Boletim Diário – 6 de Novembro 2018

MERCADO

Bolsa
O bom humor dos investidores permanece neste começo de novembro e ontem o Ibovespa marcou a quarta alta consecutiva (1,33%) fechando aos 89.398 pontos. O volume financeiro ficou em R$ 14,6 bilhões, abaixo de pregões anteriores. Parte desta alta pode ser considerada um ajuste pelo feriado da sexta-feira, mas o otimismo em relação ao novo governo segue ditando o ritmo do mercado. Hoje a agenda econômica traz indicadores sem relevância para nosso mercado, ficando o destaque para a movimentação do novo governo para acelerar a fase de transição, o que é positivo. No mercado internacional, o destaque fica para a eleição de meio mandato nos EUA, cujos resultados devem começar a ser divulgados no fim da noite desta terça-feira. Estarão na disputa todos os assentos da Câmara dos Representantes, um terço das cadeiras do Senado e 36 governadores. As bolsas europeias operam em queda, ante fechamento positivo na Ásia. O nosso mercado pode ainda seguir com viés de alta e com atenção ao resultado de Petrobras e outras ações integrantes do índice.

Câmbio
Com liquidez reduzida no dia, o câmbio fechou em alta de 0,74%, cotado a R$ 3,7254 no mercado à vista. O dólar para dezembro terminou o dia em R$ 3,7335, com alta de 0,77%.

Juros
Na volta do feriado o mercado de juros futuros também teve liquidez reduzida, com a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 fechando em 7,13%, de 7,183% no ajuste de quinta-feira. A taxa do DI para jan/25 ficou em 9,73%, de 9,732%.



ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Magazine Luiza (MGLU3)

Crescimento de 29,3% no lucro líquido do 3T18 somando R$ 119,6 milhões

A companhia registrou mais um bom resultado trimestral, acumulando lucro líquido de R$ 407,8 milhões nos 9M18, aumento de 82,5% sobre os 9M17.  Os números da Companhia tanto no operacional quanto no financeiro mostram evolução consistente nos últimos períodos e com perspectivas positivas;
A empresa mostrou crescimento em todos os canais de negócios e segue otimista em relação aos próximos períodos. Houve ganho de participação de mercado e destaque no e-commerce e marketplace.
A ação MGLU3 encerrou ontem cotada a R$ 172,96 acumulando valorização de 116,2% no ano. Esta cotação já superou nosso preço justo para a ação e também a média do mercado. Estaremos revisando nossos números com base no desempenho de 9 meses.


Vulcabrás Azaleia (VULC3) 

No 3T18, lucro líquido de R$ 39,5 milhões, com queda de 40,1% sobre o 3T17

• No 3T18, o resultado líquido foi de R$ 39,5 milhões, com queda de 40,1% sobre o lucro aferido no 3T17, de R$ 65,9 milhões. A margem líquida foi de 19,2% no 3T17, para 12,3% no 3T18. A despesa para a aquisição da Under Armour Brasil afetou também diretamente o resultado final. No acumulado de 9 meses o lucro líquido foi de R$ 105,6 milhões, contra R$ 143,5 milhões nos 9M17.
• Destaque negativo para a queda nos volumes comercializados nos dois períodos comparativos.
• Do lado positivo amortização de dívida, encerrando set/18 com caixa líquido de R$ 24,6 milhões e dando sequência a investimentos importantes para seu crescimento nos próximos períodos.
A ação VULC3 encerrou ontem cotada a R$ 6,69 acumulando queda de 26,5% no ano.


Marcopolo (POMO4)

Um ótimo resultado no 3T18

A Marcopolo divulgou seu resultado do 3T18 na noite de ontem, novamente apresentando um forte crescimento de vendas, na receita e no lucro líquido.
• O lucro líquido da Marcopolo no 3T18 foi de R$ 65 milhões (R$ 0,07 por ação), valor 313,2% maior que no mesmo trimestre do ano passado e 179,7% superior ao 2T18;
• O lucro líquido da Marcopolo no 3T18 foi de R$ 65 milhões (R$ 0,07 por ação), valor 313,2% maior que no mesmo trimestre do ano passado e 179,7% superior ao 2T18;
• As vendas totalizaram 4.529 unidades no 3T18, volume que foi 66,9% acima daquele verificado no mesmo período de 2017. Este forte aumento reflete a recuperação do setor no Brasil, onde o volume vendido aumentou 115,1%.


