Boletim Diário – 09 de Agosto 2018

MERCADO

Bolsa
Confirmando as expectativas, o cenário político segue ocupando maior espaço e influenciando as decisões de investimento nos últimos dias. Ontem, o Ibovespa encerrou o pregão em queda de 1,49%, aos 79.152 pontos.  O giro financeiro foi de R$ 10,7 bilhões. Pesou também sobre o mercado a queda das principais commodities, principalmente do petróleo, que tem sustentado índice em algumas oportunidades. As bolsas de NY fecharam o dia perto da estabilidade. Hoje as bolsas internacionais mostram queda na Europa e fechamento positivo na Ásia.  Hoje a agenda econômica traz o IPC-Fipe semanal com alta de 0,37%, e nos EUA, dados de emprego e índices de preço ao produtor. O 1º debate para a corrida presidencial marcado para hoje à noite deverá gerar expectativa no mercado, que somada ao comportamento das commodities e um maior número de resultados trimestrais, deverá ditar o rumo do Ibovespa hoje.

Câmbio
A reação dos investidores em relação ao desenrolar do processo eleitoral teve reflexo na cotação da moeda americana que fechou o dia em alta de 0,27% aos R$ 3,7725.

Juros
A maior cautela no mercado doméstico puxou as taxas de juros na ponta mais longa, ontem. No curto prazo. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/19 fechou em 6,645%, de 6,663% na quarta-feira e para jan/25 a taxa fechou na máxima de 11,15%, de 11,03%.



ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Azul (AZUL4)
No 2T18, lucro líquido ajustado de R$ 238,3 milhões ante prejuízo de R$ 38,6 milhões no 2T17.  No 1S18 o resultado foi de R$ 448,8 milhões.

Um bom resultado que deverá influenciar positivamente os papéis da companhia. 

  • Bom desempenho operacional e crescimento significativo na receita, no EBITDAR e resultado líquido.
  • Redução da dívida líquida em 12 meses para R$ 1,17 bilhão.
  • Investimentos na expansão da frota e manutenção de bons indicadores operacionais
  • Revisão das projeções operacionais para baixo por conta do dólar e combustíveis.

Banco do Brasil (BBAS3)
Bom resultado do 2T18, em linha com o esperado

O Banco do Brasil registrou no 2T18 um lucro líquido de R$ 3,1 bilhões, com crescimento de 19,7% em relação ao 2T17 (R$ 2,6 bilhões). Já o lucro líquido ajustado no trimestre, que exclui eventos extraordinários, cresceu 22,3% na mesma base de compactação, para R$ 3,2 bilhões, impactado positivamente pelo incremento da margem financeira líquida – por redução de 32% das despesas de PDD, com as despesas administrativas evoluindo abaixo da inflação, e o aumento de 5,7% das rendas de tarifas.

  • Um bom resultado trimestral em linha com o esperado, com crescimento do ROAE ajustado anualizado, de 12,8% no 2T17 para 13,8% no 2T18, e tendência de melhora para os próximos trimestres. Temos recomendação de compra para BBAS3 com preço justo de R$ 52,00/ação, que traz um potencial de alta de 59,4% quando comparado à cotação de R$ 32,63/ação.
  • Com base nesse resultado o BB conseguiu entregar a maioria das linhas do seu guidance neste 1S18 à exceção do crescimento da carteira de crédito ampliada orgânica interna (-1,0%) e abaixo do intervalo entre 1% e 4%, explicado pelo pior desempenho do segmento PJ (com queda de 7% no semestre). A Margem Financeira Bruta, com queda de 8,1% no 1S18, permanece fora do intervalo de -5% a 0%.
  • O BB revisou o guidance de Despesa de PDD de R$ 16,0 a R$ 19,0 bilhões para o intervalo entre R$ 14,0 e R$ 16,0 bilhões, após R$ 7,8 bilhões no semestre.
  • Com base no resultado do 2T18 o Conselho de Administração aprovou a distribuição de JCP R$ 742,9 milhões, que serão atualizados desde a data do balanço (31/jun/18) até a data do pagamento (31/ago/18). O JCP terá como base a posição acionária de 21/08/2018, sendo as ações negociadas “ex” a partir de 22/08/2018. Com base no valor atualizado do JCP de R$ 0,2686/ação (até 9/ago) o retorno líquido é de 0,7%.

