Boletim Diário – 26 de julho 2018

MERCADO

Bolsa
Ontem o Ibovespa fechou em alta de 1,34% aos 80.218 pontos acumulando valorização de 10,25% em julho. O volume somou R$ 9,2 bilhões. Em alta desde o início do dia o mercado refletiu a ausência de risco tanto no cenário externo quanto interno. Os papéis do setor financeiro subiram após o bom resultado do Santander. Hoje, o leilão da Cepisa (distribuidora da Eletrobras no Piauí) e a formalização de apoio do centrão a Geraldo Alckmin estão na pauta do dia. Nos EUA destaque para os indicadores de Seguro-desemprego – 21/julho e os Pedidos de bens duráveis na prévia de junho. Bolsas na Europa operam em alta e futuros americanos em baixa. O dólar se aprecia ante demais moedas. Por aqui a safra de resultados corporativos continua e referencia o comportamento do mercado.

Câmbio
O dólar teve mais um dia de queda e já acumula perda de 4,4% no mês. Ontem a moeda recuou 1,05% no mercado à vista, encerrando o dia a R$ 3,7045. Como “pano de fundo” o encontro do presidente Donald Trump com o chefe da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em conversa sobre tarifas, e a disposição dos investidores em relação aos ativos de maior risco.

Juros
Alinhado com o movimento do câmbio, os juros futuros encerraram a sessão regular ontem em queda ao longo de todos os vencimentos, com destaque de baixa nos vencimentos de curto e médio prazo. A taxa do DI para janeiro de 2019 fechou a 6,625%, de 6,693% anteontem no ajuste. O DI para janeiro de 2021 fechou a 8,94%, de 9,05% no ajuste do dia anterior. O DI para janeiro de 2023 caiu de 10,33% para 10,24%.



ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

VALE (VALE5)
Resultados do 2T18, proventos e recompra
O resultado da Vale no 2T18 comparado ao trimestre anterior foi fraco, mostrando queda de margens em função dos aumentos de custos e redução nos preços da maioria dos produtos.  No entanto, em relação ao 2T17, os números deste trimestre em termos operacionais foram positivos, com aumento de vendas e preços, que levaram a ganhos de margem.  O lucro do 2T18 foi muito impactado pelo forte aumento dos custos financeiros, derivado da expressiva desvalorização do real (16,0%) no trimestre.

  • O lucro líquido da Vale no 2T18 foi de US$ 76 milhões, valor 375,0% maior que 2T17, mas 95,2% inferior ao trimestre anterior;
  • A Vale anunciou a concessão de proventos no valor de US$ 2.054 milhões (Valor bruto R$ 7,7 bilhões – R$ 1,480361544 por ação) a serem pagos no dia 20 setembro, com base nas posições acionárias de 2/agosto.
  • A empresa informou que vai promover um programa de recompra de ações nos próximos doze meses, totalizando US$ 1 bilhão.;

AMBEV (ABEV3)
Resultados do 2T18
O resultado da Ambev no 2T18, comparado ao mesmo trimestre do ano passado, mostrou aumentos de vendas e preços, que permitiram ganhos de margem e nos resultados.

  • O lucro líquido ajustado da Ambev no 2T18 foi de R$ 2,4 bilhões (R$ 0,15 por ação), 14,1% maior que no 2T17, mas 6,7% inferior ao resultado do trimestre anterior;
  • O volume total vendido no 2T18 subiu 2,5%, em função do bom desempenho em todas as operações, com exceção do Canadá;
  • A Ambev está confiante que pode obter crescimento de rentabilidade neste ano no Brasil.

BRADESCO (BBDC4)
Bom 2T18 em linha com nossas estimativas

O Bradesco registrou um lucro líquido recorrente de R$ 5,2 bilhões no 2T18, com crescimento de 9,7% em relação ao 2T17 (R$ 4,7 bilhões) e em linha com o resultado recorrente do trimestre anterior (R$ 5,1 bilhões). No semestre o lucro cresceu 10% para R$ 10,3 bilhões. Seguimos com preço justo de R$ 45,00/ação e com recomendação de COMPRA para suas ações.

