Ibovespa encerra a sexta-feira em queda, mas na semana a alta foi de 2,29%

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou a sexta-feira com queda de 0,50% aos 97.526 pontos e giro financeiro de R$ 11,9 bilhões. Na semana a alta foi de 2,29%, e com isso zerou a perda no mês. Esta semana abre o vencimento de opções sobre ações. A agenda econômica tem como destaque o encaminhamento do texto da proposta para a previdência e a reunião do Federal Reserve para decisão dos juros nos EUA em uma semana mais carregada, prometendo volatilidade nos mercados. Hoje saiu o IPC-Fipe semanal com alta de 0,58% (expectativa: 0,61%), além de outros indicadores domésticos a serem divulgados. Do lado externo, o noticiário é também fraco nesta segunda-feira e as bolsas mostram movimento misto na zona do euro e fechamento positivo na Ásia.

Câmbio
Com o ambiente doméstico mais tranquilo, a moeda americana cedeu pelo segundo dia consecutivo, fechando a sexta-feira com desvalorização de 0,39% aos R$ 3,7052 e na semana a baixa foi de 0,61%. Na sexta-feira o Credit Default Swap (CDS) de 5 anos do Brasil, derivativo que protege contra calotes e é um termômetro do risco-país, seguiu em queda nesta sexta-feira, em 163 pontos.

Juros
Os juros futuros seguem refletindo a expectativa positiva em relação aos próximos passos da reforma da Previdência. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 caiu de 6,415% para 6,375%, e a do DI para jan/25 recuou de 8,662% para 8,55%.

 

ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Alpargatas (ALPA4)
 Lucro líquido dobra no 4T18 (R$ 92,4 milhões), mas cai 7,6% no ano para R$ 324 milhões

Embora a companhia tenha apresentado redução no resultado acumulado no ano, a reestruturação das operações realizadas no ano passado deverá trazer efeitos positivos para este ano.

A ação ALPA4 encerrou a sexta-feira cotada a R$ 19,30 acumulando valorização de 13,$ no ano, com valor de mercado de R$ 9,4 bilhões.

Usiminas (USIM5)
 Perspectivas otimistas para 2019

Na tarde da última sexta-feira, a Usiminas promoveu uma teleconferência para discutir os resultados do último trimestre.  Na reunião, a diretoria expressou uma visão positiva para o desempenho das vendas, dos preços e custos.

  • Consumo de aço no Brasil deve crescer 6% em 2019, número deve ser seguido pelas vendas da Usiminas;
  • Preço médio para a 1T19 deve subir entre 4% e 5%;
  • O 1S19 deve mostrar crescimento mais lento nas vendas, que será acelerado no segundo semestre.

IRB Brasil RE S.A. (IRBR3)
Oferta secundária de ações com fixação do preço em 26/fev/19

O IRB Brasil Resseguros comunicou na sexta-feira (15/fev) o início de uma oferta pública com esforços restritos de distribuição secundária de 27.656.408 ações ordinárias (8,86% do capital), de emissão da companhia, de titularidade do Fundo de Investimento Caixa FGEDUC Multimercado (FI-FGEDUC). Na sexta-feira (15/fev) as ações fecharam cotadas a R$ 91,15/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 28,4 bilhões e P/L para 2019 de 19,1x. Nesse preço a presente oferta equivale a R$ 2,52 bilhões, valor esse apenas de referência.

  • Por se tratar de uma oferta pública com esforços restritos exclusivamente de distribuição secundária, sem aumento de capital da companhia: (a) não haverá a concessão de prioridade, aos atuais acionistas para aquisição das ações; e (b) não haverá diluição dos atuais acionistas da companhia.
  • O preço por Ação será fixado após a conclusão do procedimento de coleta de intenções de investimento (Bookbuilding). A Oferta Restrita é destinada exclusivamente a (i) Investidores Profissionais (máximo de 75) e (ii) Investidores Estrangeiros (máximo de 50), sendo a fixação do Preço por Ação prevista para 26 de fevereiro de 2019.

Cosan S.A. (CSAN3)
Não existe tratativa ou negociação com a Previ a respeito da Vale S.A.

Em Comunicado ao Mercado realizado a Cosan S.A. manifestou-se a respeito da notícia veiculada pelo jornal O Globo, em 17/02/2019, sob o título “Cosan negocia compra da participação da Previ na Vale”. A companhia esclareceu que, apesar de constantemente analisar oportunidades de novos investimentos, e manter contato com diversos participantes do mercado, não há qualquer tipo de tratativa ou negociação em curso com a Previ ou seus fundos a respeito da Vale S.A.

  • A matéria fala de tratativas realizadas no ano passado (entre agosto e setembro), e que foram encerradas considerando “um alto desembolso por um pequeno poder de influência” na mineradora.
  • Ao preço de R$ 42,90/ação, correspondente a um valor de mercado de R$ 17,5 bilhões suas ações registram alta de 28,2% este ano. Os múltiplos para 2019 são: P/L de 12,3x e VE/EBITDA de 4,5x.

Telefônica (VIVT4)
Aprovação de JCP de R$ 700 milhões equivalentes a R$ 0,3887 por ação ON e R$ 0,4276 por PN. Ações “ex” em 01/03

O conselho de administração da Telefônica Brasil aprovou o pagamento de juros sobre capital próprio no valor bruto de R$ 700 milhões relativo ao ano de 2019.

  • O valor bruto por ação ON é de 0,38875331153 e para o PN, de R$ 0,42762864269;
  • Acionistas com direito até 28/02. Ações “ex” no dia 01 de março;
  • Data de pagamento não informada ainda.

Na sexta-feira a ação VIVT4 encerrou cotada a R$ 48,15. Com base nesta cotação o retorno para os acionistas é de 0,89%. Vale lembrar que a empresa já realizou outros pagamentos de forma antecipada neste ano.


Boletim Focus
Estimativas de crescimento econômico são revisadas para baixo

Dentre as alterações contidas no Boletim Focus no último Boletim Focus desta segunda-feira, destaque para o arrefecimento das estimativas para o PIB de 2019. Já a mediana das estimativas para a inflação medida pelo IPCA permaneceram estáveis, mas com as atualizações dos últimos 5 dias apresentando aceleração em relação a última apuração. Para a Taxa de Câmbio e Taxa Selic, a mediana das estimativas não mostrou variação.

A mediana do agregado para a produção industrial registrou arrefecimento, sugerindo crescimento de 3,00% em 2019 ante 3,04% na semana anterior. Para os demais indicadores de relevância, não houve alteração em relação às estimativas anteriores.

Com isso, para 2019, as expectativas para o IPCA ficaram em 3,87%, o PIB em 2,48%, Taxa de Câmbio R$/US$ 3,70 e a Meta da Taxa Selic em 6,50% a.a.

Destaques do Boletim Focus publicado na segunda-feira, para 2019:

  • IPCA: 3,87%;
  • IPCA (atualização dos últimos 5 dias): 3,89%;
  • PIB: 2,48%
  • Taxa de Câmbio: R$/US$ 3,70;
  • Meta Taxa Selic: 6,50% a.a.

Se preferir, baixe em PDF:

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.