ENGIE Brasil Energia (EGIE3)
Lucro Líquido do 2T18 acima do esperado

A companhia registrou no 2T18 um lucro líquido de R$ 589,2 milhões, acima do esperado, valor 20% superior ao registrado em igual trimestre de 2017, refletindo o forte crescimento de receita, a melhora do resultado operacional e da margem, que compensou a piora do resultado financeiro, reflexo do aumento do endividamento entre os trimestres comparáveis.

  • Com base no resultado do 1S18 o Conselho de Administração aprovou a distribuição de R$ 1.146,0 milhões sob a forma de dividendos intercalares, equivalente a R$ 1,7557267392/ação. As ações ficarão ex-dividendos no dia 21 de agosto de 2018 e o retorno é de 4,8%.

Ao preço de R$ 36,61/ação (valor de mercado de R$ 23,9 bilhões), os papéis da companhia registram valorização de 5,9% este ano, frente alta de 2,6% do IEE e valorização de 3,6% do Ibovespa. Os múltiplos para 2018 apontam um P/L de 11,5x e um VE/EBITDA de 7,4x. O preço justo de R$ 43,00/ação traz um potencial de alta de 17,5%.


Cosan S.A. (CSAN3)
Resultado ajustado do 2T18 registra forte queda em base trimestral

A companhia reportou seus resultados referentes ao 2ª trimestre de 2018, com Receita e EBITDA dentro do esperado, e um lucro líquido ajustado em linha com o 2T17 e forte queda em relação ao 1T18. Seu endividamento líquido subiu bem como sua alavancagem. A companhia consumiu R$ 722 milhões de caixa neste trimestre. Os reflexos da greve dos caminhoneiros sensibilizou negativamente o resultado.

  • No 1S18 a receita cresceu 16% para R$ 27,1 bilhões, o EBITDA ajustado permaneceu estável em R$ 2,35 bilhões e o lucro líquido ajustado cresceu 50% para R$ 387 milhões. Nesta base de comparação a alavancagem caiu de 2,1x para 1,8x o EBITDA.
  • Ao preço de R$ 39,50/ação, correspondente a um valor de mercado de R$ 16,1 bilhões suas ações registram queda de 2,1% este ano. Os múltiplos para 2018 são: P/L de 11,9x e VE/EBITDA de 4,3x. O preço justo de R$ 50,00/ação corresponde a um potencial de alta de 26,6%.
  • No trimestre a Cosan recomprou R$ 598 milhões em ações e distribuiu R$ 450 milhões em dividendos. Em base trimestral a dívida líquida consolidada da companhia cresceu 13% para R$ 10,88 bilhões, com elevação da alavancagem de 1,5x em mar/18 para 1,8x em junho/18.
  • Com base nos resultados a companhia revisou a expectativa de moagem de cana-de-açúcar da Raízen Energia, anteriormente projetado no intervalo entre 62 e 66 milhões de toneladas, para 60 a 63 milhões de toneladas, em função do clima mais seco observado no início da safra, que afetou a produtividade agrícola em algumas regiões.
  • Demais linhas foram mantidas com destaque para a Receita Líquida Proforma da Cosan S/A entre R$ 50,0 e R$ 53,0 bilhões (ante R$ 49,4 bilhões em 2017) e o EBITDA entre R$ 4,9 bilhões e R$ 5,4 bilhões e que se compara a R$ 5,1 bilhões em 2017.

Sanepar (SAPR11)
Bom resultado do 2T18

A Sanepar registrou no 2T18 um lucro líquido de R$ 253,6 milhões, 29% superior ao lucro de R$ 196,8 milhões do 2T17, com importante melhora de receita, lucro operacional e de EBITDA. Nesta base de comparação (12 meses) o número de ligações de água cresceu 1,8% para 3.112.939, com +4,3% nas ligações de esgoto (2.079.427). No 1º semestre de 2018 o lucro líquido alcançou R$ 440,5 milhões, 23% superior aos R$ 356,9 milhões do 1S17.

