização de sistemas.

As vendas mesmas lojas com percentual da receita bruta passaram de 8,5% no 1T18 para menos 1,9% no 1T1, impactadas pelo desempenho ruim de janeiro.

A ação VVAR3 encerrou ontem cotada a R$ 3,93 acumulando queda de 10,5% neste ano depois de uma desvalorização de 46,6% no ano passado. Ontem a ação subiu 2,3%.


Grupo Carrefour Brasil
Desempenho positivo nas vendas do 1T19, com destaque para o crescimento no faturamento do Banco Carrefour

O Grupo Carrefour Brasil ou Atacadão S.A. divulgou ontem (23) suas informações preliminares relativas ao desempenho de suas vendas no 1T19, as quais se mostraram bastante sólidas a despeito da atividade econômica ainda não apresentar sinais de recuperação mais firme. Destaque para o forte faturamento do Banco Carrefour.

Os avanços na estratégia omnicanal (estratégia de comunicação e vendas entre canais que as organizações usam para melhorar experiência dos consumidores) da companhia a mantiveram na posição de liderança no Brasil. Mesmo com o efeito calendário desfavorável da Páscoa, suas vendas brutas avançaram 9,9% (a/a) para R$ 14,2 bilhões no 1T19, impulsionadas pelo sólido desempenho do formato cash & carry e divisões de varejo, além da maior inflação dos alimentos.

Ontem a ação CRFB3 encerrou cotada a R$ 21,02 acumulando valorização de 16,2% em 2019. O valor de mercado atual da companhia é de R$ 41,7 bilhões e suas ações estão sendo negociadas a 3,20x o valor patrimonial.


WEG (WEGE3)
Lucro cresce no 1T19

A empresa divulgou nessa manhã um resultado do 1T19, mostrando crescimento na receita, reduções de custos e ganhos de margens, na comparação com o mesmo trimestre do ano passado.

  • No 1T19, o lucro líquido atingiu R$ 307 milhões (R$ 0,15 por ação), que foi 8,5% menor que no trimestre anterior, mas 7,7% maior que no 1T18;
  • A Weg conseguiu um incremento expressivo de vendas no 1T19, sempre comparando ao 1T18, beneficiada pela elevação de 18,1% no faturamento advindo do mercado externo, muito beneficiado pela desvalorização do real no período.

Ferbasa (FESA4)
Dividendo complementar

A empresa comunicou ontem, após o pregão, que seu Conselho de Administração deliberou o pagamento de dividendos complementares relativos a exercício de 2018 no valor total de R$ 20 milhões.
• Por ação, este provento será de R$ 0,2205889571 para as ordinárias e de R$ 0,2426478528 para FESA4;
• O pagamento será realizado no dia 20 de maio, com base nas posições acionárias de 2/maio. Com isso, as ações serão negociadas “ex-dividendo” a partir de 3/maio.


Usiminas (USIM5)
Pagamento de dividendos

A Assembleia Geral Ordinária, realizada ontem, aprovou o pagamento de dividendos no valor total de R$ 80,3 milhões.

  • O valor a ser pago por ação será de R$0,062634317 para USIM3 e R$0,068897749 para cada preferencial;
  • O pagamento será realizado no dia 31 de maio, com base nas posições acionárias de ontem (23/abril).  Por consequência, a partir de hoje (24/abril), as ações já serão negociadas “ex-dividendos”.

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.