B3 poderá ter mais um dia influenciada pelo cenário internacional

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou ontem com alta de 0,37% aos 97.605 pontos e giro financeiro de R$ 11,3 bilhões. O dia não teve novidades em relação aos fatos já conhecidos do mercado e por isso o índice refletiu basicamente os ajustes nos preços de papéis de ações blue chips que haviam encerrado a segunda-feira com perdas acentuadas. Hoje a agenda econômica vem mais carregada com dados da zona do euro e trazendo a inflação medida pelo IGP-M de fevereiro com alta de 0,88% no M/M e alta de 7,61% no A/A. Os dados dos EUA, (construção civil e da indústria) completam a agenda. O encontro entre Donald Trump e Kim Jong Un chama a atenção, mas não tem o mesmo peso do primeiro encontro no ano passado. As bolsas internacionais mostram queda na zona do euro nesta manhã e baixa no fechamento da Hang Seng. Os futuros também indicam queda para as bolsas de Nova Iorque. A B3 poderá ter mais um dia influenciada pelo cenário internacional e preços das commodities.

Câmbio
O dólar fechou novamente perto da estabilidade, repetindo o movimento da segunda-feira fechando cotado a R$ R$ 3,7451 no mercado à vista, com alta de 0,04%. Na reta final do mês a formação da Ptax poderá influenciar o mercado de câmbio hoje e amanhã. O dólar para março fechou em queda de 0,21%, a R$ 3,7440.

Juros
O mercado de juros futuros marcou taxa de 6,480% para jan/20, no fechamento, ante 6,46% na véspera e a do DI para janeiro de 2025 avançou de 8,732% para 8,78%.

 

ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

RD Raia Drogasil (RADL3)
Lucro líquido de R$ 509,3 milhões 2018, queda de 0,7% em relação a 2017

As principais contas de resultado da RD mostraram desempenho mais fraco no 4T18 e no acumulado de 12 meses.

Principais destaques:

No 4T18 o resultado da companhia foi de R$ 121,5 milhões, redução de 9,4% comparado ao 4T17 (R$ 134,2 milhões). A margem líquida trimestral caiu de 3,7% para 2,9% e no ano a margem ficou em 3,3% (3,7% em 2017).

A geração de caixa livre ficou negativa no acumulado dos dois últimos anos somando R$ 139,9 milhões em 2018 e um consumo de caixa de R$ 341,8 milhões. O fluxo de caixa negativo reflete principalmente os R$ 703,0 milhões investidos no ano, dos quais R$ 441,3 milhões foram destinados a abertura de novas lojas, R$ 128,9 milhões para a reforma de lojas existentes e R$ 132,8 milhões para investimentos em infraestrutura.

O EBITDA ajustado somou R$ 311,0 milhões no 4T18 e R$ 1,2 bilhão no ano (+5,7%).

Aquisição da Rede Onofre através da Drogasil – Em fato relevante divulgado ontem a Raia Drogasil comunicou ao mercado que firmou com CCI Foreign, S.à r.l. e Beauty Holdings, L.L.C. um contrato de compra e venda de quotas, pelo qual comprometeu-se a adquirir quotas representativas de 100% do capital social da Drogaria Onofre Ltda.

Ontem a ação RADL3 encerrou cotada da R$ 60,94 acumulando alta de 6,6% no ano.


Odontoprev (ODPV3)
Lucro líquido de R$ 284,8 milhões em 2018, crescimento de 16,4% sobre 2017

No 4T18, o lucro líquido da companhia somou R$ 77,4 milhões, contra R$ 64,0 milhões no 4T17, aumento de 21,1%. A margem líquida subiu de 17,0% em 2017 para 17,9% em 2018.

A companhia registrou bom crescimento na receita líquida (+10,8% em 2018) e no EBITDA ajustado (+18,1%).

Os indicadores operacionais também mostraram boa evolução no comparativo anual, contribuindo para mais um bom resultado.

Desde o IPO em 2006, a OdontoPrev apresentou geração de caixa de R$ 2,5]6 bilhões, tendo distribuído R$ 2,07 bilhões aos acionistas, terminando 2018 com caixa líquido de R$ 496,8 milhões, sem endividamento.

 A ação ODPV3 encerrou ontem cotada a R$ 15,79 acumulando alta de 14,8% no ano.


Wiz S.A. (WIZS3)
Lucro Líquido do 4T18 acima do esperado pelo mercado

A companhia registrou no 4T18 um lucro líquido de R$ 49,6 milhões (acima do esperado pelo mercado), equivalente a um crescimento de 54,5% em relação a igual trimestre do ano anterior.