  • O Retorno sobre o patrimônio líquido médio recorrente (ROAE) subiu de 18,1% no 2T17 para 18,4% neste 2T18, com queda de 0,2 p.p em relação aos 18,6% do 1T18.
  • Um bom resultado trimestral, em linha com nossas estimativas, com destaque para a queda da PDD “expandida”, forte incremento do resultado de Seguros/Previdência/Capitalização e evolução comportada das Despesas Administrativas/Pessoal.
  • A carteira de crédito expandida cresceu 6% no trimestre e 4,5% em 12 meses, e segue adequadamente provisionada. A inadimplência caiu de 4,4% no trimestre anterior para 3,9% neste 2T18.
  • O guidance para este ano foi revisto em duas linhas: o crescimento dos Prêmios de Seguros para baixo, e as Despesas de PDD também – o que é positivo.

EDP ENERGIAS DO BRASIL (ENBR3)
Bom lucro líquido no 2T18 acima do esperado
A EDP registrou um lucro líquido de R$ 227,7 milhões no 2T18, com crescimento de 60% em relação ao lucro do 2T17, principalmente em função do aumento da margem e da melhora do resultado financeiro. O lucro líquido ajustado cresceu 26% para R$ 159,8 milhões. No acumulado do semestre o lucro somou R$ 441,8 milhões (+60%) sendo R$ 367,0 milhões em base ajustada (+42%).

  • Ao preço de R$ 14,40/ação as ENBR3 registram alta de 6,7% este ano. O preço justo de R$ 17,00/ação corresponde a um potencial de alta de 18,1%.
  • A Receita Líquida somou R$ 3,3 bilhões no 2T18, um aumento de 26% em relação ao 2T17, em função dos reajustes tarifários nas distribuidoras, do ressarcimento referente a UTE Pecém e do maior volume de energia comercializada.
  • Os Gastos não gerenciáveis cresceram 33% para R$ 2,3 bilhões, explicado pelo aumento dos gastos nas distribuidoras, devido ao custo do despacho termoelétrico, dos contratos de energia no ACL e do aumento nos custos de transporte de energia.
  • O EBITDA cresceu 12% no trimestre pela melhora do resultado operacional da geração térmica e da distribuição.
  • Ao final do trimestre a sua dívida líquida era de R$ 4,4 bilhões equivalente a 1,9x o EBITDA.

ODONTOPREV (ODPV3)
Lucro do 2T18 abaixo do piso das estimativas
A companhia registrou um lucro líquido de R$ 60,3 milhões no 2T18, com crescimento de 16,9% em relação ao 2T17 e 18,0% maior no 6M18 para R$ 142,3 milhões. O lucro do trimestre veio abaixo das estimativas de mercado, que estavam entre R$ 63,0 e R$ 76,0 milhões. Suas ações registram queda de 10,8% este ano para R$ 14,20/ação. O preço justo de R$ 15,60/ação embute um potencial de alta de 9,9%.

  • Este resultado foi construído a partir do crescimento da receita líquida, de 5,9%, e que se mostrou acima do ritmo dos últimos quatro trimestres, de acordo com a companhia.
  • O tíquete médio de R$ 20,35 foi 3,4% superior ao 2T17 (sendo PME de R$ 20,82 e Individuais de R$ 40,85).
  • A sinistralidade no 2T18 estava em 45,5% sendo de 43,7% no 6M18 e 44,7% em 12 meses, a manor desde o 1T10. Nesse contexto a PDD se mostrou limitada a 3,4% no 2T18, e a 3,5% no 6M18.
  • O EBITDA ajustado cresceu 9,7% no trimestre para R$ 94,4 milhões, com expansão de margem para 25,2%, atingindo R$ 200,8 milhões no 6M18 (+13,8%).
  • Ao final do trimestre o caixa líquido da companhia era de R$ 548,7 milhões (dívida zero), com crescimento de 6,6% em 12 meses.

Clique para acessar o Boletim Diário Completo:

Boletim Diário – PDF

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações


Mapa de Posições Alugadas




DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. 
As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.