  • Suas Units cotadas a R$ 45,30  (valor de mercado de R$ 4,6 bilhões), registram queda de 19,5% este ano. Os múltiplos para 2018 são: P/L de 5,6x e VE/EBITDA de 4,7x. O preço justo de R$ 75,00/unit corresponde a um potencial de alta de 65,6%.
  • A Receita Operacional Líquida do 2T18 cresceu 12% em 12 meses para R$ 1,02 bilhão e reflete a revisão tarifária de 8,53% em 2017, impactando integralmente em 2018, do Reajuste Tarifário Anual (IRT) de 5,12% que começou a vigorar em 17/05/2018, da ampliação dos serviços de água e esgoto e do aumento no número de ligações de água e esgoto. No semestre a receita líquida cresceu 10% para R$ 2,02 bilhões.
  • Destaque para o EBITDA que cresceu 25% no 2T18 para R$ 400,1 milhões, com proporcional melhora na margem EBITDA, que passou de 35,3% no 2T17 para 39,2% no 2T18. A geração de caixa operacional no trimestre foi de R$ 326,6 milhões, estável relação a igual trimestre do ano anterior. No semestre o EBITDA cresceu 25% para R$ 809,3 milhões com +4,7pp na margem para 40,1%.
  • Ao final de junho sua dívida bruta era de R$ 2,78 bilhões e se compara a R$ 2,72 bilhões de dezembro de 2017. Já a dívida líquida passou de R$ 2,18 bilhões em dez/17 para R$ 2,44 bilhões em junho de 2018 (equivalente a 1,7x o EBITDA).

Braskem (BRKM5)
Queda nos lucros do 2T18

Os resultados da Braskem no 2T18 mostraram aumento na rentabilidade operacional, em função dos maiores spreads e da desvalorização do real, que elevou os preços na moeda nacional.  No entanto, a alta do custo financeiro, com a forte valorização do dólar, levou à queda do lucro líquido no trimestre.  Além disso, a greve dos caminhoneiros impactou o resultado no Brasil, que teve o pior desempenho entre as unidades da Braskem.

  • A Braskem lucrou R$ 547 milhões (R$ 0,69 por ação) no 2T18, valor 49,8% menor que no mesmo trimestre do ao passado e 48,1% abaixo do trimestre anterior;
  • Na principal unidade de negócios da Braskem (Brasil), houve redução da taxa de utilização das centrais petroquímicas em 3 pontos percentuais, em função da greve dos caminhoneiros.  A empresa estimou que as perdas pela greve chegaram a R$ 200 milhões;
  • A desvalorização do real (16,0%) no trimestre impactou fortemente o resultado financeiro e o lucro do 2T18.  O resultado financeiro no 2T18 foi negativo em R$ 2,1 bilhões, valor 216,4% maior que em 2017.

.


Randon (RAPT4)
Aumento de vendas e do lucro no 2T18

A Randon divulgou seus números do 2T18 na noite de ontem, com forte aumento nas vendas, mas sem ganhos expressivos na rentabilidade operacional.  Com isso, o resultado cresceu muito em relação ao 2T17, porém, caiu na comparação com o trimestre anterior.

  • No 2T18, a Randon lucrou R$ 31,4 milhões (R$ 0,09 por ação), valor 27,2% menor que no trimestre anterior, mas 65,6% acima do obtido no 2T17.
  • Comparado ao mesmo trimestre do ano passado, apenas as vendas de vagões e cotas de consórcio caíram no trimestre;
  • A Randon teve várias elevações no custo de produção durante o 2T18, que impactaram sua rentabilidade;
  • Ontem também a Randon comunicou que sua controlada Fras-le vai adquirir 100% do capital de outra fabricante de autopeças, a Fremax, por R$ 180 milhões.

Aliansce Shopping Centers (ALSC3)
Lucro líquido de R$ 26,9 milhões no 2T18, queda de 2,1%. No 1S18 o lucro líquido caiu 19,4% para R$ 33,6 milhões.

  • Desempenho mais fraco com queda na receita líquida do 2T18 e 1S18;
  • Lucro bruto fica praticamente estável com a redução do custo de aluguéis e serviços;

EBITDA mostra crescimento de 7,35 no comparativo trimestral, mas o resultado líquido sofre queda nos dois períodos comparativos.


Aliansce Shopping Centers (ALSC3)
Lucro líquido de R$ 26,9 milhões no 2T18, queda de 2,1%. No 1S18 o lucro líquido caiu 19,4% para R$ 33,6 milhões.

  • Desempenho mais fraco com queda na receita líquida do 2T18 e 1S18;
  • Lucro bruto fica praticamente estável com a redução do custo de aluguéis e serviços;
  • EBITDA mostra crescimento de 7,35 no comparativo trimestral, mas o resultado líquido sofre queda nos dois períodos comparativos.

Cemig S.A. (CMIG4)
Alienação dos ativos de telecomunicações

A companhia realizou ontem (8/ago) a Sessão Pública da licitação presencial visando à alienação dos seus ativos de telecomunicações.