  • Cotadas a R$ 8,04/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 1,3 bilhão, suas ações registram alta de 14,7% este ano. Nesse patamar de preço os múltiplos para 2019 são: P/L de 6,3x e VE/EBITDA de 3,6x. O preço justo de mercado aponta para R$ 10,50/ação, equivalente a um potencial de alta de 30,6%.
  • Esse bom resultado foi construído a partir do crescimento da receita líquida de 14,8% nesta base de comparação para R$ 154,2 milhões, reflexo do crescimento do produto Prestamista; aliado ao resultado da Wiz BPO – operação pós venda da companhia, do resultado do produto Vida e do resultado do produto Residencial. O EBITDA do 4T18 quando comparado ao 4T17 cresceu 37,3% somando R$ 84,6 milhões, influenciado por maior receita e pelo controle dos custos e despesas.
  • No acumulado do ano de 2018 em grandes contas, destacam-se: O lucro líquido de R$ 184,4 milhões, 12,9% superior ao lucro de R$ 163,4 milhões de 2017. O EBITDA cresceu 17,8% para R$ 315,8 milhões com +3,4pp na margem EBITDA para 54,0%. A receita líquida cresceu 10,4% e somou R$ 585,0 milhões na mesma base de comparação.

Sul América S.A. (SULA11)
Lucro Líquido do 4T18 em linha com o esperado com bom crescimento de ROAE

A companhia registrou no 4T18 um lucro líquido de R$ 393,6 milhões, em linha com o esperado, e queda de 4,6% em relação a igual trimestre do ano anterior, mas com crescimento de 67,8% ante o 3T18. A queda em relação ao 4T17 pode ser explicada por aumento de 1,2pp na sinistralidade, aliado a redução das margens operacionais e menor resultado financeiro. Nesta base de comparação o ROAE melhorou, passando de 14,5% no 4T17 para 15,2% no 4T18.

  • Cotadas a R$ 32,68/Unit equivalente a um valor de mercado de R$ 12,9 bilhões, suas Units registram alta de 15,9% este ano. Nesse patamar de preço o P/L para 2019 é de 12,6x. O preço justo de mercado aponta para R$ 35,00/ação, equivalente a um potencial de alta de 7,1%.
  • No acumulado do ano de 2018 em grandes contas, destacam-se: O lucro líquido de R$ 905,0 milhões, com crescimento de 17,0% em relação ao lucro de R$ 773,3 milhões de 2017. A companhia intensificou seus investimentos em tecnologia, inovação e digitalização focados, na busca por eficiência operacional e melhoria da experiência dos clientes.
  • A empresa acredita “que pode se beneficiar de um cenário mais favorável com as perspectivas de melhora da economia brasileira, em particular com a esperada recuperação dos níveis de emprego e renda. Nesse contexto, confia no seu modelo de negócios e segue investindo em inovação e na busca da melhor experiência para os segurados”.

AES Tiete (TIET11)
Resultado do 4T18 acima do esperado

A companhia registrou no 4T18 um lucro líquido consolidado de R$ 104,9 milhões, resultado 141,9% superior aos R$ 43,4 milhões do 4T17, reflexo do (i) incremento de R$ 60,7 milhões na margem hídrica, explicada principalmente pela queda de compra de energia, devido ao maior rebaixamento apurado no 4T17 e aos ganhos com as estratégias de sazonalização e comercialização de energia; (ii) manutenção do patamar de despesas operacionais da companhia (R$ 82,9 milhões no 4T18 versus R$ 82,5 milhões no 4T17); e (iii) melhora do resultado financeiro em R$ 28,4 milhões, efeito explicado principalmente pela variação positiva de R$ 26,6 milhões relacionados à atualização monetária referente ao GSF.

  • Ontem (26/fev) suas units estavam cotadas a R$ 11,15 (valor de mercado de R$ 4,4 bilhões), com alta de 11,3% este ano. Nesse preço os múltiplos para 2019 são: P/L de 10,1x e VE/EBITDA de 5,6x. O preço justo de R$ 13,00/unit traz um potencial de alta de 16,6%.
  • Com isso o lucro líquido consolidado de 2018 somou R$ 288,0 milhões, com queda de 3,5% em relação aos R$ 298,3 milhões de 2017.
  • Com base no resultado de 2018 a companhia submeterá à aprovação dos acionistas em AGO prevista para ocorrer em 25 de abril de 2019, a proposta de distribuição de dividendos complementares, no montante de R$ 78,6 milhões, equivalente a R$ 0,19980852125 por unit. O retorno complementar é de 1,8%. Todas as distribuições da companhia somadas resultaram em um payout de 117% em 2018

IRB Brasil Resseguros S.A. (IRBR3)
Preço do follow on fica em R$ 91,00/ação

A oferta pública com esforços restritos de distribuição secundária de 27.656.408 ações ordinárias (8,86% do capital) de titularidade do Fundo de Investimento Caixa FGEDUC Multimercado (acionista vendedor) foi concluída, após o Procedimento de Bookbuilding, com o estabelecimento do preço de R$ 91,00/ação, resultando em um montante total de R$ 2,52 bilhões.

