Balanço de Pagamentos

Dentro das expectativas do Banco Central

O déficit em conta corrente é um dos mais importantes indicadores de solvência externa, considerando-se uma medida ideal déficits abaixo de 3,5% do PIB, formado basicamente pelo comércio exterior (exportações menos importações), pelos serviços (turismo internacional, fretes e aluguel de equipamentos, entre outros) e remessas de rendas (lucros, dividendos e juros). Quando o país gasta mais do que recebe nas transações com outros países, é obrigado a atrair capitais sob forma de empréstimos e investimentos para cobrir a diferença, ou se desfazer de ativos no exterior.

Contas Públicas
Déficit primário pode ser melhor do que se imagina

– Balanço de Pagamentos
IDP garante com folga crescimento déficit Transações Correntes e queda saldo Balança Comercial

– Transações Correntes
Déficit em crescimento, dobrando em 2019

O Banco Central (BC) projeta para 2019 um déficit de US$ 35,6 bilhões na conta corrente, ou 1,8% do PIB. Já para fevereiro espera um déficit de US$ 2,2 bilhões, em relação aos US$ 2,0 bilhões de fevereiro de 2018, em linha com o que aconteceu em janeiro, pouco acima das expectativas.

Apesar do resultado negativo acima do esperado pelo Banco Central (BC), o déficit em transações correntes de US$ 6,548 bilhões em janeiro, 4,1% superior a janeiro de 2018, quando a estimativa era de US$ 5,8 bilhões, sofreu impacto do menor superávit comercial, de US$ 1,6 bilhão, quando comparado aos US$ 2,4 bilhões de janeiro de 2018, mas por influência também do Programa Repetro, que incentiva o setor petrolífero, que não aconteceu em janeiro de 2018.

Ou seja, o resultado poderia ter sido mais favorável. Em 12 meses encerrados em janeiro, o déficit em transações correntes acumula US$ 14,8 bilhões, ou 0,78% do PIB, praticamente estável em relação a dezembro de 2018, ou 0,77% do PIB.

 

Leia o texto na íntegra com gráficos no:

 

DISCLAIMER

Este relatório foi preparado pelo Departamento Econômico da Planner Corretora de Valores por profissional qualificado, e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas às mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas de fontes públicas, julgadas confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, são dadas sobre sua exatidão. O Departamento Econômico da Planner Corretora de Valores não se responsabiliza por quaisquer atos ou decisões tomadas com base neste relatório. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento do Departamento Econômico da Planner Corretora de Valores.
Economista – Ricardo Tadeu Martins, Corecon-SP 21.394-2, OEB 9.640.
Fontes deste relatório: FIESP, CONAB, Valor Econômico, Valor Data, Estadão, Folha, O Globo, IBGE, FGV, BCB, Pesquisa Focus, Economática, Atique & Mello Advogados, BMA Review, além das citadas no texto.