  • A proposta econômica vencedora do Lote 1, apresentada pela American Tower do Brasil – Internet das Coisas Ltda., foi de R$ 571,0 milhões, ou seja, 70,41% superior ao valor mínimo (R$ 335,07 milhões) de arrematação definido no Edital.
  • A proposta econômica vencedora do Lote 2, apresentada pela Algar Soluções em TIC S.A., foi de R$ 77,89 milhões, ou seja, 139,86% superior ao valor mínimo (R$ 32,47 milhões) de arrematação definido no Edital.
  • Vemos como positivo dado o ágio de 76,55% alcançado no conjunto dos dois lotes. A soma do ágio do lote 1 e do lote 2 é de R$ 281,35 milhões equivalente a R$ 0,1930/ação, que comparado a cotação da preferencial de R$ 8,31/ação, corresponde a 2,3%. O preço justo de R$ 10,00/ação embute um potencial de alta de 20,3% para CMIG4.

Ser Educacional (SEER3)
Bom resultado, com foco no dever de casa

A Ser, que segue focada em seu plano de negócios baseado nos pilares de crescimento orgânico, após o malsucedido plano de expansão que ocasionou forte desvalorização da ação na bolsa, apresentou bons resultados no 2T18. Porém, no acumulado do ano os resultados ainda são negativos, mas acreditamos que a companhia já vem se readequando de forma positiva para sua nova estrutura de custos e despesas.
No trimestre, frente ao 2T17, houve avanço nas principais linhas de negócio, com destaque para o crescimento da receita líquida, EBITDA ajustado e um avanço de 28,9% no lucro líquido, para R$ 86,2 milhões.
A ação SEER3 encerrou ontem cotada a R$ 17,81 acumulando desvalorização de 42,2% em 2018. O valor de mercado atual da companhia é de R$ 2,4 bilhões e a ação está sendo negociada a 1,55x o valor patrimonial.
Destaques:

  • A receita líquida atingiu R$ 339,2 milhões (3,1% a/a) – aumento de 2,4% a/a no 1S18;
  • EBITDA Ajustado de R$ 105,5 milhões (2,9% a/a) – queda de 14,4% a/a/ no 1S18;
  • Lucro Líquido Ajustado de R$ 86,2 milhões (28,9% a/a) – recuo de 0,4% a/a no 1S18.

Gerdau (GGBR)
Bons resultados no restante do ano

Na teleconferência de resultados do 2T18, realizada na tarde ontem, a empresa insistiu nas boas perspectivas de vendas e resultado para o segundo semestre do ano.

  • No 2T18, a Gerdau lucrou R$ 695 milhões (R$ 0,40 por ação), valor que foi 54,0% maior que no trimestre anterior e mais de nove vezes superior ao resultado auferido no 2T17;
  • Continua o foco na redução das despesas operacionais.  No 2T18, estas despesas representaram 3,2% da Receita Líquida (4,7% no 2T17);
  • Aumentos na geração de caixa serão direcionados para a redução da dívida.

CSN (CSNA3)
Foco na desalavancagem

Na teleconferência para comentar o resultado do 2T18, a diretoria da empresa reafirmou seu foco na desalavancagem através da venda de ativos, que deve ser realizada no segundo semestre deste ano.

  • Venda de ativos e aumento na geração de caixa devem trazer a relação dívida líquida/EBITDA de 5,3x no 2T18 para 4,0x ao final de 2018 e 3,5x em 2019;
  • Ativos foco para venda são as unidades no exterior (Portugal e Alemanha) e o parte da produção de minério de ferro;
  • A diretoria da CSN espera que os resultados no 3T18 sejam melhores que no 2T18.

Multiplan (MULT3)
Recompra de até 1,5 milhão de ações até 23/08

Ontem, o conselho de administração da Multiplan aprovou o novo programa de recompra de até 1,5 milhão de ações da companhia.

  • Anúncio de recompra de até 1,5 milhão de ações em 15 dias.
  • Ontem a ação MULT3 encerrou cotada a R$ 19,23. Com base nesta cotação, o valor de desembolso será de R$ 28,8 milhões. O volume financeiro médio negociado foi de R$ 54,5 milhões nos últimos 3 meses.

Clique para acessar o Boletim Diário Completo:

Boletim Diário – PDF

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações


Mapa de Posições Alugadas




DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. 
As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.