Petrobras Distribuidora (BRDT3)

Aumento do lucro no 3T18

O resultado da Petrobras Distribuidora no 3T18, comparado ao mesmo trimestre do ano passado, apresentou queda nas vendas e margens, mas um forte aumento no lucro líquido.

  • Este crescimento do lucro se deveu basicamente a fatores não recorrentes (reversão de provisões e recebimentos da Eletrobrás);
  • O lucro líquido no trimestre foi de R$ 1,1 bilhão (R$ 0,93 por ação), que foi 173,6% maior que no 3T17;
  • Um fator fundamental para o resultado do trimestre foi a reversão de provisão (R$ 1,3 bilhão) referente ao Acordo Extrajudicial realizado com o Estado do Mato Grosso para quitação de passivo fiscal.

Petrobras (PETR4)

Bons resultados operacionais no 3T18

A Petrobras divulgou nesta manhã seu resultado do 3T18, que mostrou forte aumento da receita e das margens operacionais, mas o incremento dos custos financeiros e de despesas não recorrentes comprometeram o lucro.
• No 3T18, a Petrobras lucrou R$ 6,6 bilhões (R$ 0,51 por ação), 34,0% menor que no trimestre anterior, mas 25 vezes maior que o número apresentado no 3T17;
• No 3T18, as vendas de derivados no Brasil ficaram praticamente estáveis no Brasil (+0,2%), comparadas ao 3T17, com o volume vendido de diesel crescendo forte (17,2%), compensando a reduções em gasolina (15,4%), nafta (23,3%) e óleo combustível (20,6%);
• O aumento do preço de venda foi determinante para a elevação da receita e das margens. Houve um crescimento de 54,8% no preço básico dos derivados no mercado interno, em relação ao 3T17 e de 13,0% durante o 3T18.


Banco ABC Brasil (ABCB4)

Lucro Líquido de R$ 116,1 milhões no 3T18 em linha com o esperado

O Banco ABC Brasil registrou um lucro líquido recorrente de R$ 116,1 milhões no 3T18, com crescimento de 4,0% em relação ao 2T18 e de 11,5% superior ao 3T17. Um resultado trimestral, em linha com os R$ 115,0 milhões que estimávamos impactado positivamente pelas (i) receitas de serviços e (ii) queda nas despesas tributárias e do resultado não operacional; compensadas parcialmente (iii) pela redução da Margem Financeira com o Mercado. No acumulado de 9M18 o lucro líquido recorrente cresceu 4,3% para R$ 336,3 milhões.
• Este ano suas ações registram alta de 3,6% para R$ 16,38/ação. Nesse preço o banco está sendo negociado a 0,96x o seu valor patrimonial e com P/L de 7,5x para 2018. Temos recomendação de COMPRA e preço justo de R$ 22,00/ação, equivalente a um otencial de alta de 34,3%.
• O Retorno Anualizado Sobre o Patrimônio Líquido (ROAE) do 3T18 foi de 13,3% com crescimento de 0,3 p.p em relação ao trimestre anterior e estável em relação ao 3T17.
• A Margem Financeira Gerencial após PDD foi de R$ 206,1 milhões no 3T18, com queda de 8,0% em base trimestral e leve crescimento de 0,4% frente igual trimestre do ano passado. No acumulado do ano a Margem Financeira cresceu 1,4% para R$ 641,2 milhões.
• A NIM (margem financeira) caiu de 4,0% no 3T18 para 3,6% no 3T18. No 9M18 foi de 3,8% abaixo de 4,2% do 9M17.
• A inadimplência elevou-se de 2,6% no 3T18 para 2,9% no 3T18 respondendo a piora no NPL do segmento Large Corporate (de 2,9% para 3,2%). No Corporate o indicador ficou estável em 2,2%, em base trimestral.


