Carteira Mensal de Ações – Janeiro

Carteira Planner valoriza 13,9% em 2018, contra 15,0% do Ibovespa

O mês de dezembro foi caracterizado pela cautela dos investidores em relação à mudança de governo a partir desta semana, com os estrangeiros ainda retirando recursos da B3 pelo terceiro mês consecutivo e também pela instabilidade política no exterior, principalmente nos EUA. Desta vez o noticiário negativo teve os Estados Unidos no centro das discussões, na continuada guerra comercial com a China, na difícil negociação do orçamento do governo para 2019 com o congresso americano e pelas críticas do presidente Donald Trump à política de juros do Federal Reserve. Encerramos 2018 sem nenhum destes assuntos resolvidos. Além disso, os dados recentes da economia chinesa mostram sinais de desaceleração no país.

Do lado doméstico, a proximidade da posse do governo Bolsonaro, levou investidores estrangeiros a manterem cautela em relação aos primeiros movimentos do novo governo. Dezembro foi o terceiro mês consecutivo de saída líquida de recursos da B3, o que não se via há muito tempo. A B3 foi também influenciada pela instabildade nos preços das principais commodities, principalmente o petróleo, que com o desacordo entre os principais players mundiais para controle de estoques e preços, acabou provocando volatilidade nas cotações, sem uma sinalização do que pode acontecer em janeiro com este mercado.

Iniciamos 2019 com grandes desafios. No Brasil os holofotes estarão virados para Brasília neste começo de ano, aguardando o pacote de propostas e medidas que o governo Bolsonaro buscará implementar. A avaliação destas propostas e as respostas da sociedade e das duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal) é o que deverá ditar o rumo do mercado neste começo de ano. Devemos continuar também carregando o peso das discussões do lado externo e do apetite ou não de investidores estrangeiros pelo nosso mercado.

Em 2018 a Carteira Planner registrou alta de 13,9% ante uma valorização de 15,0% do Ibovespa. Para este começo de ano, seguimos com uma postura ainda conservadora na nossa Carteira, acreditando que, a despeito de um sentimento forte de que as mudanças deverão ser positivas para o país, o mês de janeiro ainda terá os parlamentares em período de recesso, e portanto ainda não haverá votação. Acreditamos que será um mês de especulação em relação à efetividade das propostas do governo, principalmente do lado dos críticos de plantão e da oposição e com atenção aos problemas do lado externo.

Nossa projeção para o Ibovespa em 2019 é de 106.000 pontos, com valorização potencial de 20,61%.

Análise Completa PDF