Estabilidade Financeira – Relatório Setorial

BC: REF do 2º semestre de 2018

Riscos para a estabilidade financeira do SFN permanecem baixos

No Relatório de Estabilidade Financeira (REF) referente ao segundo semestre de 2018 divulgado ontem (11/abril) o Banco Central do Brasil (BCB) apontou “que os riscos para a estabilidade financeira do sistema permanecem baixos. O mercado de capitais segue como importante fonte de financiamento para as empresas, ao mesmo tempo, em que o crédito livre voltou a crescer tanto para Pequenas e Médias Empresas – PME quanto para as grandes empresas. O risco de crédito das PME continua em declínio, porém ainda observa-se elevação no caso das grandes empresas”.

Já a carteira de crédito às famílias, de acordo com o BCB, “apresentou o maior crescimento anual desde 2015, impulsionada pelo crédito ao consumo, mas com aumento em todas as modalidades de crédito, e que não há indícios de elevação do risco incorrido pelas instituições financeiras, pois os ativos problemáticos mantiveram-se estáveis ou em queda na maior parte das modalidades de crédito às famílias”. Nesse contexto, tomando por base as ações dos bancos que fazem parte do nosso horizonte de cobertura, seguimos com recomendação de COMPRA para todos eles, com destaque para os grandes.

As Instituições Financeiras nacionais mantêm provisão compatível com o nível de risco dos ativos. A rentabilidade do sistema financeiro nacional (SFN) continuou sendo favorecida pela redução das despesas de provisão (PDD), pela queda do custo de captação e pelos ganhos de eficiência operacional em 2018. Porém, com a perspectiva de estabilização das despesas de provisão e do custo de captação, a tendência é que a trajetória de aumento da rentabilidade deva perder força, segundo o BCB.

O sistema bancário dispõe de capital robusto, em nível e em qualidade, plenamente aderente às regras de Basileia III e com capacidade para suportar o crescimento da demanda por crédito. Os indicadores de capitalização e de alavancagem continuam significativamente superiores aos requeridos pela regulação. Não há, portanto, risco de liquidez, dado que os indicadores de risco tanto de curto quanto de longo prazo melhoraram ainda mais no segundo semestre de 2018.

Clique para acessar:

DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.

As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.