  • A efetiva liquidação da Oferta Restrita ocorrerá em 1º de março de 2019, que será o 3º (terceiro) dia útil após a data de divulgação deste Fato Relevante. A Oferta Restrita foi realizada no Brasil, em mercado de balcão não organizado, e simultaneamente, foram também realizados esforços de colocação das ações no exterior.
  • Lembrando que em função do “follow on” o Conselho de Administração do IRB determinou, em reunião extraordinária, descontinuar a divulgação de projeções financeiras (guidance).
  • Ontem (26/fev) as ações fecharam cotadas a R$ 93,75/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 29,2 bilhões e P/L para 2019 de 19,6x.

.


Enel/Eletropaulo (ELPL3)
Prejuízo no 4T18 e em 2018

A Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo – ENEL Distribuição São Paulo divulgou seus resultados referentes ao 4T18 e do ano de 2018. No 4T18 a companhia registrou um prejuízo de R$ 157,0 milhões que se compara ao também prejuízo de R$ 975,5 milhões do 4T17. Nesta base de comparação o volume de energia vendida caiu 1,3% para 10.628 GWh. A receita líquida caiu 2,1% para R$ 3,45 bilhões e o EBITDA registrou queda de 38,7% para R$ 218,4 milhões, com proporcional queda de margem EBITDA de 10,1% no 4T17 para 6,3% no 4T18. O cape cresceu 32,2% totalizando R$ 397,2 milhões.

  • A empresa destaca alguns avanços em 2018, tanto operacional quanto financeiro. Ressalte-se a agenda de integração e sinergia com o novo controlador, que resultou na alteração da marca finalizada em dezembro. As notas de crédito da companhia foram elevadas, fruto também dos esforços de revisão da estrutura de endividamento (liability management), concluída com a 23ª Emissão de debêntures, no valor de R$ 3,0 bilhões, permitindo a melhoria do perfil da dívida, alongando o prazo médio e adequando o seu custo.
  • Para 2019 a companhia permanece confiante no cumprimento de sua agenda estratégica, por meio da contínua evolução operacional e alocação eficiente de capital. Em julho de 2019 ocorrerá a homologação da 5º Revisão Tarifária Periódica, período em que o regulador avaliará a governança dos investimentos realizados no atual ciclo e redefinirá as tarifas de energia elétrica em níveis compatíveis com o equilíbrio econômico financeiro para os anos de 2019-2023.

Petrobras Distribuidora (BRDT3)
Um salto no lucro de 2018

A Petrobras (BR) Distribuidora divulgou ontem seus resultados do 4T18, poucos minutos antes da abertura do pregão, mostrando redução das vendas e queda nas margens operacionais, comparado ao mesmo trimestre do ano anterior. Porém, o recebimento de parcelas da dívida das controladas da Eletrobras, permitiu um forte aumento no lucro líquido.
• O lucro líquido da BR Distribuidora no 4T18 foi de R$ 1.605 milhões (R$ 1,38 por ação), 48,9% maior que trimestre anterior e extraordinários 202,3% acima do 4T17;
• O salto no lucro líquido anual (177,4%), ocorreu por fatores não recorrentes, com o recebimento de parcelas da dívida da Eletrobras (R$ 1,6 bilhão) e um acordo sobre cobrança de ICMS no Estado do Mato Grosso (R$ 645 milhões);
• A BR Distribuidora vai distribuir aos acionistas 95% do lucro de 2018. Este valor deve alcançar R$ 3,0 bilhões (R$ 2,60/ação).


Iguatemi Shopping (IGTA3)
Resultado líquido de 2018 cresce 17,6% somando R$ 260,3 milhões. 

A empresa registrou crescimento de 6,0% na receita líquida do 4T18, somando R$ 200,5 milhões e no acumulado do ano a receita foi de R$ 72,5 milhões (+4,2%).

Houve crescimento também no EBITDA dos dois períodos comparativos, acumulando 558,4 milhões me 2018 (3,35).

Dividendos – O conselho de administração da Iguatemi aprovou o pagamento de dividendos referentes aos três primeiros trimestres de 2018 no valor de R$ 37,5 milhões, ou R$ 0,2127 por ação ON.

  • O pagamento será realizado de acordo com a posição acionária do dia 1º de março, e a partir do dia 06, os papéis passam a ser negociados ex-dividendos.
  • O crédito será feito aos acionistas no dia 29 de março.

Com base na cotação de ontem (26), R$ 43,48 a ação teve Alta de 4,5% em 2019.


Se preferir, baixe em PDF:

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.