BB Seguridade (BBSE3)

Lucro do 3T18 abaixo do esperado

A BB Seguridade registrou no 3T18 um lucro líquido ajustado de R$ 891,6 milhões, abaixo do esperado, com queda de 2,0% em relação ao 2T18 e redução de 12,7% em 12 meses. O ROAE ajustado caiu 1,6pp em base trimestral, passando de 39,7% no 2T18 para 38,1% no 3T18.

  • Seguimos com recomendação de compra e preço justo de R$ 37,00/ação, correspondente a um potencial de alta de 31,4%.
  • Destaque no 3T18 para a melhora operacional em praticamente todas as empresas do grupo, com exceção de capitalização. O resultado operacional não decorrente de juros registrou queda de 0,5% em base trimestral e redução de 1,3% em 12 meses, refletindo: (i) menores receitas de corretagem em função do menor volume de venda de produtos de previdência e capitalização; e a (ii) deterioração da margem operacional da BB Corretora, pela comercialização de produtos de tíquete mais baixo até meados do 3T18.
  • Mais uma vez o resultado financeiro no trimestre penalizou o lucro líquido. A queda de 8,0% no trimestre e de 44,4% em relação ao 3T17 pode ser explicada (i) por aumento na taxa de atualização dos passivos financeiros atrelados aos planos de previdência tradicionais, por forte elevação do IGP-M, aliado a (ii) retração da taxa Selic.

AES Tiete (TIET11) 

Resultado do 3T18 em linha com igual trimestre de 2017

A companhia registrou no 3T18 um lucro líquido de R$ 35,4 milhões, com queda de 6,8% em relação aos R$ 37,9 milhões do 3T17, resultado foi afetado negativamente pela atualização do montante represado por decisões judiciais sobre a exposição ao risco hidrológico (GSF) da ordem de R$ 21,4 milhões. Do lado positivo, a estratégia de sazonalização e comercialização de energia no curto prazo, contribuíram positivamente com ganhos de R$ 45,4 milhões e R$ 18,6 milhões, respectivamente.

  • Ontem (5/nov) suas units estavam cotadas a R$ 10,55, com queda de 12,8% este ano. O preço justo de R$ 13,10/unit traz um potencial de alta de 24,2%.
  • Destaque positivo para sua geração de caixa medida pelo EBITDA que somou R$ 208,3 milhões no 3T18, com expressivo crescimento de 29,8% em relação ao 3T17.
  • A alavancagem financeira elevou-se de 2,7x em set/17 para 3,0x em set/18 explicada basicamente pela elevação da dívida entre os trimestres, que passou de R$ 2,6 bilhões para R$ 2,9 bilhões, nesta base de comparação.
  • Com base no resultado do trimestre, a administração da companhia aprovou a distribuição de R$ 39,4 milhões, como dividendo intermediário relativo ao 3T18, equivalente a R$ 0,10010309630/unit. A data base será no dia 08.11.18 e as ações passarão a ser negociadas “ex-dividendos” a partir do dia 09 de novembro de 2018. O yield trimestral é de 0,95%.

Marfrig (MRFG3)

Prejuízo no 3T18

No 3T18, o resultado da operação continuada da Marfrig foi negativo em R$ 126 milhões, influenciado pelo impacto negativo da desvalorização média do real de cerca de 10% no trimestre sobre juros e dívidas e pelos gastos temporários do “bridge loan”, que serão eliminados com a entrada dos recursos da venda de Keystone.

  • Suas ações registram queda de 10,1% este ano para R$ 6,58/ação equivalente a um valor de mercado de R$ 4,1 bilhões.
  • O EBITDA ajustado foi recorde, somando R$ 1.080 milhões, 23% superior ao 3T17 (base proforma). A margem EBITDA ajustada foi de 9,7% em linha com 9,6% do 3T17, explicada pelo ciclo positivo do gado na América do Norte e pelo efeito da desvalorização do real em relação ao dólar.
  • Ao final de set/18 a dívida líquida continuada da Marfrig era de US$ 3.423 milhões, estável em relação ao 2T18.

Clique para acessar o Boletim Diário Completo:

Boletim Diário – PDF

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações


Mapa de Posições Alugadas


Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas




DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. 
As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.