Ibovespa encerra o dia em alta

As principais notícias do mercado estão aqui, para você começar o dia bem informado.

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,38%, para 85.460 pontos com giro financeiro de R$ 9,9 bilhões. Hoje, último pregão de 2018, já não há muita coisa para acontecer. A agenda econômica traz a inflação medida pelo IGP-M de dezembro com queda de 1,08% no M/M e de alta de 7,54% no A/A, e, também a taxa de desemprego nacional em 11,60%. Nos EUA, apenas dados de vendas de casas, sem relevância. As bolsas internacionais operam em alta na zona do euro e na Ásia o fechamento foi positivo. Nos Estados Unidos, segue o impasse entre o presidente Trump, Congresso e Câmara de Deputados, com os parlamentares alertando que não votarão o assunto nesta semana. Do lado doméstico, atenção para o comportamento das commodities e a expectativa em relação aos primeiros passos do governo Bolsonaro.

Câmbio
Em dia de definição da Ptax o dólar chegou a subir na parte da manhã, mas o a atuação do BC com a injeção de US$ 1 bilhão no mercado fez a moeda recuar 0,84% no fechamento do mercado à vista, encerrando cotada a R$ 3,8895.

Juros
Os juros no mercado futuro encerraram o dia em queda com o mercado mantendo expectativa positiva em relação ao novo governo que assume na semana que vem. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 fechou a sessão estendida em 6,58%, de 6,601% na véspera e para jan/25 o DI reduziu de 9,212% para 9,14%.

ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS


Petrobras (PETR4)
Queda na produção em novembro

A produção de petróleo no Brasil realizada pela Petrobras alcançou 2,012,2 mil barris por dia (mbpd) em novembro, ficando 1,4% menor do mês anterior e 5,6% abaixo de novembro/17.  A produção total, incluindo gás natural e o volume extraído no exterior, somou 2.617,1 mbpd, uma queda de 1,7% em relação a outubro e 3,9% inferior ao mesmo mês do ano passado.

  • Esta foi uma notícia negativa, dado que se esperava um crescimento da produção em novembro, assim como foi em outubro, para que a meta anual fosse atingida;
  • A redução na produção em novembro ocorreu, principalmente, pelas paradas para manutenção do FPSO Cidade de Ilhabela e das plataformas P-18 e P-37.

Pão de Açúcar (PCAR4)
Participação na Via Varejo cai de 42,23% para 39,36%

Após a venda de 50 milhões ações de ações ON da Via Varejo por meio de um contrato de Total Return Swap com uma instituição financeira, em operação anunciada dias atrás, a participação do Grupo Pão de Açúcar (GPA) no capital da Via Varejo passou de 43,23% para 39,36%. Segundo o GPA, a operação movimentou um montante de R$ 217,5 milhões.

Ontem a ação PCAR4 encerrou cotada a R$ 78,53 e a VVAR3 a R$ 4,32.

No ano, a ação PCAR4 acumula alta de 1,3% no ano e a VVAR3 queda 45,4%.

A meta do Grupo Pão de Açúcar é realizar a venda do total de ações da VVAR3 até o final de 2019.


Eletrobras (ELET3, ELET6)
Correção de meta para linhas de transmissão no PDNG 2019-2023

A companhia divulgou ontem (27/dez) novamente o seu Plano Diretor de Negócios e Gestão (PDNG) 2019-2023, com uma correção na meta de expansão das suas linhas de transmissão, que se reduz de 2.158 km para 1.266 km.

  • Demais indicadores permanecem, inclusive os investimentos de R$ 30,175 bilhões para os próximos cinco anos, dos quais, R$ 5,675 bilhões em 2019.
  • O BNDES manteve o Leilão da CEAL para hoje (28/dez) na B3, às 17 horas. A Eletrobras espera, no mínimo, uma proposta. Dentre as candidatas, destaque para a Energisa e a Equatorial.
  • As ELET3 cotadas a R$ 23,93/ação registram alta de 23,7% este ano. As ELET6 ao preço de R$ 27,72/ação estão com valorização de 22,1% em 2018. Este desempenho é acima da valorização de 11,9% do Ibovespa e de 21,9% do IEE.

BTG Pactual (BPAC11)
Ex JCP em 8/jan/19 e retorno de 2,5%

O Banco BTG Pactual aprovou a distribuição de juros sobre capital próprio (JCP) no valor bruto de R$ R$ 0,692661978 por Unit.

  • Terão direito os acionistas na base da empresa em 7 de janeiro, com as ações sendo negociadas “ex” direitos a partir do dia 8 de janeiro de 2019.
  • Com base na cotação de R$ 23,46/unit o retorno líquido é de 2,5%.

BC
Operações de Crédito do SFN em novembro totaliza R$ 3,2 trilhões com alta de 1,4% no mês e 4,4% em doze meses.

De acordo com o Banco Central, o saldo das operações de crédito do sistema financeiro nacional (SFN) totalizou R$ 3,2 trilhões em novembro, com crescimento de 1,1% no mês e 4,4% nos últimos doze meses. Nas operações com pessoas físicas o saldo aumentou 1,4%, somando R$ 1,8 trilhão, enquanto o crédito a pessoas jurídicas cresceu 0,8% para R$ 1,4 trilhão.

  • No crédito a pessoas físicas, com saldo de R$ 936 bilhões, as operações com recursos livres cresceram 2,1% no mês e 10,4% em doze meses, com destaque para cartão à vista, financiamentos de veículos e crédito pessoal. O crédito direcionado às famílias cresceu 0,6% no mês e 5,3% em doze meses para R$ 835 bilhões, impulsionado pelos financiamentos rurais e imobiliários.
  • Entre as operações para pessoas jurídicas, a carteira livre cresceu 1,7% no mês (+10,3% em doze meses) para R$ 779 bilhões, com destaque para desconto de duplicatas e recebíveis, capital de giro, veículos e compror. Nas operações com recursos direcionados, saldo de R$ 652 bilhões, recuou 0,3% no mês e 9,6% em doze meses.
  • As concessões de crédito permanecem em tendência de alta e alcançaram R$ 330 bilhões em novembro, com aumento de 1,7% no mês (+3,8% em pessoas físicas e -1,1% em jurídicas). No acumulado do ano, as concessões totais aumentaram 11,8% com evolução expressiva de 13,8% na carteira de pessoas jurídicas e de 10,3% na de pessoas físicas.

Se preferir, baixe o Boletim Diário em pdf:

Baixar PDF

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.